Rádio Observador

Saúde

A Integração do Eu – Uma Mudanca de Paradigma

Autor
  • Carla Costa

Quando uma considerável percentagem da população de países desenvolvidos já recorreu a terapias alternativas, figuras de autoridade e influência não podem continuar a fechar os olhos a esta realidade.

A capacidade de lidar com situações de maneira criativa é um dos principais aspetos que diferenciam os humanos de outras criaturas do reino animal. Toda esta criatividade tem sido direcionada para fatores externos a si próprio. A ciência, a religião, os valores morais e éticos, a economia, a tecnologia são exemplos disso mesmo. Tratam-se de brilhantes invenções que permitiram, até aos dias de hoje, fazer face às progressivas necessidades do ser humano.

Este ilimitado potencial de criatividade tem vindo, no entanto, a adquirir contornos cada vez mais preocupantes, marcados por um ritmo de desenvolvimento e de crescimento civilizacional progressivamente mais rápido e insustentável.

A abundância e o imediatismo tornaram-se nas novas necessidades do século XXI. Necessidades estas que começam a colidir com necessidades biológicas do próprio ser humano, conduzindo-o a estados emocionais negativos que, mantidos no tempo, geram perturbações mentais com impacto direto e indireto a nível pessoal e social.

Fazer face àquelas necessidades implica ultrapassar em larga escala os limites físicos, mentais, psicológicos e comportamentais do ser humano. No fundo, tudo aquilo que o define. A convivência diária e progressiva com máquinas em detrimento do convívio social e/ou a perspetiva de maquinização do ser humano, são exemplos da via autodestrutiva que o ser humano está a adotar.

Atingido este ponto, é hora de redirecionar o foco. Depois de séculos focados no desenvolvimento do conhecimento externo, que ameaça a nossa existência enquanto seres HUMANOS, urge agora desenvolver o conhecimento interno. Isto é, o desenvolvimento da autoconsciência, da autorresponsabilização e do autodesenvolvimento.

Trata-se de um convite à reflexão individual sobre a própria conduta, os próprios desafios, as próprias necessidades emocionais, o próprio percurso de vida, enfim todas as realidades não palpáveis, visando o aperfeiçoamento da própria existência.

Iniciar este percurso é contrariar conscientemente o imediatismo e a abundância do século XXI. Alavancar a sociedade a níveis de consciência mais elevados é um processo moroso que implica uma responsabilidade partilhada entre cidadãos e governantes. É inegável, o poder que a dimensão mental tem no percurso evolutivo da nossa sociedade, se por um lado ela é responsável por magnificas descobertas, ela também é responsável por terríveis conflitos. Neste sentido, a integração progressiva da espiritualidade no modo de vida das pessoas poderá ser a chave para um maior equilíbrio psicológico que permitirá amenizar situações conflituosas ao incidir o seu foco na busca de um sentido mais profundo da própria identidade.

O seu enraizamento, porém, exigirá uma via de expressão, isto é, uma aplicabilidade prática por intermédio de necessidades intemporais da sociedade. Uma dessas necessidades é a saúde.
As terapias alternativas são conhecidas por estabelecerem uma forte relação entre as dimensões mentais, físicas e espirituais do ser humano. Uma vez iniciado o percurso de autodesenvolvimento, seja por intermédio de terapias alternativas ou outra via, dificilmente ele é abandonado por vontade própria dada a subtileza com que se instala.

Nesta ótica, e dado que as instituições de saúde são geridas e reguladas por figuras de autoridade, urge que estas reconheçam a importância que a espiritualidade pode exercer na sociedade ao atuar como um impulsionador de novos hábitos comportamentais, mais saudáveis e humanistas.

Considerar estas “novas” abordagens no âmbito da saúde sem desprezar o conhecimento depurado ao longo de séculos, é também sinónimo de desenvolvimento. Por outro lado, em plena Era de Globalização faz todo o sentido que se comece igualmente a depurar práticas e conhecimentos milenares de outras culturas viabilizando pontos de maior convergência e tolerância face à diversidade cultural.

Sabe-se que uma considerável percentagem da população de países desenvolvidos já recorreu a terapias alternativas. Deste modo, figuras de autoridade com capacidade para tomada de decisões que influem no modo de vida das pessoas, não podem continuar a fechar os olhos a esta realidade e ignorar um grito de mudança que não mostra sinais de se querer calar.

A parca investigação científica no âmbito destas abordagens holísticas da saúde, não deve portanto ser encarada como uma limitação à sua prática mas antes como um desafio. Assim, a sua introdução em Unidades de Saúde Públicas se por um lado permite uma adequada monitorização do impacto físico que poderá causar, viabilizando deste modo um maior número de estudos; por outro lado, permite dar maior ênfase à componente mental, que permanece fortemente desvalorizada, e naturalmente à dimensão espiritual que, num mundo tão materialista como o de hoje em que os apelos ao consumo levam tantas pessoas a confundir estilos de vida com vida, se apresenta com um grande potencial para o encontro da realização do potencial de cada um.

Mestrado em Enfermagem. Discente do Curso de Mestrado em Medicina da Faculdade de Medicina de Lisboa

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)