Crónica

A mulher, mas qual mulher? /premium

Autor
1.777

No fundo, a “mulher” da dra. Joana do CDS não difere da “mulher” da dra. Catarina do BE. Na ânsia de se apoderarem das cabeças alheias esgadanham-se para reduzir sujeitas de carne e osso a caricaturas

Uma médica, Joana Bento Rodrigues, assinou no Observador um artigo sobre “a mulher, o feminismo e a lei da paridade”. No dito, a senhora, que é filiada no CDS, explica que a mulher “gosta de se arranjar e de se sentir bonita. Gosta de ter a casa arrumada e bem decorada. Gosta de ver ordem à sua volta. Gosta de cuidar e receber e assume, amiúde, muitas das tarefas domésticas (…)”. Em simultâneo, a mulher “gosta de se sentir útil, de ser a retaguarda e de criar a estabilidade familiar, para que o marido possa ser profissionalmente bem-sucedido.” A mulher também “é provida de um encanto, de uma ternura, que só se encontra na sua relação com os filhos”. Para cúmulo, a mulher “é um ser belíssimo e extraordinário”, e não um objecto, “presa para sexo fácil e espaço de diversão”.

Previsivelmente, o artigo revirou as entranhas da Terra: nas “redes sociais”, e não só nas “redes sociais”, milhares de cidadãos insistiram em pronunciar-se a propósito. Uma minoria (pareceu-me uma minoria) concordou com a dra. Joana e declarou que a mulher corresponde precisamente às maravilhas acima descritas. A maioria (pareceu-me a maioria) tentou levar simbólica ou literalmente a dra. Joana à forca, na convicção de que a mulher é o exacto oposto de tais maravilhas: a mulher não é fútil, a mulher não é subalterna, a mulher não é dependente, a mulher não é púdica, a mulher não é doméstica, a mulher não é um adereço, a mulher não é dócil, a mulher não é parideira.

Em ambos os casos, de que mulher falamos? Absurdamente, de todas. Naturalmente, de nenhuma. Não é questão de discordar do artigo da dra. Joana, ou das reacções ao mesmo. A questão é não imaginar o que leva alguém a generalizar o carácter, as circunstâncias, as apetências e as vontades de quase quatro mil milhões de criaturas, o número de mulheres existentes no mundo. Haverá as que alcançam o nirvana a produzir sopa e bebés. Haverá as exclusivamente devotadas a uma carreira na ciência, nos negócios ou na indústria dos resíduos sólidos. Haverá as que vão à missa e as que não vão à missa com a fé. Haverá as que são de rua, as que saem à rua e as que não saem de casa. Haverá as que exigem subir pelo mérito e as que se contentam em subir por quotas. Haverá as que não desejam subir a parte alguma. Haverá as que querem conciliar tudo e as que não querem conciliar nada.

O que nunca haverá é paciência para os prosélitos da dra. Joana e para os indignados com a respectiva cartilha, os quais, por oportunismo, arrogância, delírio ou projecção, tendem a ignorar que, salvo pelas fanáticas dos dois lados da trincheira, cada mulher é uma pessoa com interesses particulares e contraditórios entre si. E uma pessoa que, salvo melhor informação, não passou a essa gente procuração para falar em seu nome. Falar da mulher em sentido lato é tão razoável quanto eu afirmar que os Albertos em peso apreciam ovos escalfados e a terceira temporada de “True Detective”.

Por azar, o problema com as generalizações não é apenas serem cretinas: é serem abundantes. Em pleno século XXI (essa frase deliciosa e vazia), a consagração das “políticas identitárias” está a conduzir o Ocidente de regresso à saudosa década de 1950, quando se catalogava a humanidade pelas importantíssimas categorias do género, da orientação sexual, da cor e do calhava – logo que o género, o sexo, a cor e o que calhar preencham certos requisitos. Um homem, heterossexual, branco e assim não é de grande serventia, excepto a de alvo de protestos sortidos. O resto é invariavelmente de valor, e constitui factor fundamental na construção das “identidades” individuais, por acaso assaz semelhantes às colectivas. Nestes avariados tempos, antes de ser engenheira, hipocondríaca e fã de Springsteen, a Isabel é mulher. Antes de ser cozinheiro, alcoólico e míope, o Paulo é gay. Antes de ser professor de Francês, bipolar e pai de dois rapazes, o Artur é preto. E a Rita, que é mulher, lésbica, mestiça e praticante de candomblé, ganhou a lotaria da vítima e o jackpot da opressão: o direito a maçar terceiros com irrelevâncias que não lhes dizem respeito.

Não vale a pena lembrar que as irrelevâncias biológicas substituíram as contingências laborais na luta da esquerda pelo conflito perpétuo. Talvez valha a pena notar que não é a substituir uns estereótipos por outros que a direita vai lá. Na essência, a “mulher” da dra. Joana do CDS não difere da “mulher” da dra. Catarina do BE. Na ânsia de se apoderarem das cabeças alheias, conservadores e progressistas esgadanham-se para reduzir sujeitas de carne e osso a entidades míticas, caricaturas, marionetas ao dispor de alucinados. Felizmente, tirando as próprias alucinadas, estas mulheres são imaginárias. E as verdadeiras têm mais o que fazer, incluindo, se possível, fazer o que lhes apetece.

Nota de rodapé:

Um antigo vencedor do “Big Brother” brasileiro veio palestrar à universidade de Coimbra, com honras e recepção a cargo do sociólogo Boaventura Sousa Santos. Não consigo encontrar nada de inadequado no facto acima, pelo que não o comento.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Quatro notícias obscuras /premium

Alberto Gonçalves
1.083

Aliás, podem fazer o que quiserem: esta não é apenas a geração mais informada de sempre, mas a mais ridícula. Se este é que é o tal “mundo melhor” das lengalengas, fiquem com ele.

Transportes Públicos

Os dias das mentiras /premium

Alberto Gonçalves
1.490

Em meras 3 horas e pouco António Costa percorreu 73 quilómetros, proeza notável nos idos de 1850. Ou, nos centros urbanos portugueses, em 31 de Março de 2019. Não fazia ideia do atraso em que vivemos.

Crónica

Estes deputados andam a dormir! /premium

Tiago Dores

Da próxima vez, e se quer viajar na TAP, nada como José Eduardo dos Santos marcar consulta em Portugal: mais atrasadas que as chegadas dos voos da TAP só mesmo as consultas nos hospitais portugueses.

Crónica

Amêndoas da Páscoa /premium

Maria João Avillez
230

Daqui a uns dias Notre Dame terá algumas linhas nos jornais e quando muito falar-se-á nos milhões doados pelos “ricos”, não no valor do ex-libris da civilização que nos foi berço e nos é raiz e matriz

Crónica

Subsídio is coming /premium

José Diogo Quintela
392

Um gigante de olhos azuis montado num dragão zombie ainda tem laivos de verosimilhança. Agora o nível de pilhagem do erário público praticado por esta gente exige uma suspensão de descrença bem maior

Crónica

Quatro notícias obscuras /premium

Alberto Gonçalves
1.083

Aliás, podem fazer o que quiserem: esta não é apenas a geração mais informada de sempre, mas a mais ridícula. Se este é que é o tal “mundo melhor” das lengalengas, fiquem com ele.

Crónica

Agostinho da Silva /premium

André Abrantes Amaral

O homem não nasceu para trabalhar, mas para criar. Ou como um miúdo de 15 anos conversou com alguém com mais de 80 sobre temas como o não termos nascido para trabalhar ou que a vida devia ser gratuita

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)