Rádio Observador

Crónica

A misteriosa relação entre os homens e o cesto da roupa suja /premium

Autor
885

Há alguns raríssimos homens abençoados, lindos, iluminados e bem educados que fazem esse ato de grandeza, que é simplesmente colocar a roupa toda dentro do cesto da roupa suja. Coisa maravilhosa.

Muitos mistérios se espalham ao redor do mundo: como foram construídos os bustos da Ilha de Páscoa? Atlântida é um mito ou foi realidade? E o monstro do Lago Ness, já existiu? Como foram feitas as linhas de Nazca? Precisamos temer o ET de Varginha? Onde foi parar a tripulação do navio Mary Celeste? Qual o segredo do Triângulo das Bermudas?

Todavia, nenhum desses mistérios é tão presente nos nossos cotidianos quanto a misteriosíssima relação que existe entre os homens e o cesto da roupa suja. Ou melhor: quanto a relação que, frequentemente, NÃO EXISTE entre os homens e este simples e bem intencionado objeto, presente em nossas casas.

Pelo que pude pesquisar, há diversos tipos de comportamento, no que tange a esta temática. Temos, por exemplo, os homens que tiram a roupa num determinado local da casa e é ali mesmo que a roupa permanece. Do jeito que a calça cai no chão, ela fica. Por dias, meses, anos, até virar fóssil. Não interessa quem vá tropeçar nas roupas, tampouco quem vá ter que se abaixar para removê-las dali. Este é um tipo de homem que, em tese, nem sabe da existência de um cesto de roupa suja na casa. Nunca nem viu.

Há um outro tipo, que até sabe que há um cesto onde teoricamente ele deveria colocar as peças que precisam ser lavadas. Mas existe uma certa incapacidade para levantar a tampa do cesto — que alguns médicos afirmam ser um problema de ordem motora — e portanto, esses homens deixam suas lindas peças de roupa ao lado do cesto, no chão. Meias, cuecas, camisas. Tudo fica na base do cesto, como se fossem belos presentes enfeitando a base da árvore de natal.

Outra espécie registrada é a dos homens que, frustrados por não terem se tornado jogadores da NBA, mas sim bancários, acadêmicos, vendedores, advogados ou operadores do mercado financeiro, arremessam suas peças de roupa à distância, tentando acertá-las, sem muito esforço, dentro do cesto. Observando os resultados dos arremessos, podemos facilmente compreender o porquê dos Los Angeles Lakers e dos Golden State Warriors nunca terem feito uma proposta de contratação.

Também há um tipo, bastante raro, porém existente, que são os homens que até pretendem colocar suas roupas dentro do cesto, todavia, eles não têm a capacidade de colocar a roupa inteira ali, e acabam deixando as mangas das camisas e as pernas das calças penduradas para fora, nos dando a sensação de que há um morto vivo vivendo no cesto e que ele pode sair dali para nos assombrar a qualquer momento.

Mas, sim, há alguns raríssimos homens abençoados, lindos, iluminados e bem educados que fazem esse ato de grandeza, que é simplesmente colocar a roupa toda dentro do cesto da roupa suja. Coisa maravilhosa. Não vamos comentar que, frequentemente, a roupa não está suja, mas que eles têm preguiça de analisá-la e de, eventualmente, ter que guardar de volta no armário. Também não vamos comentar que muitas vezes a roupa é colocada dentro do cesto completamente ensopada de suor, embolada, sem qualquer tipo de preocupação com o nefasto cheiro que impregnará o cômodo inteiro até o dia da próxima lavagem da roupa suja. Deixemos isso pra lá.

Enfim, toda essa complexa relação é realmente um grande mistério que a ciência deveria estudar com afinco. Mas enquanto não divulgam nenhum laudo acerca do tema, seguimos na luta, tentando educar as crianças a colocar lixo no lixo e a colocar a roupa suja no cesto da roupa suja. Afinal, alguém de nós tem que fazer esse trabalho imundo, não é mesmo? Coragem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jovens

Salvar o ambiente, mas saber tratar a avó /premium

Ruth Manus
1.851

Teletransportados daquele “inútil” ambiente familiar para seus ricos núcleos (ou bolhas) de debates, terminam por ser um corpo presente na mesa e uma ausência gritante naquele raro momento de partilha

Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus
4.286

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Crónica

Por cá, na Quinta…

Pedro Barros Ferreira
200

Estes prodígios das finanças criticam tudo e todos, direita e esquerda. Nada lhes serve. O que interessa é o que Estado volte a abrir os cordões à bolsa (e nisso os socialistas são bons, sem dúvida).

Crónica

Carta do Di Maria escrita por um médico português

Fernando Leal da Costa
382

Com as devidas adaptações poderia ter sido escrita por um qualquer trabalhador em Portugal ou no mundo inteiro. Por qualquer profissional! Se por um futebolista teria sido lida por milhões de sabichões

Política

The winter is coming

Pedro Barros Ferreira
209

Para travar esta frente fria, é necessário que alguém – por favor alguém! – saia do armário e afirme sem medo que quanto maior for a presença do Estado nas relações humanas maior é a corrupção.

Crónica

O que fazer quando se fazem 50 anos /premium

Alberto Gonçalves
1.198

Se o que importa é o que fazemos com os anos, a verdade é que, nestes 50, fiz o que quis, o que pude, o que soube e principalmente o que calhou. Amanhã, faço 50 anos. E depois de amanhã, faço o quê?

Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)