Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Chegou a vacina mas, como era de recear, os reflexos espontâneos da elite política reinante neste canto da Europa foram infelizes: não só substituíram a senhora de idade que inaugurou o processo de vacinação na Grã-Bretanha, em Espanha e no resto da Europa, por um director de hospital, como iniciaram esse prolongado caminho com uns escassos milhares de vacinas a dividir por duas tomas, não chegam para cinco mil profissionais de saúde… quando são mais de cem mil só no sector público!

A ‘gaffe’ dos mandantes governamentais ilustra o começo de um processo que está muito longe de acabar quando o presidente da República fôr reeleito. Entretanto, aguardam-se mais de 70.000 vacinas… Mas ainda há pouco tempo a «task force» falava em vacinar 75.000 mil pessoas por dia! Veremos, pois! Simultaneamente, o sector privado e a rede de farmácias foram excluídos das imagens televisivas do grande acontecimento… Como de costume, o PS está mais preocupado com os seus clientes eleitorais e com as televisões do que com os idosos dos centros de saúde e os dois milhões de pessoas com 70 ou mais anos de idade que constituem o alvo da esmagadora maioria dos óbitos registados pela DGS! Os outros infectados, felizmente, transmitem nas não morrem…

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.