PSD

A tentativa de riogicídio  /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho

Montenegro oferece a Rio o que ele não tinha: uma causa mobilizadora. Os autocratas necessitam e beneficiam de um inimigo externo e Rio, que nunca quis ser anti-Costa, cultivará o anti-montenegrismo.

Pouco permanecerá igual no Partido Social Democrata depois de 2019. É importante entender que seria assim, independentemente da dimensão dos resultados eleitorais e independentemente do tempo dos desafios à liderança de Rui Rio. São os agentes dessa mudança – e não a ocorrência dessa mudança – em jogo no calendário vindouro. E não é possível analisar a tomada de posição de Luís Montenegro sem reconhecê-lo.

À primeira vista, o ex-líder parlamentar não tem nada a perder com a iniciativa. Se tiver sucesso, e a moção de censura interna passar, é líder a tempo de unir, mobilizar e, sobretudo, normalizar o seu partido. Se não tiver sucesso, poderá clamar que esteve “disponível” antes da hecatombe eleitoral a que este PSD se condenou – o que me parece uma atitude corajosa e até responsável para quem se preocupe com o futuro do centro-direita. Falhando em Conselho Nacional, Montenegro teria dado prova de vida sem se sujeitar depois a derrotas em europeias ou legislativas – algo que certamente o preocupa e que já o afastou de ser candidato uma vez.

À segunda vista, não há mel para tantas laranjas. O discurso de Montenegro foi magro e solitário. Sondagens anónimas e devaneios de baronesas não chegam para depor ninguém. Mesmo que Montenegro chegue a presidente do PSD, será perseguido pelo precedente que ele próprio abriu, ficando obrigado a convocar eleições a cada contestação que venha a sofrer. Não conseguiu justificar porquê agora – e porquê ele – na medida em que todos os seus argumentos contra Rio são válidos há vários meses. Sobretudo, esqueceu o principal: a estratégia de Rui Rio não é apenas prejudical para o PSD; é prejudicial para o sistema político, pois abre um vazio a preencher por algo bem pior.

Se Rio souber gerir o nome do cabeça-de-lista, a proximidade às europeias é um problema para o dito “golpe de Estado”. As reações gélidas de autarcas próximos do montenegrismo, como Ricardo Rio e Ribau Esteves, também. A distritais de Braga, Porto e Aveiro idem. Quem ouviu o eurodeputado José Manuel Fernandes defender a legitimidade da atual direção poderá ter pensado, com algum humor, que os cavalheiros que queriam salvar o seu lugar numa lista foram tramados por outros cavalheiros de semelhantes intenções. Como é óbvio, não é assim tão simples (nem tem assim tanta graça).

A soma destes situacionismos é tão danosa para o partido como para a candidatura de Luís Montenegro, que assim perde a sua aura de inevitabilidade e unanimidade. Afinal, o homem de Espinho tem o cérebro mais capaz da sua direção parlamentar a candidatar-se contra si, assim como o melhor autarca social-democrata disponível para isso. Eu sou suspeito: sou amigo de ambos.

Além disso, Montenegro ter saído precocemente da toca oferece a Rui Rio algo que não tinha: uma causa mobilizadora. Como é sabido, todos os autocratas necessitam e beneficiam de um inimigo externo. Rio, que nunca quis ser anti-Costa, cultivará o anti-montenegrismo. Apesar de tudo, seria desonesto julgar que o que se está a passar no PSD se resume a egos, táticas ou lugares. O que aconteceu neste início de ano não foi um acaso. Dirigentes como o histórico Pedro Pinto, de quem Rio foi vice-presidente no tempo da JSD, não dariam a cara por esta contestação se não verificassem um desconforto significativo dos militantes face à presente conjuntura.

Hoje, o PSD é um partido sem barões, sem poder local, sem sociedade civil e sem imprensa. Qualquer líder será vítima disso e dos ciclos políticos, que estão cada vez mais curtos. O único modo de sobreviver a esse desgaste é promovendo uma responsabilização coletiva de protagonistas. Após a disputa e o debate – se os houver – é imperativo que o vencedor reúna todas as tendências e todas as figuras de relevo. Definitivamente, o centro-direita português só voltará a não perder em conjunto quando estiver disponível para vencer em conjunto.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Rio poderia ter liderado o PSD (e não quis) /premium

Sebastião Bugalho
106

Anos e anos de suspense e alegada preparação para o cargo – e a frescura da chegada de Rio durou escassas semanas. A sua eleição para o cargo celebra um ano e a verdade é que foi um ano desastroso.

PSD

A direita poderia ganhar em 2019 /premium

Sebastião Bugalho
616

Rui Rio homenageia Sá Carneiro falando de piscinas municipais e dos seus processos como arguido na Câmara do Porto e ninguém se levanta para sair da sala. Foi uma vergonha. Repito: foi uma ver-go-nha.

PSD

São brancos, que se entendam /premium

Paulo Tunhas

Ninguém percebe qual é a partitura do PSD e qual a sinfonia que Rio ou Montenegro vão tocar, algo imprescindível para uma pessoa decidir se vai ou não ao concerto. Pode ser tudo e mais alguma coisa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)