Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O êxito da novela “2034: A Novela da Próxima Guerra Mundial” – publicada este ano na América mostra como a possibilidade de uma guerra com a China entrou na psique americana. Os autores, quais Tucidides modernos, popularizam a ideia que os riscos estratégicos que advêm da China são independentes do maior ou menor pacifismo dos regimes democráticos.

Na Europa, os espíritos não absorveram ainda que os riscos estratégicos que vêm da China são reais e concretos. Biden chegou ontem à Europa para ressuscitar um relacionamento abatido e persuadir os parceiros europeus a coordenar as políticas sobre a Rússia, a China, o aquecimento global e a luta global contra a pandemia. Apesar dos avanços dos últimos meses, Europeus e Americanos estão ainda longe de concordar nas premissas fundamentais do seu papel conjunto.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.