Rádio Observador

Mário Centeno

A ignorância é uma bênção

Autor
2.043

Todos sabemos que o sistema que o dr. Costa representa prospera unicamente sobre a apatia alheia, e que, apesar dos foguetes e da propaganda, isto acabará mal. Sabemos, ou deveríamos saber.

Afinal, para que serve o presidente do tal Eurogrupo? Deixemos o próprio dr. Centeno explicar: para “(…) conduzir a discussão para alcançar o consenso necessário à construção de uma UEM com um quadro institucional mais resiliente, promovendo a convergência económica e indo ao encontro das expectativas dos cidadãos”. Serve, portanto, para se aliviar de pateguices semi-analfabetas.

A espectacular irrelevância do cargo e, sobretudo, do seu fresquíssimo ocupante foi devidamente tida em conta pelos “media” lá de fora, que dedicaram ao assunto a atenção que um Maserati dedica ao Museu dos Coches. Já os “media” cá de dentro, ou a parte expectável deles, entraram em previsível êxtase. Não era para menos. Num único “acontecimento” (liberdade poética), juntava-se tudo o que os move: o imaginário brio nacionalista; um lugar de imaginário prestígio internacional; a imaginária consagração das políticas socialistas; a oportunidade de, mediante vénia ou cócoras, voltarem a exaltar os imaginários méritos do dr. Costa. Num desses jornais que vendem 3000 exemplares e cada exemplar inclui 4000 louvores dos poderes vigentes, uma vetusta personalidade do jornalismo caseiro resumiu o tom geral: dado ser óbvio que o dr. Centeno é uma luz resplandecente, todos os que não se curvam ante tamanho brilho são rematados idiotas. Com ligeiras variações de presunção, o tipo de presunção que quem manda despeja em quem obedece, a maioria das opiniões publicadas não se afastou excessivamente da referida em matéria de profundidade e pertinência.

Resta um pormenor. Esta profundidade, esta pertinência e esta presunção não são exactamente novas. Ouvimo-las, das mesmas incansáveis alminhas, no tempo e a propósito do “eng.” Sócrates. Andava o bom homem a esfarrapar o país de alto a baixo, na economia, na liberdade e na decência, e os bajuladores da oligarquia prestavam-se a um papel igualzinho ao que se prestam agora. De facto, não prestam para mais. Ontem como hoje, o comentariado indígena defendia as virtudes dos donos contra os “neoliberais” que duvidavam das ditas. E ai do “neoliberal” que ousasse continuar a duvidar – no mínimo, levava um enxovalho; no máximo terminava no olho da rua. Ontem como hoje.

Após um interregno de quatro anos para verter ódio em cima de Pedro Passos Coelho, vulgo o Usurpador, o comentariado regressou à veneração dos bandos que põem e dispõem disto, actualmente enriquecidos pela aliança jovial com quadrilhas totalitárias. E fê-lo sem arrependimento, pingo de vergonha ou sequer um pífio pedido de desculpas. Essa gente limitou-se a trocar de santinho e, a pretexto do dr. Centeno ou do pechisbeque que calhar, a repetir as lisonjas de sempre. E a aplicar o desprezo de sempre aos que sentem, inclusive na pele, os efeitos do repulsivo estado das coisas.

A propósito de coisas, uma é certa: quando emite as opiniões que os donos lhe ditam, o comentariado não fala no vazio. Por incrível que pareça, existe, fora dos interesses, dos compadrios e das avenças, um público que genuinamente engole os elogios ao dr. Costa com a credulidade, e a abertura digestiva, com que engolia as tentativas de beatificação do “eng.” Sócrates. Porquê? Curiosamente, é o próprio dr. Costa a fornecer uma possível resposta.

Há dias, o primeiro-ministro lembrou: “O maior défice que temos não é o défice das finanças, é o que acumulamos de ignorância, de desconhecimento, de ausência de educação, de ausência de preparação”. Tipicamente, e decerto a título exemplificativo, o homem tropeçou nos conceitos e a frase não faz sentido nenhum (um défice de desconhecimento é mau?). Ainda assim, percebeu-se a ideia, que além de um impiedoso retrato dos senhores que governam, é igualmente um retrato fiel de boa parte dos governados. Não é fácil cometer um erro, insistir em errar e não aprender um bocadinho no processo. Sofrer a hecatombe socialista, pagar pelas respectivas consequências e voltar a abraçar as causas do desastre com a inocência e a esperança iniciais não está ao alcance de qualquer sociedade. Talvez seja necessária uma extraordinária abundância de primitivismo, ou infantilidade, ou estupidez, se preferirem a ofensa.

E há pior. Num país não propenso a confundir-se com um jardim-escola, a reacção natural dos eleitores ao colapso engendrado pelo PS seria escorraçar a seita em definitivo, simbólica ou literalmente. Aqui, pelo contrário, o PS floresce nas sondagens, o CDS é liderado por uma aprendiza do marxismo e o PSD “reforma-se” com entulho de modo a competir em votos com a toleima em curso. Por pudor, não menciono o quinto da população que orgulhosamente escolhe os herdeiros de Lenine e sonha com a felicidade venezuelana. De um lado, há milhões de cidadãos encantados com o saque dos seus impostos para alimentar a pândega (eles chamam-lhe “consciência social”). Do outro, um deserto povoado por meia dúzia de excêntricos. O povo – equívoca palavra – não só tolera a desgraça: exige-a.

O dr. Costa tem razão ao notar a ignorância que por aí vai. E mente ao prometer combatê-la, não por não ser sua obrigação ou por ser um burgesso, mas por não lhe dar jeito. Todos sabemos que o sistema que o dr. Costa representa prospera unicamente sobre a apatia alheia, e que, apesar dos foguetes e da propaganda, isto acabará mal. Sabemos, ou deveríamos saber. Porém, o dr. Costa é o primeiro a admitir, com falsa consternação, que ninguém sabe nada.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)