Politicamente Correto

A PETA, os outros censores e a caça às expressões

Autor
  • Sofia Florentino
307

O combate da PETA à liberdade de expressão não se baseia apenas numa estratégia de marketing, mas configura um ataque real a costumes construídos socialmente durante décadas.

A associação dedicada à defesa dos animais PETA – People for the Ethical Treatment of Animals – veio alegar que se deverão trocar expressões como “mais vale um pássaro na mão que dois a voar” por “mais vale um pássaro a voar do que dois na mão” para se eliminar a cultura de violência para com os animais. Recentemente colocou-se em causa a passagem na rádio de músicas icónicas como “Baby It’s Cold Outside” porque alegam estar implícito um comportamento predatório, e há pouco tempo questionou-se uma pessoa poder despedir-se dizendo “até amanhã se Deus quiser”.

Músicas proibidas, palavras substituídas, expressões alteradas, temas tabu, estaremos a assistir ao renascimento do Lápis Azul? Trata-se de uma edição um pouco mais vermelha, mas tanto ou mais perigosa. Uma caça às bruxas da atualidade: o pensamento livre e os costumes neste caso exemplificados por dizeres populares.

De facto, com este tipo de propostas a PETA “mata dois coelhos de uma cajadada só”: cria polémica, ganhando visualizações na internet, e dissemina ideias que pretendem pôr fim à livre expressão. Mais preocupante é que esta sua luta não se baseia apenas numa estratégia de marketing, mas num ataque real a costumes construídos socialmente durante décadas.

Não se devem levar estas notícias de ânimo leve, não são inocentes e desprovidas de perigo. São sim uma das maiores ameaças que a Democracia enfrenta hoje em dia, pois atualmente os seus maiores inimigos não se encontram longe, nem se identificam como tal, estão pelo contrário completamente integrados no sistema e declaram-se publicamente como os “verdadeiros democratas”.

Estes campeões da “Democracia” claramente olvidaram o verdadeiro significado de Democracia e Livre Expressão. É que estas não se prendem com uma verdade absoluta única e numa só resposta que agrade a elites morais, mas deve permitir a existência de todas as verdades e de todas as respostas, ainda que, e mais ainda, quando não são do agrado de todos.

A censura não é amiga da Liberdade, e promovê-la, apenas incapacita o desenvolvimento social e intelectual do homem, pois o debate entre ideias diferentes e até falsas continua a ser importante. E não se pode esperar que a censura proíba apenas coisas erradas, pois, quem é legitimamente reconhecido como autoridade moral para poder tomar decisões sobre que palavras se podem proferir ou músicas cantar e ouvir?

Adicionalmente, este tipo de argumentos demonstra que se perderam algumas ferramentas, que considero cruciais à interação civil humana, a compreensão, o senso comum e o sentido de humor. Há uma verdadeira falta de noção do sensato. Não querendo remontar aos tempos do antigamente, nos anos 90 ainda era possível proferir expressões como “agarrar o touro pelos cornos” sem ferir suscetibilidades, porque qualquer pessoa entendia que se tratava de enfrentar com coragem situações difíceis.

Hoje, porém, é impossível fazê-lo porque a recém eleita – sem legitimidade reconhecida – elite moral dita que as pobres crianças ficarão traumatizadas e que crescerão adultos perturbados; o que perpetuará a cultura de violência, seja contra animais ou contra Humanos.

O seu máximo objetivo é deitar abaixo aquilo que a sociedade foi criando gradualmente através da interação e construir uma nova sociedade utópica como se de um edifício de legos se tratasse. A pedra basilar da sua edificação? Uma perseguição moral incessante a qualquer demonstração de pensamento contrário ou distante daquilo que consideram a epítome da moral.

No futuro a maior hipocrisia será revelada, pois este tipo de preciosismos irá levar àquilo que afirma tentar evitar: humanos incapazes de se defenderem, incapazes de enfrentar o errado e de o refutar, no fundo crianças grandes que nunca se depararam com a realidade da vida e que vivem numa fantasia.

Esses homens medrosos serão com facilidade completamente subjugados a um ideal de conduta moral inatingível e uma sociedade de purgas e limpeza moral. Nesse mundo cor-de-rosa não há lugar para espaços cinzentos, apenas para a certidão moral e o Estado já não defende leis, mas primados de ação moral e correta.

Um mundo ao qual me recuso conformar e, para contornar o mesmo, exorto a que se faça frente a estas ideias e que se mostre, com coragem, que não nos deixaremos vergar perante estes atacantes e defenderemos a Democracia e a Livre Expressão, sempre.

Como não temo estes guerreiros, e atrevo-me a afirmar que ainda tenho a capacidade de discernir entre a razoabilidade e o ridículo, despeço-me com esta: por favor reduzam as “lágrimas de crocodilo” e guardem-nas para problemas reais, não sejam “baratas tontas” a disparar em todos os sentidos, que estas expressões já andam há “muitos anos a virar frangos” e por alguma razão o será.

Estudante de mestrado em Ciência Política e Relações Internacionais, 22 anos

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Politicamente Correto

Os sem palavras /premium

Helena Matos
1.747

Nada é dito directamente: os trabalhadores são colaboradores e os deficientes pessoas portadoras de deficiência. Somos os perifrásticos. E o PSD enquanto "não esquerda" é a perífrase por excelência.

PAN

PAN, P(Ê)TA e a sombra do politicamente correto

João Vedor
125

Quando me acontecia algo, a minha avó retirava sempre da cartola um provérbio (não um coelho), que me ajudava a refletir sempre sobre o assunto, mesmo que na verdade esse provérbio envolvesse coelhos.

Bloco de Esquerda

Léxico para a inclusão

Vicente Ferreira da Silva
330

Senhoro Deputado, pense para além dos “camarados”. Porque não Bloca de Esquerdo? Acredite que Vosso Excelêncio é capaz de muito mais.

Bloco de Esquerda

Avante, camaradas e camarados /premium

Alberto Gonçalves
2.515

Mesmo que muitas mulheres, gays ou pretos não concordem, nas sociedades patriarcais e machistas toda a gente é vítima. Toda a gente menos os homens, brancos, broncos e heterossexuais, que são culpados

Democracia

A batalha pela linguagem /premium

Alexandre Homem Cristo
461

O melhor esconderijo é onde ninguém se lembra de procurar: à vista de todos. Enquanto os olhares focarem na direita, poucos verão que o populismo habita sobretudo na esquerda à beira de tomar o poder.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)