Congresso do PSD

A (só) aparente ruptura no PSD

Autor
149

Não há razões para mudanças de rumo no PSD. E, por isso, talvez os primeiros desiludidos com Rui Rio venham a ser aqueles que (como Pacheco Pereira) viram nele a oportunidade de se vingarem de Passos.

Um homem sério, de vida pública discreta e pouco aberto, que engendrou durante anos o alcançar da liderança do PSD, focado na economia e na saúde das contas públicas, indiferente aos círculos das elites lisboetas, rodeado no aparelho partidário de figuras e barões pouco recomendáveis e que fizeram caminho a criticar o PSD, sem pretensões de intelectualidade, pouco preocupado com os holofotes mediáticos, teimoso e corajoso, defensor das ideias em que acredita – e não daquelas que lhe dizem ser as melhores para acolher mais um ou dois votos. Eis uma apresentação possível de Rui Rio, o novo líder eleito do PSD. Mas eis também uma apresentação possível de Pedro Passos Coelho, o líder que, dentro de semanas, deixará de o ser. Curiosamente, a campanha das eleições internas do PSD sugeriu que, com Rui Rio, viria uma ruptura com o legado de Passos Coelho. Ou que à sua vitória corresponderia uma derrota do “passismo”. Ora, ambos têm mais em comum do que seria inicialmente perceptível. E, mesmo no plano partidário, essa ideia de ruptura é, no mínimo, precipitada.

Sim, muitos pontos de vista ideológicos separam Passos Coelho de Rui Rio – o primeiro mais liberal e à direita do que o segundo, que não se importa que o conotem com o centro-esquerda. Se o PSD fosse um clube de tertúlias, a clivagem seria motivo de rupturas discursivas e de algumas guinadas de orientação política nas propostas para o país. Mas o PSD é um partido político, em Portugal e na oposição a um governo apoiado por toda a esquerda parlamentar. O contexto é tudo. Nem Passos Coelho pôde implementar todas as reformas “liberais” que ambicionou, nem agora muitas das reformas implementadas foram sequer atacadas pelo PS – veja-se como o actual governo mantém discretamente várias das medidas do período da troika. Ou seja, a ideologia tem um peso menor nas reformas estruturais do que, acreditando no discurso político, se poderia julgar. Como tal, nesse plano, o PSD de Rui Rio não será realmente divergente do de Passos. Aliás, recorde-se que, quando o tema da campanha interna foi o ajustamento financeiro, Rui Rio até alertou que teria ido mais longe – afinal, aos olhos de Pacheco Pereira e de outros críticos da austeridade, qual dos dois seria o perigoso neoliberal?

No final, tudo leva aos nomes e, sim, as mudanças de caras surgirão no PSD. É natural que assim seja. E ainda mais quando, como é o caso, o novo líder não tem cadeira na bancada parlamentar e precisa de pessoas de confiança nos lugares-chave. Mas será isso motivo de “limpeza”, como se ouve por aí? Não há contexto para isso – e seria um erro de amador. Primeiro, porque Rio terá de depender de um grupo parlamentar que não escolheu e não se pode dar ao luxo de o transformar num ninho de vespas – o que requer tacto e convergências. Segundo, porque não existe uma ruptura real com o “passismo” ou com os que cresceram politicamente ao lado de Passos Coelho – até porque alguns apoiaram Rui Rio. Em termos de apoios internos, a único ruptura relevante surgiu com Luís Montenegro e Miguel Relvas, que decidiram converter estas eleições internas num jogo de xadrez para as suas ambições – leia-se, para se posicionarem para o pós-eleições legislativas de 2019, antecipando uma vitória eleitoral do PS. Ora, Montenegro e Relvas podem ter sido “passistas”, mas não são o “passismo”.

Tudo isto não significa que as lideranças de Rui Rio e de Passos Coelho venham a ser gémeas – cada um tem o seu estilo e isso marca uma liderança. Ou que Rui Rio não apareça rodeado de pontos de interrogação e sinais vermelhos – e são vários: o seu discurso por vezes ríspido e autoritário, uma relação potencialmente tensa com Marcelo, a sua hipotética aproximação ao PS de António Costa pós-2019, a sua má relação com a comunicação social, algumas companhias políticas que arrasta consigo. Significa, sim, duas coisas.

Primeiro, que as campanhas internas dão maus indicadores para prever o desempenho de um líder partidário – por exemplo, quando chegou ao topo do PSD, nada recomendava Passos Coelho (nem o currículo, nem as companhias, nem a fama de ter sido opositor interno a Ferreira Leite no combate contra Sócrates) e, no governo, veio a revelar-se. Segundo, que quem estiver à espera de alterações estruturais no PSD ficará por certo desiludido – não há razões políticas ou ideológicas que as justifiquem no actual contexto. E talvez os primeiros desiludidos venham a ser, precisamente, aqueles que (como Pacheco Pereira, António Capucho e Ferreira Leite) viram em Rui Rio a oportunidade de se vingarem de Passos Coelho.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Assembleia Da República

Este Parlamento envergonha-nos

Alexandre Homem Cristo
1.690

Com inquietante frequência, o parlamento tornou-se palco de facciosismos, de esquemas e de abusos que põem em causa o seu trabalho, sacrificando a legitimidade moral dos partidos e dos deputados.

Pedro Passos Coelho

Coragem

Alexandre Homem Cristo
849

É razoável supor que os protestos produziram dano efectivo na vida de Passos Coelho: antes havia três universidades interessadas na sua contratação, depois dos protestos só uma realmente avançou.

Ministério da Educação

O facilitismo na Matemática

Alexandre Homem Cristo
370

Em 2019, serão publicados dados para a avaliação do programa de Matemática. A tão pouco tempo de ter indicadores fiáveis, haverá necessidade de arriscar destruir algo que pode estar a correr bem?

Rui Rio

Os frágeis

Helena Matos
781

Estamos na mão dos frágeis. Rui Rio ganhou um congresso do seu partido; Costa perdeu as legislativas. Qual a legitimidade de Rui Rio para fazer acordos com Costa em matérias como a regionalização?

Congresso do PSD

Rui Rio, um novo Presidente?

José Pinto

Mostrar disponibilidade para consensos com os outros partidos parece uma ideia salutar. O problema reside na dúvida sobre a forma como Rui Rio pretende materializar essa ideia. 

Rui Rio

O PSD entrou para o «condomínio»?

Manuel Villaverde Cabral
125

Por mais que isso pareça inquietar a direcção do PSD, esta só tem como caminho opor-se frontalmente à actual política governamental. O contrário será eleitoralmente inútil e politicamente regressivo. 

Rui Rio

As prioridades do “novo PSD”

Helena Garrido
107

Descentralização, fundos comunitários, segurança social e justiça são as prioridades de Rio carentes de consensos. De todas elas a mais urgente é a segurança social. A menos compreensível é a justiça.

Eutanásia

Morte a pedido

Manuel Villaverde Cabral

Não percebem os defensores da eutanásia que a facilitação desse negócio só contribuirá para debilitar a confiança das pessoas nos médicos e enfraquecer o empenhamento na procura da cura para a doença?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site