Acidentes e Desastres

A ponte

Autor

Em Borba, não há volta a dar, nem panos quentes, nem as conversas redondas, moles e fiadas do costume. Toda a gente sabe. Toda a gente viu.

O desabamento de um troço da estrada municipal n.º 255 que liga Vila Viçosa a Borba às 15:45 horas na segunda-feira da semana passada, provocado pelo deslizamento de terras de uma pedreira confinante, não foi mais uma desgraça, algo que não se consegue evitar, uma fatalidade.
Foi um crime e tem responsáveis.
Porque revelou a realidade grotesca e desconhecida da maior parte das pessoas e transeuntes que por lá passava de que a estrada era afinal uma “ponte”.
Uma estrutura viária totalmente fragilizada.
Um improvável tabuleiro ou viaduto disposto a grande altura sobre uma estreita parede que separava dois precipícios instáveis existentes lado a lado, correspondentes a duas gigantescas e profundas caldeiras de uma pedreira de mármore em exploração a céu aberto.
Uma pura armadilha.
A Proteção Civil já confirmou vários mortos e desaparecidos.
Toda a gente já viu a brutalidade dos vídeos e das fotografias.
Toda a gente sabe agora da inimaginável falta de segurança daquela estrada municipal.
Toda a gente já sabe que os riscos de colapso foram reportados à secretaria de Estado da Energia no final de 2014 e que o então director-regional da Economia remeteu um ofício desta entidade a alertar para o perigo de arrastamento de parte da estrada, na sequência da exploração das pedreiras de mármore.
Toda a gente já sabe que nessa comunicação seguiu anexo o memorando que resultou da reunião de 20 de novembro de 2014, realizada na Câmara Municipal de Borba com os serviços da Direção-Regional de Economia (DRE) e os industriais de mármore, em que foi discutido o encerramento da via.
Toda a gente já sabe que, juntamente, também terá sido enviado um documento em powerpoint no qual eram mostradas imagens, propostas medidas de actuação e em que era também deixado este aviso: “O colapso da estrada potencialmente acarretará consigo vítimas e nesse caso a responsabilidade civil e criminal será das empresas exploradoras, das câmaras municipais e das entidades licenciadoras e fiscalizadoras”.
Não há volta a dar, nem panos quentes, nem as conversas redondas, moles e fiadas do costume
Toda a gente sabe.
Toda a gente viu.
E espera uma actuação rápida, eficiente e exemplar de responsabilização, reparação e prevenção.
Sob pena do total, absoluto e definitivo descrédito do Estado, do Governo e dos seus organismos e responsáveis, da Procuradoria-Geral da República e dos Tribunais.

Miguel Alvim é advogado.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Portugal 2019

Miguel Alvim

As eleições ganham-se com trabalho. Na medida da preparação, do empenho e do esforço de todos os protagonistas. Mas não basta. O outro lado da receita tem nome: convicções fortes e boas ideias.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)