Rádio Observador

PS

A Realidade na República Cor-de-Rosa

Autor

Séculos atrás, alguém tinha inventado que era preciso dividir para reinar. O grande líder, na sua República Cor-de-Rosa, ia revisitar o modelo, mas com a originalidade ditada pela conjuntura.

Na República Cor-de-Rosa, a realidade tem de se enquadrar nessa cor. A única oficialmente recomendada. A fase que, com demasiada frequência, antecede a imposição do pensamento único. Por isso, quando o grande líder se digna falar, a maioria escuta atentamente a sua verdade.

Foi assim que os cidadãos do Reino, perdão, da República, ficaram a saber que era importante desconfiar de um dos aliados. Não era confiável. Adorava ser protagonista. Dava-se mal com o anonimato. Ameaçava pôr em causa a estabilidade e, obviamente, a realidade cor-de-rosa.

Verdade que alguns conselheiros tentaram lembrar o grande líder da sua responsabilidade. Afinal, o mediatismo das três principais caras do aliado contara com o seu apoio. Pessoal e oficial.

O grande líder fez-se desentendido. O importante era resolver o problema e não preocupar-se com as suas causas. Por isso e para isso havia que mobilizar as hostes e apostar na estratégia adequada.

Por falar em estratégia o grande líder e a sua entourage já tinham gizado uma. Séculos atrás, alguém tinha inventado que era preciso dividir para reinar. O grande líder, na sua República Cor-de-Rosa, ia revisitar o modelo, mas com a originalidade ditada pela conjuntura.

A estratégia passava por algo inédito: valorizar o outro parceiro. Aquele de quem o partido cor-de-rosa sempre tinha desconfiado. Sempre, mesmo. A desconfiança vinha dos tempos em que ambos tinham lutado para expulsar o antigo senhor. Desconfiança que não desapareceu quando tal aconteceu.

O agora parceiro quis tirar partido do maior ativismo oposicionista. A sua intenção passava por se apoderar do país. Confundiu intencionalmente unidade com unicidade. A luta foi exigente. Felizmente o partido dispunha de um verdadeiro grande líder. Com a agravante de a vitória não ter levado o opositor a desistir do seu modelo preferido. Aquele que promete amanhãs que cantam ao mesmo tempo que enche as prisões com aqueles que desconfiam desse paraíso terrestre.

Só que para o grande líder os tempos eram outros. Agora o parceiro estava totalmente controlado. Até tinha perdido a capacidade de organizar manifestações e greves. Tinha sido necessário inventar umas pardaladas para mostrar aos cidadãos a sorte que tinha por dispor de um líder de tal quilate. O único capaz de garantir que as férias continuavam garantidas.

Por isso, a estratégia, tal como todas as decisões do grande líder e respetivos conselheiros, não se discutia. Aplicava-se e ponto final. Malgrado algumas vozes internas que se encarregam de descobrir problemas. Uns alarmistas. Levantaram a hipótese de o partido vir a necessitar no futuro próximo do aliado que agora queria ostracizar.

Valeu ao grande líder o seu proverbial sorriso. A única forma de não se irritar com tal aleivosia. Como é que se atreviam a pensar que não tinha equacionado essa possibilidade?!

A bonomia acompanhou a explicação. Bastava reabilitar o aliado. Quem se habitua ao mediatismo está sempre disposto a voltar à ribalta. O protagonismo cria dependência. Até para gritar que se está contra o sistema. De preferência em horário nobre.

Uma pseudo oposição com que a República Cor-de-Rosa lida bem. Mesmo quando se finge ofendida.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Açores

Lajes: entre os Pombos e a Águia

José Pinto

Se as instalações da aerogare das Lajes reclamam há muito por obras de manutenção, os pombos decidiram dar uma asinha – um eufemismo por motivos higiénicos – na degradação ambiental.

Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto
295

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)