Crónica

A misteriosa relação entre os homens e o cesto da roupa suja /premium

Autor
885

Há alguns raríssimos homens abençoados, lindos, iluminados e bem educados que fazem esse ato de grandeza, que é simplesmente colocar a roupa toda dentro do cesto da roupa suja. Coisa maravilhosa.

Muitos mistérios se espalham ao redor do mundo: como foram construídos os bustos da Ilha de Páscoa? Atlântida é um mito ou foi realidade? E o monstro do Lago Ness, já existiu? Como foram feitas as linhas de Nazca? Precisamos temer o ET de Varginha? Onde foi parar a tripulação do navio Mary Celeste? Qual o segredo do Triângulo das Bermudas?

Todavia, nenhum desses mistérios é tão presente nos nossos cotidianos quanto a misteriosíssima relação que existe entre os homens e o cesto da roupa suja. Ou melhor: quanto a relação que, frequentemente, NÃO EXISTE entre os homens e este simples e bem intencionado objeto, presente em nossas casas.

Pelo que pude pesquisar, há diversos tipos de comportamento, no que tange a esta temática. Temos, por exemplo, os homens que tiram a roupa num determinado local da casa e é ali mesmo que a roupa permanece. Do jeito que a calça cai no chão, ela fica. Por dias, meses, anos, até virar fóssil. Não interessa quem vá tropeçar nas roupas, tampouco quem vá ter que se abaixar para removê-las dali. Este é um tipo de homem que, em tese, nem sabe da existência de um cesto de roupa suja na casa. Nunca nem viu.

Há um outro tipo, que até sabe que há um cesto onde teoricamente ele deveria colocar as peças que precisam ser lavadas. Mas existe uma certa incapacidade para levantar a tampa do cesto — que alguns médicos afirmam ser um problema de ordem motora — e portanto, esses homens deixam suas lindas peças de roupa ao lado do cesto, no chão. Meias, cuecas, camisas. Tudo fica na base do cesto, como se fossem belos presentes enfeitando a base da árvore de natal.

Outra espécie registrada é a dos homens que, frustrados por não terem se tornado jogadores da NBA, mas sim bancários, acadêmicos, vendedores, advogados ou operadores do mercado financeiro, arremessam suas peças de roupa à distância, tentando acertá-las, sem muito esforço, dentro do cesto. Observando os resultados dos arremessos, podemos facilmente compreender o porquê dos Los Angeles Lakers e dos Golden State Warriors nunca terem feito uma proposta de contratação.

Também há um tipo, bastante raro, porém existente, que são os homens que até pretendem colocar suas roupas dentro do cesto, todavia, eles não têm a capacidade de colocar a roupa inteira ali, e acabam deixando as mangas das camisas e as pernas das calças penduradas para fora, nos dando a sensação de que há um morto vivo vivendo no cesto e que ele pode sair dali para nos assombrar a qualquer momento.

Mas, sim, há alguns raríssimos homens abençoados, lindos, iluminados e bem educados que fazem esse ato de grandeza, que é simplesmente colocar a roupa toda dentro do cesto da roupa suja. Coisa maravilhosa. Não vamos comentar que, frequentemente, a roupa não está suja, mas que eles têm preguiça de analisá-la e de, eventualmente, ter que guardar de volta no armário. Também não vamos comentar que muitas vezes a roupa é colocada dentro do cesto completamente ensopada de suor, embolada, sem qualquer tipo de preocupação com o nefasto cheiro que impregnará o cômodo inteiro até o dia da próxima lavagem da roupa suja. Deixemos isso pra lá.

Enfim, toda essa complexa relação é realmente um grande mistério que a ciência deveria estudar com afinco. Mas enquanto não divulgam nenhum laudo acerca do tema, seguimos na luta, tentando educar as crianças a colocar lixo no lixo e a colocar a roupa suja no cesto da roupa suja. Afinal, alguém de nós tem que fazer esse trabalho imundo, não é mesmo? Coragem.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

Nos desculpem, queridos millennials /premium

Ruth Manus
1.332

Millennials, nos desculpem. Tem uma parcela de culpa de todo mundo nisso. Dos pais, da escola, do mercado de trabalho, da indústria, das redes sociais. E, sim, temos coisas a aprender com vocês.  

Crónica

A “familiar de referência” /premium

Maria João Avillez
146

A altíssima competência médica de Santa Maria releva também do milagre da dedicação. Deve haver poucos sítios no mundo onde se possa entregar assim um coração.

PCP

A História os absorverá /premium

José Diogo Quintela
2.095

Termos partidos leninistas e trotskistas a conviver com pessoas comuns é um luxo para o cidadão português interessado em História. É como um paleontólogo ter um Brontossauro de estimação no quintal.

Crónica

Os meninos à roda da propaganda /premium

Helena Matos
2.314

O menino que em 2012 chorava porque a mãe não tinha dinheiro para comprar bolachas agora quer salvar o planeta. O que mudou? A cor política do Governo. As bolachas essas continuam iguais. 

Crónica

O absurdo do nosso presente 

Paulo Rodrigues Ferreira

Como devemos gerir a vida numa altura em que os nossos vizinhos e conhecidos abdicaram voluntariamente da racionalidade e, na sua nova condição de rinocerontes, marram contra as paredes?

Crónica

Meritocracia, a nova ordem social

Edgar Simões
441

Um ideal de uma sociedade organizada e transparente, onde o filho de quem é não interessa, onde o local onde nasceu não interessa, nem a sua cor de pele nem género, somente o que se merece e alcançou.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)