Rádio Observador

Natal

A revolução divina

Autor
  • Luis Teixeira
180

O livre arbítrio é central na mensagem cristã e significa uma ruptura clara na História. Com o cristianismo torna-se um princípio basilar que cada pessoa é inteiramente responsável pelas suas escolhas

Ao contrário da maioria das epístolas, que tratam de assuntos particulares das várias igrejas a que se dirigem, a epístola que Paulo escreveu aos cristãos de Roma discute o problema mais geral da relação de Deus com os homens, judeus e gentios; isto é, com o povo eleito das escrituras e com os outros, os sem direitos de nascimento. À época, os cristãos dividiam-se entre os tradicionalistas, para quem um cristão devia começar por obedecer à lei judaica, e aqueles para quem o tempo novo dispensava a lei antiga. Em termos práticos, a coisa traduzia-se em saber se os gentios convertidos deviam ou não ser circuncidados, conforme mandava a lei mosaica. A posição de Paulo é clara: “Se quem não é circuncidado observa os preceitos da Lei, não deverá a sua incircuncisão ser considerada como circuncisão? E ele, que, não sendo fisicamente circuncidado, cumpre a Lei, há-de julgar-te a ti que, com a letra da Lei e a circuncisão, és um transgressor da Lei.“ (Rom 2:26-27) Por outras palavras: o homem justo define-se pelas atitudes e não por marcas físicas de pertença — a uma tribo, raça ou classe. Cristo trouxe a Salvação a todos os homens e alcançá-la só depende das escolhas que cada um faz.

Este tema do livre arbítrio é essencial na mensagem cristã e representa uma ruptura clara na História. O Édipo da tragédia grega não tem culpa, é apenas um joguete do destino. Em Platão e Aristóteles, o cidadão só existe enquanto parte da cidade, não tem destino próprio. E na generalidade das culturas não cristãs, antigas e actuais, não há verdadeiramente indivíduos porque a pessoa tem os direitos e os deveres do grupo a que pertence e a sua relação com o mundo é mediada pelo grupo. No cristianismo, pelo contrário, o destino é individual. O pecado é individual. O arrependimento é individual. A salvação é individual. É verdade que a ideia de livre arbítrio já existia antes, por exemplo em Cícero. Mas nunca ultrapassou os círculos restritos dos filósofos. Com o cristianismo torna-se um princípio basilar. Cada pessoa é inteiramente responsável pelas suas escolhas. No século IV, Santo Agostinho escreveu: “É claro para mim que o livre arbítrio [nos foi] dado por Deus” e que “possuímos uma vontade”; e “disto se segue que quem deseja viver bem e com honra consegue fazê-lo”.

Igualdade perante Deus, liberdade de escolha e responsabilidade pelas escolhas feitas. O mundo moderno não começou com a Revolução Francesa. Começou com Cristo e, depois, com Paulo. “No princípio era a Palavra, e a Palavra estava junto de Deus, e a Palavra era Deus. … Tudo foi feito por meio dela, e sem ela nada foi feito de tudo o que existe.” (Jo 1:1,3)

Não tenho a certeza de que o Espírito nos aguarde no fim do caminho. Mas sei que o espírito de Cristo agiu na História, nos últimos 2 mil anos, de maneiras frequentemente boas e claramente únicas. Isso chega-me para dar sentido à celebração do Natal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

Uma terra sem amos

Luis Teixeira

Confesso. Não tenho nada contra campanhas pelo ambiente mas tenho contra os movimentos de “jovens”. A última vez que o Ocidente conheceu grandes movimentos de jovens os resultados não foram brilhantes

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

ADSE

A saúde é um negócio

Luis Teixeira
205

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Cristianismo

O natal, os três reis magos e outras fantasias

Donizete Rodrigues
144

O mito dos três reis magos é apenas uma representação simbólica, um modelo explicativo de grande significado para reforçar a importância de Jesus como salvador e unificador de toda a humanidade

Cristianismo

A douta ignorância dos sábios /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.183

Abundam os improvisados comentários teológicos, cozinhados à pressão na Bimby da opinião pública. Já faltou mais para um Prós e Contras sobre a virgindade de Maria …

Jesus Cristo

Narrativas evangélicas do Natal

Anselmo Borges
159

A Igreja só se justifica enquanto vive, transporta e entrega a todos, por palavras e obras, o Evangelho de Jesus, a sua mensagem de dignificação de todos, mensagem que mudou a História.

Igualdade de Género

Género: igualdade ou ideologia?

Diogo Costa Gonçalves

Se estamos perante uma (nova) visão antropológica, porquê qualificá-la como ideologia? Porque tal ideia pré-concebida vive em constante tensão com a realidade empírica, começando pela própria biologia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)