Educação

A verdade a que temos direito

Autor
233

Os manuais de História recomendados no nosso sistema público de ensino condenam, bem!, o nazismo alemão (1933-1945), mas conseguem encontrar formas para legitimar (mal!) o maoísmo chinês (1949-1976).

Ao longo do século XX, enquanto a tradição marxista disseminava pelo mundo a externalização da culpa coletiva como fundamento da ordem moral das sociedades, a velha tradição ocidental resistiu e manteve-se fiel à sua herança freudiana de matriz edipiana, isto é, a consciência da necessidade permanente de expiar um qualquer pecado original cometido pelos próprios.

Trata-se de um percurso histórico milenar que tem na génese um compromisso singular entre a tradição filosófica grega e a tradição religiosa judaico-cristã que se tornou capaz de exorcizar a violência social de modo eficaz. Basta circular por dois países de tipologias distintas (ocidental e não-ocidental), de dia e de noite, ou ambicionar opinar e viver em liberdade para admitir a hipótese da vantagem civilizacional do Ocidente ter no seu âmago uma inigualável maturidade moral que se manifesta no quotidiano. Para além do Ocidente, a morte e a violência andam à solta nas ruas com demasiada frequência ou, estando reguladas, tal conquista tende a dever-se ao sacrifício da liberdade individual.

Todavia, após a II Guerra Mundial (1939-1945) circunstâncias históricas fizeram com que os ocidentais fossem permitindo que o seu saliente sentimento de culpa própria fosse instrumentalizado para desculpabilizar responsabilidades alheias. Na prática, tal significa a assunção progressiva, pelos ocidentais, de culpas que abundam por um vasto mundo não-ocidental. Desde as mais remotas origens à atualidade, com ou sem ocidentais por perto, a culpa endógena é intrínseca à condição humana porque os indivíduos mantêm sempre latentes instintos primários instigadores da violência que necessitam de ser domesticados, função das mais variadas tradições culturais, das ancestrais às contemporâneas.

Daí a contranatura da tradição marxista, talvez por isso tentadora enquanto versão contemporânea do pecado original para os povos «novos». De uma ou de outra forma, a maturidade moral constrói-se ao longo de séculos por cima da consciência do sofrimento próprio (antes da morte do pai fundador) e do sofrimento imposto aos próprios ou a terceiros (após o parricídio), seguido de sentimentos de culpa e remorsos que fundam uma ordem moral viável. Nesse sentido, é mais regra do que exceção a existência de povos sem uma consciência histórica de longa duração sedimentada, cujas elites insistem em espraiar-se em rebeldias infantis ou adolescentes.

Enquanto sonha com o crescimento dos demais, o velho paternalismo dos ocidentais fá-los equivaler, no atual sistema internacional, a uma comunidade que proíbe o uso de armas (identitárias) aos seus membros, confisca as existentes e respetivas munições a pretexto de um avanço moral. Porém, essa mesma comunidade toma a iniciativa de legitimar o uso de armas pelas demais comunidades com as quais tem de partilhar a existência, inclusivamente oferecendo às últimas as armas e munições que confiscou aos seus membros.

Esse misto de estupidez e loucura disfarçado de avanço moral, próprio da bonomia de certos idosos, é o retrato dos sistemas de ensino transformados em Cavalos de Troia do Ocidente. Concretizo o argumento a partir de exemplos de um manual escolar. Vigora em Portugal e é do 12º ano, «Linhas da História» (Lisboa, Areal Editores, 2015). Os seus autores são Alexandra Fortes, Fátima Freitas Gomes e José Forte. Mas poderia ser um manual do 9º ano da mesma disciplina, nível de escolaridade ao qual pouquíssimos escapam ao ensino da história.

Sugiro comparações entre a abordagem, por um lado, do nazismo alemão (1933-1945) em que a violência de matriz endógena ocidental é deslegitimada sem hesitações (e bem!) e, por outro lado, do maoísmo chinês (1949-1976) em que a violência de matriz exógena (não-ocidental) obedece a lógicas que a legitimam (e mal!).

Sobre o nazismo alemão ensina-se que «O fascismo era uma doutrina antiliberal e antidemocrática. (…) Os movimentos fascistas perpetuaram-se no poder graças à organização de um sistema fortemente violento e repressivo (…). (…) Os judeus foram deportados para campos de extermínio nos quais ocorreu o genocídio de 11 milhões de pessoas, mortas nas câmaras de gás (polacos, eslavos, homossexuais, ciganos, opositores políticos, prisioneiros de guerra, deficientes). Seis milhões eram judeus» (pp.136, 142 e 147 – I Parte) [sublinhados meus para facilitar a comparação].

