Natal

A revolução divina

Autor
  • Luis Teixeira
180

O livre arbítrio é central na mensagem cristã e significa uma ruptura clara na História. Com o cristianismo torna-se um princípio basilar que cada pessoa é inteiramente responsável pelas suas escolhas

Ao contrário da maioria das epístolas, que tratam de assuntos particulares das várias igrejas a que se dirigem, a epístola que Paulo escreveu aos cristãos de Roma discute o problema mais geral da relação de Deus com os homens, judeus e gentios; isto é, com o povo eleito das escrituras e com os outros, os sem direitos de nascimento. À época, os cristãos dividiam-se entre os tradicionalistas, para quem um cristão devia começar por obedecer à lei judaica, e aqueles para quem o tempo novo dispensava a lei antiga. Em termos práticos, a coisa traduzia-se em saber se os gentios convertidos deviam ou não ser circuncidados, conforme mandava a lei mosaica. A posição de Paulo é clara: “Se quem não é circuncidado observa os preceitos da Lei, não deverá a sua incircuncisão ser considerada como circuncisão? E ele, que, não sendo fisicamente circuncidado, cumpre a Lei, há-de julgar-te a ti que, com a letra da Lei e a circuncisão, és um transgressor da Lei.“ (Rom 2:26-27) Por outras palavras: o homem justo define-se pelas atitudes e não por marcas físicas de pertença — a uma tribo, raça ou classe. Cristo trouxe a Salvação a todos os homens e alcançá-la só depende das escolhas que cada um faz.

Este tema do livre arbítrio é essencial na mensagem cristã e representa uma ruptura clara na História. O Édipo da tragédia grega não tem culpa, é apenas um joguete do destino. Em Platão e Aristóteles, o cidadão só existe enquanto parte da cidade, não tem destino próprio. E na generalidade das culturas não cristãs, antigas e actuais, não há verdadeiramente indivíduos porque a pessoa tem os direitos e os deveres do grupo a que pertence e a sua relação com o mundo é mediada pelo grupo. No cristianismo, pelo contrário, o destino é individual. O pecado é individual. O arrependimento é individual. A salvação é individual. É verdade que a ideia de livre arbítrio já existia antes, por exemplo em Cícero. Mas nunca ultrapassou os círculos restritos dos filósofos. Com o cristianismo torna-se um princípio basilar. Cada pessoa é inteiramente responsável pelas suas escolhas. No século IV, Santo Agostinho escreveu: “É claro para mim que o livre arbítrio [nos foi] dado por Deus” e que “possuímos uma vontade”; e “disto se segue que quem deseja viver bem e com honra consegue fazê-lo”.

Igualdade perante Deus, liberdade de escolha e responsabilidade pelas escolhas feitas. O mundo moderno não começou com a Revolução Francesa. Começou com Cristo e, depois, com Paulo. “No princípio era a Palavra, e a Palavra estava junto de Deus, e a Palavra era Deus. … Tudo foi feito por meio dela, e sem ela nada foi feito de tudo o que existe.” (Jo 1:1,3)

Não tenho a certeza de que o Espírito nos aguarde no fim do caminho. Mas sei que o espírito de Cristo agiu na História, nos últimos 2 mil anos, de maneiras frequentemente boas e claramente únicas. Isso chega-me para dar sentido à celebração do Natal.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Aquecimento Global

Uma terra sem amos

Luis Teixeira

Confesso. Não tenho nada contra campanhas pelo ambiente mas tenho contra os movimentos de “jovens”. A última vez que o Ocidente conheceu grandes movimentos de jovens os resultados não foram brilhantes

Extremismo

Fascismo nunca mais!

Luis Teixeira
1.410

A nossa esquerda radical cultiva abundantemente traços claramente fascistas. O ódio à burguesia. O amor pelos movimentos de massas. A criminalização dos comportamentos. A defesa despudorada da censura

ADSE

A saúde é um negócio

Luis Teixeira
205

Não há nenhuma evidência de que impedir organizações privadas na saúde melhore os cuidados. Pelo contrário: o monopólio estatal traduz-se geralmente em iniquidade, desperdício e nepotismo.

Cristianismo

O natal, os três reis magos e outras fantasias

Donizete Rodrigues
144

O mito dos três reis magos é apenas uma representação simbólica, um modelo explicativo de grande significado para reforçar a importância de Jesus como salvador e unificador de toda a humanidade

Cristianismo

A douta ignorância dos sábios /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.183

Abundam os improvisados comentários teológicos, cozinhados à pressão na Bimby da opinião pública. Já faltou mais para um Prós e Contras sobre a virgindade de Maria …

Jesus Cristo

Narrativas evangélicas do Natal

Anselmo Borges
159

A Igreja só se justifica enquanto vive, transporta e entrega a todos, por palavras e obras, o Evangelho de Jesus, a sua mensagem de dignificação de todos, mensagem que mudou a História.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)