Três Parágrafos

Aceitar um filho homossexual

Autor
9.379

Os pais que evitam os temas difíceis dos filhos, que se afastam deles ou fingem que não vêem o que salta à vista de todos, cavam ainda mais fundo o seu sofrimento e isolamento.

Antes de assumirem para si mesmos a sua homossexualidade, um rapaz ou uma rapariga enfrentam medos terríveis e lidam com pavores incríveis. Consomem-se de dúvidas e angústias, interrogam-se incessantemente sobre a sua verdadeira natureza, tentam encontrar respostas e justificações, travam lutas interiores brutalmente erosivas, isolam-se ou fecham-se, vivendo numa espécie de clandestinidade que em nada favorece o seu crescimento como seres humanos. Conheço jovens que há mais de 10 anos não dormem uma noite seguida, que vivem esta realidade muito sozinhos e morrem de medo de serem descobertos pelos pais. Ou seja, jovens que não escolheram ser homossexuais, e pouco ou nada podem fazer para contrariar a sua natureza.

Salvo as excepções, que também as há, é importante perceber que as pessoas não são homossexuais porque querem, mas sim porque sentem realmente de uma maneira diferente. Acredito que se fosse uma questão de escolha, muitos homossexuais escolheriam deixar de o ser, até para evitarem muito dos sofrimentos que atravessam ao longo da vida. Vários amigos homossexuais, jovens e menos jovens, me confidenciaram isto mesmo, mas o facto de muitos nunca chegarem a assumir a sua homossexualidade também prova que o processo de descoberta e aceitação é complexo, delicado e muito doloroso.

Porque os dilemas da homossexualidade se põem com enorme intensidade a pais e filhos, importa ter presente que a aceitação, o não julgamento e o amor são os únicos caminhos possíveis. Homossexuais sempre os houve e haverá, enquanto o mundo for mundo. E não são só os filhos dos outros! Assim sendo, vale a pena interiorizar que quanto menor for o preconceito nas relações e quanto maior for a abertura de coração e a capacidade de ouvir sem julgar, mais fortes e duradouros serão os laços entre pais e filhos. A verdade salva e constrói. A mentira degrada e destrói. Os pais que evitam os temas difíceis dos filhos, que se afastam deles ou fingem que não vêem o que salta à vista de todos, cavam ainda mais fundo o seu sofrimento e isolamento. Os que, pelo contrário, fazem um esforço para os aceitar sem os julgar, porque percebem que estes filhos têm uma necessidade ainda maior de serem apoiados, valorizados e até resgatados, devolvem-lhes a dignidade e dão-lhes a certeza de poderem existir e serem amados.

P.S.: Escrevo esta crónica depois de mais um suicídio de um jovem que se matou por não conseguir viver a condenação familiar a que foi sujeito por ser homossexual.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
TVI

Ana desleal /premium

Laurinda Alves
5.526

Os meios não justificam os fins e nesta reportagem os meios são infames e no fim não há provas de nada. Nada nos é apresentado que confira com aquilo que nos foi anunciado. E isso é grave. E é desleal

Cultura

O primeiro dia no jardim de Sophia /premium

Laurinda Alves
1.384

Tudo em Sophia era único e irrepetível. Faziam-lhe perguntas, mas para tudo tinha resposta de maravilha. Tanto podia usar palavras simples e luminosas, como ser completamente abstrata e indecifrável.

Três Parágrafos

“Surf attitude” para todos

Laurinda Alves
2.614

7 passos que podem ser ao mesmo tempo 7 lições tiradas de uma disciplina física exigente e exaltante que também é uma disciplina de vida. 7 sublinhados que são como um fato que nos serve a todos.

Três Parágrafos

Chefes altamente tóxicos

Laurinda Alves
24.570

Há demasiados a sofrer por terem de trabalhar com pessoas difíceis. E que não podem despedir-se porque sabem que deitam tudo a perder, que há contas para pagar, bocas para alimentar e filhos a estudar

Suicídio

Sozinhos em casa

Laurinda Alves
1.092

Num país com 56 mil organizações sociais e mais umas 20 mil iniciativas público-privadas de resposta a problemas sociais, contam-se pelos dedos das mãos o número de projectos de prevenção ao suicídio.

Família

Preciso de saber de ti

Laurinda Alves
4.119

A abertura para falar e pôr em comum aquilo que vai na alma não nasce de uma imposição nem se estabelece por decreto. As ‘conversinhas impecáveis’, a pedido dos pais, nunca funcionaram com os filhos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)