De resto, são inúmeras as referências à violência nazi quer nas diversas passagens do texto historiográfico do manual, quer nos materiais de suporte: documentos escritos, imagens, referências a livros, filmes, etc. Seria inviável reproduzir aqui o aprofundamento do estudo do nazismo, cuja violência é didaticamente isolada como um mal em si mesmo, desumano, indesculpável, imoral.

Todavia, deparamo-nos com critérios analíticos «alternativos» quando os alunos passam ao estudo do maoísmo chinês (1949-1976). Neste caso, nem sequer se colocam as hipóteses do regime ser antidemocrático ou de alimentar a ambição de se perpetuar no poder. Paira a insinuação de fascistas e nazis continuarem no poder na Europa, inferência não aplicável ao comunismo na China. O ensino do último parte d’«A nação chinesa foi [ter sido]  mobilizada para um programa de desenvolvimento económico (…)» (p.72 – II Parte). Depois, vem a referência ao período das «Cem Flores» (1957) em que a violência do regime atingiu os que caíram no engodo do convite à crítica aberta, sendo referido que «(…) a contestação cresceu e o governo respondeu com repressão e purgas, em grande escala» (p.72 – II Parte). Sem mais. Não se referem ou mostram cadáveres ou os «laogai», os campos de reeducação e trabalho forçado da República Popular da China.

Adiante explica-se o «Grande Salto em Frente» (1958), iniciativa económica do regime de Mao Tsé-Tung rematada, no manual, em duas palavras singelas: «verdadeiro fracasso» (p.73 – II Parte). Uma vez mais sem referências a cadáveres ou aos «laogai», numa interpretação que se assemelha a uma simples falha nas previsões do défice das contas públicas. Também porque as linhas imediatas conduzem a um final da página com uma representação angélica, através de uma imagem propagandística, do percurso revolucionário chinês. Depois surge a referência à «Revolução Cultural» (1966-1969), orgia ideológica que o manual reconhece que lançou «(…) o caos e a violência no país», mas insistindo em omitir quaisquer outras referências [p.74 – II Parte].

Nada mais sobre a violência comunista na China maoísta. Ao contrário do exercício sobre o nazismo, o referido acima corresponde a uma recolha exaustiva no manual sobre a violência associada ao maoísmo (pp. 72 a 76 – II Parte). E mesmo o que consta é contextualizado em justificados propósitos revolucionários. Não há referências a imagens, livros, filmes, testemunhos individuais de vítimas ou outros materiais que permitam aos alunos isolar a violência comunista como um mal em si mesmo.

A terminar a sequência historiográfica, aprende-se que «Quando Mao morreu, a 9 de setembro de 1976, a China tinha conquistado um papel internacional de relevo. (…) Aos sucessores de Mao coube o desafio de modernizar a China e de integrá-la nos circuitos da economia mundial» (p.75 – II Parte).

Ligando o princípio, o meio e o fim da explicação, a tese transmitida aos estudantes é a do percurso histórico do maoísmo ter permitido atingir um propósito legítimo superior e, desse modo, a violência política retratada acaba objetivamente legitimada.

A condizer, quem ler o livro de fio a pavio continuará a ignorar um dado-chave que os manuais de história não dispensam – e bem! – quando se trata da violência praticada pelos ocidentais: o número de vítimas. Os alunos nunca aprendem que, em tempos de paz, a implementação do comunismo matou cerca de setenta milhões de seres humanos apenas na China e num intervalo de duas décadas, o mesmo número de vítimas de toda a hecatombe que foi a II Guerra Mundial (1939-1945); o mesmo número de vítimas do genocídio de índios aquando da ocupação colonial das Américas pelos europeus, mas ao longo de mais de três séculos; bem mais do dobro do número de africanos escravizados pelos europeus entre os séculos XVI e XIX.

Se articularmos a lição de história de atropelo grosseiro à dignidade da condição humana a subtilezas equiparáveis constantes em manuais de literatura, filosofia, formação para a cidadania, entre outras disciplinas, ratifica-se a conivência dos poderes tutelares de um estado europeu ocidental do século XXI, como outros, com práticas homicidas. Se assassinar o próprio povo em massa tem laivos de virtude, suponho ser bem mais virtuoso e justo o assassínio de brancos ocidentais por não-ocidentais.

Um nojo moral floresce nas salas de aula.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Livros

No deserto chamado portugalidade /premium

Gabriel Mithá Ribeiro

O que acontece é que os intelectuais quase não saem disto: os pobres de espírito fazem e, nós, intelectuais, pensamos; eles são o corpo e nós a mente. Não pode haver noção mais indigente de sociedade.

Filosofia

Lixo intelectual

Gabriel Mithá Ribeiro

Não ler com sentido crítico grandes sucessos editoriais como os de Boaventura de Sousa Santos ou José Gil é como não querer ver, tratar e minimizar o lixo que as sociedades necessariamente produzem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)