União Europeia

A mudança na Europa

Autor
168

Muitos dos que clamam por mudança na Europa fazem-no com um discurso hostil para com o norte e, afinal, eis que é exactamente nessa geografia que a mudança está a ser feita e sentida.

De tempo a tempo lá ouvimos alguns políticos e personalidades a falar de uma necessária mudança na Europa, aos níveis político, económico e social. Curiosamente tal só acontece, e com grande exaltação, em momentos de vitórias de movimentos radicais e em determinados países.

Ora é pela vitória do Syriza na Grécia, nomeadamente aquando do Referendo nesse país, ou pelo resultado do Podemos nas europeias na nossa vizinha Espanha. Quase que diziam o mesmo da Frente Nacional em França, mas o politicamente correcto tem as suas conveniências. Ideológicas, pois claro. Para outros, onde me incluo, não há extremismo que encante, nem radicalismo que convença.

Mas o resultado do referendo na Grécia levou alguns a afirmar que a Mudança na Europa está a acontecer. E eu confirmo e subscrevo. Mas não é pelos acontecimentos na Grécia. Nem pelo referendo, nem pela vitória do Syriza em Janeiro de 2015.

Por muito que custe a alguns, a mudança na Europa não está a ser feita nos extremos. É ao centro, na moderação e bom senso, através de posições e programas sociais liberais. País a país e nas instituições e fóruns europeus. No Parlamento, na Comissão e no Conselho Europeus.

O duopólio entre o Partido Popular Europeu – PPE e o Partido Socialista Europeu – PES, acabou. Mas não nos extremos. Com serenidade e moderação, sem populismos e demagogias, há uma família europeia em crescendo e a afirmar-se, ao centro, com uma visão liberal e defensora dos genuínos valores europeus. A Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa – ALDE.

O acrónimo ALDE é já incontornável na política europeia. Não apenas no seu léxico e não apenas no Parlamento Europeu. No Conselho Europeu são já 7 os Primeiros-ministros que partilham os valores e princípios do ALDE. O PPE conta com 10 e o PES com 8.

E o impacto não é apenas ao nível das instituições e políticas europeias. O mais relevante e o que permite esta união são os eleitores que em diversos países reconhecem nos valores liberais e nas posições moderadas a solução para a crise que alastra por toda a europa.

Nos últimos meses a Dinamarca (re)elegeu Lars Løkke Rasmussen para seu Primeiro-ministro, que se junta assim a Xavier Bettel (Luxemburgo), Miro Cerar (Eslovénia), Charles Michel (Bélgica), Taavi Rõivas (Estónia), Mark Rutte (Holanda) e Juha Sipilä (Finlândia), no Conselho Europeu.

Na Comissão Europeia são já 5 os liberais. E no Parlamento Europeu o grupo ALDE conta com 80 eurodeputados, um grupo liderado por Guy Verhofstadt, o ex-primeiro-ministro belga entre 1999 e 2008, que tem sido o garante da moderação nos debates Europeus. Ficou célebre a sua intervenção sobre a Grécia, na visita de Tsipras ao hemiciclo europeu, mas destaco outras, nomeadamente a bem recente posição sobre migrações.

É inevitável uma análise geopolítica. Sete países do norte e leste europeus. Nada a sul. Muitos dos que clamam por mudança na europa fazem-no com um discurso hostil para com o norte e, afinal, eis que é exactamente nessa geografia que a mudança está a ser feita e sentida.

E a sul? Chegará esta mudança? Chegará o momento para os eleitores darem a sua confiança e reconhecimento a projectos políticos liberais e moderados? Acredito que sim, mas para isso é necessário que eles surjam, que se apresentem e afirmem. Que agreguem pessoas com vontade. O “palco” ser-lhes-á aberto. Em Espanha o Ciudadanos tem feito um caminho sereno e com resultados muito interessantes. Na Grécia o novel To Potami estreou-se com um simpático quarto lugar. Em Itália com as mutações permanentes nunca se sabe o que pode acontecer. Por cá o MPT – Partido da Terra integra a família ALDE.

Portugal dificilmente irá enveredar por opções extremistas, pelo que cenários syrizescos parecem-me uma impossibilidade. O bipartidarismo incontornavelmente perderá a sua primazia, à imagem do que se aponta suceder em Espanha. É tudo uma questão de tempo, apenas condicionada pelo momento em que um grupo de cidadãos assuma o desafio de iniciar uma maratona apresentando um projecto credível, inclusivo, distinto e moderado. Posicionado ao Centro, com uma visão liberal da sociedade.

Mais do que a oportunidade existir, é uma necessidade. Em outras geografias da Europa é já uma realidade, efectiva. A solução, a evolução, faz-se ao Centro.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

A mudança (que se impõe) na Europa

Rodrigo Saraiva

Ao invés do que supus, Macron tem desperdiçado as oportunidades para ser um agente da mudança. Aquilo que era um aparente europeísmo tem vindo a mostrar-se um eurocentrismo com toques de egocentrismo.

Internet

Liberdades conquistadas nunca estão garantidas

Rodrigo Saraiva

Que não seja um justo combate por liberdades, como o #SaveYourInternet, a servir de alento àqueles que nos últimos anos têm tentado condicionar os meios de comunicação e destruir o projecto europeu.

Impostos

Sejamos todos Robin dos Bosques

Rodrigo Saraiva
252

O protesto é uma arma da democracia, mas deve estar ligado directamente ao voto e não à violência. Sejamos todos Robin dos Bosques contra o saque fiscal. Há uma diferença entre o imposto e o esbulho. 

União Europeia

As eleições deviam ser uma maçada

Henrique Burnay

China, Estados Unidos, Rússia, energia, clima, banca, defesa, plataformas digitais e empregos do futuro. Pela discussão que aí vai não se nota, mas as europeias são sobre tudo isto e muito mais.

Eleições Europeias

O Roteiro dos Quatro Presidentes

António Covas

É esta acumulação de riscos, esta “desesperança no futuro”, onde o elevador social parece não funcionar, que estão a minar, a pouco e pouco, a confiança nas instituições e a criar o azedume político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)