Rádio Observador

Salários

Acordo do salário mínimo ou política de baixos salários

Autor
468

O aumento do salário mínimo com um desconto na taxa da segurança social é uma medida que se enquadra nas políticas de defesa de uma economia de baixos salários.

O acordo do Governo para aumentar o salário mínimo concretiza a política de desvalorização salarial, tão controversa na era da troika, só que aplicada apenas aos salários mais baixos. Vamos ter mais pessoas a ganhar salário mínimo, algumas que poderiam estar a receber mais do que isso. Estamos perante mais um caso de prioridades políticas de curto prazo com efeitos perversos a médio e longo prazo.

Vamos aos factos. O acordo, do qual a CGTP se colocou de fora, aumentou o salário mínimo de 530 euros para 557 euros. São mais 27 euros por mês. Ao mesmo tempo, as empresas que pagarem essa remuneração passam a suportar uma taxa para a Segurança Social de 22,5% em vez dos 23,75% pagos por todos os salários acima daquele valor.

Para as empresas é um excelente negócio. O encargo com a subida do salário mínimo vai descendo à medida que nos aproximamos da nova remuneração até a um ponto em que os encargos diminuem. Quem já pagava 557 euros vai ter custos salariais mais baixos, poupará cerca de sete euros por trabalhador. Como não há almoços grátis, o que poupam as empresas corresponde àquilo que não entra para os cofres da segurança social. A acreditar nos cálculos apresentados pelo Governo, apesar disso, o saldo será positivo. Ou seja, no cômputo geral, a receita para a segurança social que resulta da subida do salário mínimo é superior à perda determinada pelo desconto na taxa.

Mas esta é a parte financeira que será muito importante para empresas de mão de obra intensiva e pouco qualificada. Mas essas são as empresas que todos os governos apontam como sendo necessário que desapareçam para que a economia se modernize, para que Portugal não seja um país de salários baixos. Pois este Governo acabou de incentivar esse tipo de empresas de salários baixos, oferecendo-lhes um desconto na segurança social.

Além disso, o acordo do salário mínimo é um incentivo a baixar salários no segmento das remunerações mais baixas. Qualquer empresa que, digamos, tenha margem para pagar salários de 600 euros vai fixar agora a remuneração em 557 euros. As que já estão instaladas e pagam salários próximos do que é agora o mínimo, com direito a desconto na taxa da segurança social, encontrarão com certeza uma forma criativa de chegar a acordo com os trabalhadores para beneficiarem desse “prémio”.

Vamos assistir a um aumento do número de pessoas que recebem o salário mínimo, não apenas porque as que já ganham 557 euros vão agora entrar nesse universo, mas também porque todos os salários na vizinhança desse valor vão tender para o mínimo. O “prémio” a quem pagar salário mínimo, sob a forma de um desconto mais baixo para a segurança social, é obviamente uma política de incentivo a salários baixos.

O acordo do salário mínimo é na prática uma desvalorização salarial aplicada apenas às remunerações mais baixas. Para os bolsos de quem ganha menos o resultado é positivo – quem recebia menos de 557 euros vai, a partir deste mês, levar mais dinheiro para casa. Mas a prazo estamos a incentivar salários baixos.

É impossível não recordar o caso da TSU na era da troika e que caiu pela força de uma manifestação de dimensão histórica dia 15 de Setembro de 2012 sob o lema “Que se lixe a troika”. A medida passava pela redução da TSU a cargo dos patrões e o seu agravamento na parcela suportada pelos trabalhadores – cada um pagava 18%. Era neutra em relação ao nível salarial – aplicava-se de igual forma a todos os salários – mas reduzia os custos salariais à custa do poder de compra dos trabalhadores. Uma medida politicamente impossível mas que, reduzindo o poder de compra, não criava incentivos para baixar salários.

O caso da TSU do salário mínimo ilustra bem os tempos em que vivemos. Uma medida que se traduz no aumento de poder de compra a curto prazo transporta consigo incentivos perversos de contenção dos salários mais baixos a médio e longo prazo. O acordo do salário mínimo é, na prática, uma política que defende uma economia de salários baixos.

É deste tipo de medidas que se faz a política, não económica mas aquela que dá votos. O cérebro humano tem enorme dificuldade em tomar decisões com base naquilo que seria a realidade alternativa. Neste caso teríamos de pensar o que aconteceria se este prémio para salários baixos não estivesse a ser aplicado – e o que aconteceria seria seguramente mais poder de compra, mas a prazo. E o que interessa, na política que garante votos, é o que acontece aqui e agora. Assim se perpetua uma estrutura de produção de baixos salários.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido
155

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)