Câmara Municipal Lisboa

Afinal a EMEL é contra ou a favor?

Autor
381

Quem tem o azar de morar em zonas da cidade que foram delimitadas pela EMEL e entregues à sua exploração pode sofrer, e muito. Pergunto-me até se existe para proteger ou para massacrar esses moradores

Custa-me lidar com organizações que aparentemente foram criadas para cuidar dos interesses dos cidadãos e melhorar a sua qualidade de vida, mas demasiadas vezes agem contra eles. Contra nós, quero dizer. A EMEL é uma organização que confunde os utentes por ter critérios diferentes todas as semanas. Já assisti a situações muito dramáticas e também já fui vítima de acções e multas discricionárias, sem sentido absolutamente nenhum. Pior, já vi muita coisa acontecer nesta cidade sem que os agentes da EMEL intervenham ou se lhes mexa uma fibra de autoridade.

Quem tem o azar de morar em zonas da cidade que foram delimitadas pela EMEL e entregues à sua exploração pode sofrer, e muito. Os parquímetros, pilares e pilaretes nem sempre funcionam; os zeladores da empresa aceitam num dia aquilo que rejeitam liminarmente no outro (matrículas e selos de carros autorizados, mas impedidos de entrar nas zonas de residência, mesmo tendo tudo em ordem), e os senhores que patrulham as ruas têm os seus humores.

Um morador, por exemplo, pode estacionar o seu carro durante semanas, meses a fio, no mesmo lugar, sem que nada aconteça, apesar de se manter o giro diário dos funcionários fardados, mas eis que numa bela manhã passa um agente da EMEL noutra disposição e com critérios porventura mais avulsos, por assim dizer, olha para o carro que tantas vezes esteve naquele preciso lugar, mede distâncias ao passeio e zás, passa uma multa. Depois segue o seu caminho, certamente com a sensação do dever cumprido por ter autuado o morador atrevido que encostou devidamente ao passeio, mas não guardou uma distância de cinco metros relativamente à esquina (esquina que dá para um beco muito curto, sem estacionamento nem saída, note-se), isto num bairro onde cada morador faria uma festa e deitaria foguetes se tivesse cinco metros à sua disposição para estacionar o carro ao fim do dia.

Lisboa tem zonas ultra problemáticas para os moradores, e os senhores da EMEL sabem isso muito bem. Todo o perímetro próximo do Bairro Alto, Cais do Sodré, Ribeira, Rua de São Paulo, rua cor de rosa e afins é literalmente abalroado por não-moradores de quarta a sábado. Ou seja, quatro em cada sete dias da semana os moradores são obrigados a permanecer em casa ou a dormir na rua, no carro, até que os primeiros noctívagos comecem a cair de bêbedos e venham aos bordos pela estrada pegar nos seus carros e libertar a rua (não sem antes deixarem as marcas repulsivas de chichis abundantes vertidos sobre as portas de entrada das casas, mas claro que sei que isso não tem nada a ver com a EMEL, sou só eu a fazer a minha catarse e a dizer como é a fauna que ocupa os lugares dos moradores, deixando famílias inteiras com velhinhos e crianças reféns das suas noitadas).

Nestas ruas e bairros, que os senhores da EMEL tão bem conhecem, inventam-se dois tipos de lugares de estacionamento: os que perturbam o trânsito e os que não perturbam nada nem ninguém. Os que perturbam são os que ficam em segundas filas a impedir os carros e as pessoas de passarem, tantas vezes sem merecer a atenção das autoridades; os que não perturbam são os que aproveitam a rua milimetricamente e conseguem encaixar quatro rodas em espaços exíguos com manobras exímias. Ou seja, podem não respeitar os tal cinco metros antes da esquina de meia rua que não leva a lugar nenhum, mas também não atrapalham a vida de rigorosamente ninguém. Uns e outros são bem visíveis, mas aparentemente os cobradores da EMEL só têm olhos para os que, não tendo escolha e morando no bairro, aproveitam cada centímetro da rua, tentando a todo o custo entrar e sair de casa. Ou melhor, para os que continuam a ter que morar nas suas casas.

Não sei porque carga de água os sujeitos da EMEL nunca multam nem rebocam ou bloqueiam à noite nestes bairros, em que os carros dos moradores são literalmente expulsos das suas ruas. Nunca vi um agente nocturno a fazer este trabalho. Pelo contrário, vejo que as pessoas da noite sabem isso e abusam. Enchem, atafulham as ruas de carros porque sabem que nada lhes acontece. Já os moradores, esses se têm o azar de quererem voltar a casa para jantar ou, cúmulo dos azares, depois do jantar (tantas vezes por imperativos profissionais), não têm onde enfiar o carro. E inventam para a noite os tais lugares que a EMEL se encarrega de punir pela manhã.

No dia em que os senhores da EMEL perceberem que os lugares que os moradores inventam nas noites de Bairro Alto e Cais do Sodré se devem ao facto de não existirem alternativas, pode ser que a realidade mude e nos sintamos todos minimamente protegidos e compreendidos. Multar e bloquear moradores de dia é perverso quando os não-moradores fazem o que querem das ruas durante a noite! Por tudo isto e porque raramente se encontra um agente da EMEL sensível aos argumentos de moradores que se sentem duplamente agredidos, seja pelos que invadem e expulsam durante a noite, seja pelos que chegam e multam durante o dia, pergunto se a EMEL existe para proteger ou massacrar ainda mais os cidadãos moradores nos bairros. Afinal é a favor ou é contra nós?

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Pedofilia

Igreja segura, tolerância zero /premium

Laurinda Alves
186

O Papa Francisco convocou a cimeira e vão ser dias duros, de via purgativa, mas que marcarão uma nova era. Não era possível manter a impunidade nem o silêncio, é preciso saber ler os sinais de alerta.

Crianças

Netos 5.0 sem birras? /premium

Laurinda Alves
590

Não sei se já repararam que hoje as crianças fazem menos birras fora de casa. Sempre que uma vai abrir a boca para gritar, chorar ou pedinchar alguma coisa, basta dar-lhe um telemóvel para a entreter.

Cancro

Careca Power! /premium

Laurinda Alves
810

Muitos doentes oncológicos, homens, mulheres, jovens ou crianças, sentem que não são ajudados durante a sua doença. Associações como o Careca Power servem para sensibilizar e estabelecer prioridades.

Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Enfermeiros

Elogio da Enfermagem

Luís Coelho

Muitos pensam que um enfermeiro não passa de um "pseudo-médico" frustrado. Tomara que as "frustrações" fossem assim, deste modo de dar o corpo ao manifesto para que o corpo do "outro" possa prevalecer

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)