Rádio Observador

Casa Branca 2016

Acordámos num mundo que não conhecemos

Autor
2.436

Trump assusta, mas mais assustados devíamos estar por não termos ouvido os eleitores que mobilizou. E não, não: Trump não é um fascista nem os EUA são Itália. Por isso não venham prever o apocalipse.

Aconteceu. Donald Trump foi eleito presidente dos Estados Unidos. Era impensável que tivesse ganho as primárias do partido republicano – mas ganhou-as e todos culparam a divisão dos adversários. Era ainda mais impensável que ganhasse a corrida à Casa Branca, e ganhou-a. E agora não há bodes expiatórios: a adversária era a mais preparada candidata que os democratas podiam escolher, teve todos com ela – incluindo Barack e Michele Obama –, dispunha da mais poderosa máquina eleitoral e tinha mais dinheiro.

Mesmo assim, aconteceu.

E agora que aconteceu não vale a pena prever o apocalipse. Porque não vai acontecer. O momento é de espanto e choque, mas continuo a acreditar que a democracia americana não deixará de ser a democracia americana, e se há coisa que a caracteriza é o princípio da limitação de poderes. A fidelidade aos “checks and balances”. O presidente, o “homem mais poderoso do mundo”, não é omnipotente: Trump não actuará a seu bel prazer, mesmo que a sua surpreendente vitória o tenha creditado com uma autoridade pessoal que nunca pensámos possível. Ele já não é um homem sozinho, pois representa o movimento que o elegeu. Mas ele também não é um vencedor solitário, pois os republicanos também conseguiram conservar maiorias na Câmara dos Representantes e no Senado, por vezes com votações mais expressivas que as de Trump. Serão — têm de ser — o seu contrapeso.

O importante, agora, é perceber o que aconteceu e começar a tentar perceber o que pode vir a seguir.

O que aconteceu foi algo que antevi nos dias que passei nos Estados Unidos no passado mês de Julho, sobretudo nas regiões afectadas pela desindustrialização: Donald Trump estava a falar, e a ser ouvido, por legiões de americanos que se sentiam e sentem esquecidos por Washington e pelas elites políticas. Gente que se sente estrangeira no seu próprio país, trabalhadores preocupados com a perda das suas indústrias e dos seus empregos, famílias que tinham visto frustradas as suas expectativas de uma vida melhor. E não, não estamos a falar de grunhos sem educação, mesmo que os houvesse – estamos a falar da classe média baixa branca, de eleitores tradicionais do partido democrata.

O que aconteceu é que um político sem experiência, imprevisível, muitas vezes grotesco, foi capaz de se identificar com aquela parte da América de que os jornais não falam e que as televisões não mostram, uma América aflita e zangada. Foi essa capacidade de falar a esses eleitores que lhe permitiu ganhar as primárias republicanas e, depois, mobilizar suficientes eleitores para desautorizar as sondagens e bater Hillary sem apelo nem agravo.

O que aconteceu – o que está a acontecer há muito tempo – é que cresce nas nossas sociedades o desconforto com fórmulas económicas e políticas que não dão a uma parte importante da cidadania a percepção de que controlam os seus destinos e os seus governos. Esse mal-estar não é um exclusivo dos Estados Unidos, está também muito presente na Europa, e tende a explodir quando surgem factores externos de pressão como uma crise económica ou uma vaga migratória, um atentado terrorista ou uma vaga de criminalidade.

Mas, atenção: o populismo, mesmo que tantas vezes grotesco, de Donald Trump não é um fascismo. Tal como a América de 2016 não é a Itália de 1920. As instituições americanas têm uma solidez que não existia na Europa dos anos negros das décadas 20 e 30 do século passado.

Não se misture o que não pode ser misturado, pois isso conduzir-nos-á a erros maiores no futuro. Se com esta eleição entramos num mundo que não conhecemos, porque não conhecemos as regras de Trump – ou sequer se tem regras –, a verdade é que o mais importante é, por um lado, obrigá-lo a seguir as regras do jogo, em especial na frente internacional, e, por outro lado, compreender que o triunfo de Trump, assim como o triunfo de outros populismos, corresponde ao fracasso dos políticos e partidos moderados, de esquerda e de direita, à sua incapacidade de falarem com sectores cada vez mais importantes do eleitorado. E que é isso que temos de mudar, não imitando o populismo, ou promovendo uma variante esquerdista do populismo, antes mostrando como o nosso mundo imperfeito é muito melhor do que as quimeras prometidas pelos demagogos.

Como disse no início, não há bodes expiatórios, Donald Trump teve quem lhe desse boa luta. O que há, isso sim, é um enorme vazio de boas respostas – aquelas que temos de dar aos que foram votar Trump para acabar com a política tal como a conhecemos. Os que têm de ser reconquistados para uma agenda reformista e moderada, sem milagres mas com esperança.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmf@observador.pt
Eleições

Sonâmbulos. Não passamos de sonâmbulos /premium

José Manuel Fernandes
2.756

Todos os anos o acampamento do Bloco é uma boa oportunidade para recordarmos que aquele partido é formado por radicais e comunistas. Mas que têm mel e levam ao engano. Tudo porque escolhemos ser cegos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)