Rádio Observador

Crónica

A mulher, mas qual mulher? /premium

Autor
1.777

No fundo, a “mulher” da dra. Joana do CDS não difere da “mulher” da dra. Catarina do BE. Na ânsia de se apoderarem das cabeças alheias esgadanham-se para reduzir sujeitas de carne e osso a caricaturas

Uma médica, Joana Bento Rodrigues, assinou no Observador um artigo sobre “a mulher, o feminismo e a lei da paridade”. No dito, a senhora, que é filiada no CDS, explica que a mulher “gosta de se arranjar e de se sentir bonita. Gosta de ter a casa arrumada e bem decorada. Gosta de ver ordem à sua volta. Gosta de cuidar e receber e assume, amiúde, muitas das tarefas domésticas (…)”. Em simultâneo, a mulher “gosta de se sentir útil, de ser a retaguarda e de criar a estabilidade familiar, para que o marido possa ser profissionalmente bem-sucedido.” A mulher também “é provida de um encanto, de uma ternura, que só se encontra na sua relação com os filhos”. Para cúmulo, a mulher “é um ser belíssimo e extraordinário”, e não um objecto, “presa para sexo fácil e espaço de diversão”.

Previsivelmente, o artigo revirou as entranhas da Terra: nas “redes sociais”, e não só nas “redes sociais”, milhares de cidadãos insistiram em pronunciar-se a propósito. Uma minoria (pareceu-me uma minoria) concordou com a dra. Joana e declarou que a mulher corresponde precisamente às maravilhas acima descritas. A maioria (pareceu-me a maioria) tentou levar simbólica ou literalmente a dra. Joana à forca, na convicção de que a mulher é o exacto oposto de tais maravilhas: a mulher não é fútil, a mulher não é subalterna, a mulher não é dependente, a mulher não é púdica, a mulher não é doméstica, a mulher não é um adereço, a mulher não é dócil, a mulher não é parideira.

Em ambos os casos, de que mulher falamos? Absurdamente, de todas. Naturalmente, de nenhuma. Não é questão de discordar do artigo da dra. Joana, ou das reacções ao mesmo. A questão é não imaginar o que leva alguém a generalizar o carácter, as circunstâncias, as apetências e as vontades de quase quatro mil milhões de criaturas, o número de mulheres existentes no mundo. Haverá as que alcançam o nirvana a produzir sopa e bebés. Haverá as exclusivamente devotadas a uma carreira na ciência, nos negócios ou na indústria dos resíduos sólidos. Haverá as que vão à missa e as que não vão à missa com a fé. Haverá as que são de rua, as que saem à rua e as que não saem de casa. Haverá as que exigem subir pelo mérito e as que se contentam em subir por quotas. Haverá as que não desejam subir a parte alguma. Haverá as que querem conciliar tudo e as que não querem conciliar nada.

O que nunca haverá é paciência para os prosélitos da dra. Joana e para os indignados com a respectiva cartilha, os quais, por oportunismo, arrogância, delírio ou projecção, tendem a ignorar que, salvo pelas fanáticas dos dois lados da trincheira, cada mulher é uma pessoa com interesses particulares e contraditórios entre si. E uma pessoa que, salvo melhor informação, não passou a essa gente procuração para falar em seu nome. Falar da mulher em sentido lato é tão razoável quanto eu afirmar que os Albertos em peso apreciam ovos escalfados e a terceira temporada de “True Detective”.

Por azar, o problema com as generalizações não é apenas serem cretinas: é serem abundantes. Em pleno século XXI (essa frase deliciosa e vazia), a consagração das “políticas identitárias” está a conduzir o Ocidente de regresso à saudosa década de 1950, quando se catalogava a humanidade pelas importantíssimas categorias do género, da orientação sexual, da cor e do calhava – logo que o género, o sexo, a cor e o que calhar preencham certos requisitos. Um homem, heterossexual, branco e assim não é de grande serventia, excepto a de alvo de protestos sortidos. O resto é invariavelmente de valor, e constitui factor fundamental na construção das “identidades” individuais, por acaso assaz semelhantes às colectivas. Nestes avariados tempos, antes de ser engenheira, hipocondríaca e fã de Springsteen, a Isabel é mulher. Antes de ser cozinheiro, alcoólico e míope, o Paulo é gay. Antes de ser professor de Francês, bipolar e pai de dois rapazes, o Artur é preto. E a Rita, que é mulher, lésbica, mestiça e praticante de candomblé, ganhou a lotaria da vítima e o jackpot da opressão: o direito a maçar terceiros com irrelevâncias que não lhes dizem respeito.

Não vale a pena lembrar que as irrelevâncias biológicas substituíram as contingências laborais na luta da esquerda pelo conflito perpétuo. Talvez valha a pena notar que não é a substituir uns estereótipos por outros que a direita vai lá. Na essência, a “mulher” da dra. Joana do CDS não difere da “mulher” da dra. Catarina do BE. Na ânsia de se apoderarem das cabeças alheias, conservadores e progressistas esgadanham-se para reduzir sujeitas de carne e osso a entidades míticas, caricaturas, marionetas ao dispor de alucinados. Felizmente, tirando as próprias alucinadas, estas mulheres são imaginárias. E as verdadeiras têm mais o que fazer, incluindo, se possível, fazer o que lhes apetece.

Nota de rodapé:

Um antigo vencedor do “Big Brother” brasileiro veio palestrar à universidade de Coimbra, com honras e recepção a cargo do sociólogo Boaventura Sousa Santos. Não consigo encontrar nada de inadequado no facto acima, pelo que não o comento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Crónica

I love Portugal /premium

Alberto Gonçalves
2.410

Os portugueses lúcidos, coitados, padecem da esperança de que os portugueses restantes acordem para as delícias da liberdade. Sucede que para os simplórios a liberdade não é deliciosa: é uma ameaça.

Crónica

Por cá, na Quinta…

Pedro Barros Ferreira
200

Estes prodígios das finanças criticam tudo e todos, direita e esquerda. Nada lhes serve. O que interessa é o que Estado volte a abrir os cordões à bolsa (e nisso os socialistas são bons, sem dúvida).

Crónica

Carta do Di Maria escrita por um médico português

Fernando Leal da Costa
382

Com as devidas adaptações poderia ter sido escrita por um qualquer trabalhador em Portugal ou no mundo inteiro. Por qualquer profissional! Se por um futebolista teria sido lida por milhões de sabichões

Política

The winter is coming

Pedro Barros Ferreira
209

Para travar esta frente fria, é necessário que alguém – por favor alguém! – saia do armário e afirme sem medo que quanto maior for a presença do Estado nas relações humanas maior é a corrupção.

Crónica

O que fazer quando se fazem 50 anos /premium

Alberto Gonçalves
1.198

Se o que importa é o que fazemos com os anos, a verdade é que, nestes 50, fiz o que quis, o que pude, o que soube e principalmente o que calhou. Amanhã, faço 50 anos. E depois de amanhã, faço o quê?

Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)