Brexit

A vitória silenciosa de Theresa May /premium

Autor
214

May meteu os promotores do Brexit a defender um segundo referendo – desta vez, sobre um Brexit de implicações concretas e não a fantasia que muitos venderam. O Brexit deixou de ser irreversível.

Quando se chega a uma encruzilhada, as opções são claras, mesmo que escassas e insatisfatórias. A negociação do Brexit, entre o Reino Unido e a UE, chegou a uma encruzilhada e agora os britânicos têm de decidir: ou aceitam o acordo alcançado, ou rejeitam-no e saem sem acordo, ou dão um passo atrás e ponderam um novo referendo – para que, com informação mais realista sobre as implicações da saída da UE, os britânicos possam tomar uma decisão final. Nenhuma das opções é particularmente apelativa. Aceitar o acordo significa perder o voto nas matérias europeias, mas manter o Reino Unido inserido nas regras europeias – ou seja, ficar sujeito à UE mas sem ter força dentro na UE. Rejeitar o acordo implica um corte no relacionamento do Reino Unido com as instituições europeias, o que seria um choque económico brutal. Lançar um novo referendo seria uma opção controversa, além de reiniciar um processo doloroso e de resultado imprevisível – ninguém consegue prever para que lado viraria a agulha. Ou seja, o Reino Unido terá de escolher o caminho menos mau.

É inequívoco que, do ponto de vista negocial, isso representa uma grande vitória para a UE, que esvaziou o poder do Reino Unido e garantiu que os riscos ficavam do lado britânico e não no dos Estados-membros. Mas vislumbrar vitórias neste processo será sempre erróneo: com um Brexit, todos vão perder. Se há coisa boa neste processo, é que isso ficou claríssimo – e isso deve-se a Theresa May.

O Brexit foi um grande fracasso, e de outro modo não poderia suceder porque o Brexit foi, desde o primeiro dia, uma grande mentira. Figuras como Boris Johnson, David Davies ou Michael Gove, no Partido Conservador, ou como Nigel Farage, no UKIP, fizeram uma entusiasmada campanha prometendo o que sabiam nunca poder cumprir – uma saída da União Europeia na qual o Reino Unido manteria todos os benefícios mas se libertaria de todas as amarras. Festejaram a vitória como uma espécie de jogada de génio para devolver soberania e riqueza ao Reino Unido. Ora, o resultado está à vista e desmascara as falsidades: um acordo negociado por defensores do Brexit (que se demitiram quando perceberam o previsível desfecho) e que faz tábua rasa das suas promessas e pretensões. Mais: Boris Johnson, que já se posiciona para a liderança dos conservadores na expectativa da queda de Theresa May, converteu o seu currículo político num cadastro de irresponsabilidades e intrigas. A sua credibilidade política, tal como a de outros defensores do Brexit, é cada vez menor.

Os jornais britânicos entretêm-se a narrar a história de uma derrota política e já escreveram o obituário político de Theresa May – só estão à espera de que ela ceda à pressão e caia do lugar de primeira-ministra. A verdade é que nunca ninguém deu nada por ela – hesitante, fraca oratória e contestada pelos seus próprios colegas de partido. Mas mesmo que se demita nos próximos dias ou semanas, May, que nunca quis o Brexit mas aceitou levá-lo adiante, revelou-se a estratega que ninguém antecipava e obteve uma vitória silenciosa, mas estrondosa, cujos efeitos poderão mudar o rumo dos acontecimentos: ao negociar um acordo que mantém o Reino Unido ligado à UE, embora de forma inaceitável para quem apoia o Brexit, May meteu os promotores do Brexit a defender um segundo referendo – desta vez, sobre um Brexit de implicações concretas e não a fantasia que Boris Johnson e outros venderam aos britânicos. Esse é um momento-chave – mesmo que ela não o defenda oficialmente. Porque um novo referendo é a única hipótese de reverter o Brexit. E porque a única forma de o desencadear é se for solicitado pelos próprios defensores do Brexit, vencedores do primeiro referendo – e nunca por ela, pois se fosse reclamado pelos derrotados soaria sempre a ajuste de contas anti-democrático. Theresa May sacrificou-se e até pode cair, mas cai de pé porque abriu uma janela de esperança: o Brexit deixou de ser irreversível. É impossível saber se algo de bom sairá dessa janela. Mas é forçoso constatar que é desta fibra que se fazem os grandes políticos.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Propinas

Altamente populista /premium

Alexandre Homem Cristo
418

Depois de lançar o debate sobre o fim das propinas, o ministro diz agora que a medida seria altamente populista. Este episódio poderia dar anedota, mas é antes um retrato do desgoverno nacional.

Brexit

Londres depressa /premium

Maria João Avillez

Como se chegou ao encalhe da Grã-Bretanha nela própria? O ar esta carregado de palavras que vão e voltam sem sair do mesmo sítio, o país não parece “desatável” da União Europeia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)