Rádio Observador

Rui Rio

A política por linhas tortas /premium

Autor

O actual presidente do PSD não consegue imaginar outra vida para o partido senão no poder, e não vê outra maneira de chegar ao poder senão neutralizando o PSD como alternativa ao PS.

Se querem perceber Rui Rio, olhem para Pedro Sanchez em Espanha. Há cerca de um ano, a única questão era saber quando acabava o PSOE, porque Sanchez já tinha acabado. Mas Sanchez voltou à liderança do partido, e há umas semanas, lá fez a sua “geringonça” parlamentar para chegar ao governo. Ainda ninguém faz ideia de como vai governar com os inimigos do Estado espanhol, mas pouco importa: a verdade é que, nos últimos dias, o PSOE começou a recuperar nas sondagens. Nem Lázaro se levantou tão depressa como o PSOE no governo.

Rio julga que pode ser o Sanchez do PSD. Tal como Sanchez,  tem uma só resposta para todos os problemas: o regresso ao governo. Não lhe parece haver outra maneira de sobreviver politicamente. Mas o seu caminho é tão torto como as linhas pelas quais Deus era suposto escrever antigamente. Por exemplo, Rio não pode correr o risco de ganhar as próximas eleições: é até possível argumentar que precisa mesmo de as perder.

Reparem: se o PSD por acaso ganhasse em 2019, mas sem maioria absoluta com o CDS, estaria novamente condenado à oposição, porque é sabido que o PS nunca aceitará qualquer transação com o PSD se não for o primeiro partido. Se o PSD vencesse, António Costa continuaria provavelmente a governar como desde 2015, com o PCP e o BE. O que importa a Rio, por isso, não é ganhar, mas apenas dispôr dos deputados suficientes para fazer maioria parlamentar com o PS.

Não chega, claro. O PSD de Rio precisa ainda de parecer muito mais dócil, contido e sossegado do que o BE ou o PCP, o que, tendo em conta esta legislatura, não é fácil. É que só assim os líderes do PS poderão justificar uma troca de parceiros. Daí, a zanga de Rio com os deputados que votaram com o CDS, contra a vontade do governo, o fim do adicional ao imposto sobre os combustíveis.

Esqueçam, por favor, a cansada questão ideológica. Quando tem de falar sobre os grandes assuntos, Rio diz o que todos os líderes do PSD disseram. Não é mais social democrata nem menos liberal. A questão não é essa. A questão é de mero expediente político. O actual presidente do PSD — tal como Sanchez em Espanha e, antes de Sanchez, Costa em Portugal — não consegue imaginar outra vitamina para o seu partido senão o poder do Estado. Mas não vê outra maneira de reaver esse poder senão neutralizando o PSD como oposição ao PS. É este o grande paradoxo da sua estratégia: nunca o PSD esteve tão desesperado para “ir ao pote”, e nunca confiou tanto nos pezinhos de lã para lá chegar. Talvez se possa dizer que esta é também a maneira de actuar de um partido regional, com uma liderança provinciana, crente, como qualquer autarca, que a salvação consiste em ser um dos favoritos no telemóvel do ministro.

As consequências desta manobra são imprevisíveis. No melhor cenário, Rui Rio reintroduzirá o PSD na área do governo. No pior cenário, poderá induzir a abstenção e as transferência de voto suficientes para uma mais alargada maioria de esquerda e para alterar a correlação de forças entre PSD e CDS (o CDS não precisa de ultrapassar o PSD para isso).

Mas acima de tudo, o que este PSD está a fazer é esta coisa dramática: privar o país de uma oposição. A oposição existe para tornar a governação mais exigente, e para proporcionar aos cidadãos, dentro do regime, uma alternativa. A estratégia de Rio não nega apenas ao regime as vantagens da oposição. Nega também clareza à luta política, reduzindo-a a actos e ditos contraditórios, a guerrilhas obscuras de bastidores, e a especulações infindáveis sobre cenários.

É óbvio que Rio não criou sozinho estas circunstâncias: apenas se adaptou a elas da pior maneira. Antes de 2015, os eleitores, bem ou mal, estavam convencidos de que escolhiam os governos ao dar a vitória a um partido. A manobra parlamentar de Costa, em 2015, pôs termo a isso. No entanto, ainda poderia ter correspondido a uma nova clareza, no sentido de uma bipolarização entre um bloco de partidos da direita e um bloco de partidos da esquerda. António Costa não quis, e Rui Rio também não quer. Há muito tempo que a política em Portugal não era tão opaca e incerta, isto é, tão pouco democrática. Porque a democracia, antes de outras coisas, é transparência e perceptibilidade.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Racismo

A máquina de inventar racistas /premium

Rui Ramos
3.536

O pior que nos poderia acontecer era deixarmos de ser portugueses, para passarmos a ser “brancos”, “negros”, ou “ciganos”. Não contem comigo para macaquear o pior que tem a sociedade americana.

Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

PSD

A credibilidade do choque fiscal de Rui Rio /premium

Luís Rosa
122

É difícil acreditar num corte fiscal generoso no IRS, IRC, IVA e IMI em vésperas de eleições e com projeções que indicam o arrefecimento da economia. Soa a desespero de um líder em apuros.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)