Crónica

Afinal, será Neto de Moura mesmo uma cavalgadura? /premium

Autor

Tenho quase a certeza que Costa só pontificou na Greve Feminista porque não quis correr o risco de ser o único funcionário público a não fazer pelo menos uma greve durante esta legislatura.

Neste momento creio que é oficial que sim. Pelo menos é o que se conclui das reacções de Catarina Martins, Rui Rio e António Costa à polémica em torno dos acórdãos do magistrado, que redundaram em fortes ataques à Justiça. Parece-me óbvio que os líderes do BE, PSD e PS estão mortinhos por usar o juiz Neto de Moura como cavalo de Troia para que o poder político tome de assalto o sistema judicial. A única diferença em relação à estratégia dos gregos em Troia é que enquanto estes esperaram que ficasse escuro para levar a cabo o seu intento, os nossos líderes fizeram-no logo ali, mesmo às claras. Valentes.

Por falar destes líderes, António Costa marcou presença no passado dia 8, Dia Internacional da Mulher, na Greve Feminista. Atenção, longe de mim insinuar que o primeiro-ministro não tenha genuíno interesse pelas questões do feminismo. Agora, tenho quase a certeza que Costa só pontificou no evento porque não quis correr o risco de ser o único funcionário público a não fazer pelo menos uma greve durante esta legislatura.

Um dos pontos cruciais da Greve Feminista foi a desigualdade salarial. Estes movimentos fundamentam a sua luta em dados como os divulgados recentemente pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social: a diferença salarial entre homens e mulheres em Portugal é de 16,7% e, em média, esta desigualdade implica uma quebra de rendimento de 2.464€ por ano para as mulheres. Orelhudo, sem dúvida. Pena não permitir tirar qualquer conclusão. O que interessava realmente analisar é se com a mesma formação, desempenhando as mesmas funções, tendo a mesma experiência, e trabalhando as mesmas horas, homens e mulheres ganham o mesmo. Ui, só que isso daria muito trabalho. E se ter trabalho já é aborrecido, muito mais aborrecido é ter trabalho para chegar à conclusão que a resposta é, muito provavelmente, “sim”. O que poria em causa imensos postos de trabalho em organizações deste tipo. Postos de trabalho que, presumo, sejam ocupados maioritariamente por mulheres. Levando portanto a uma quebra de rendimento das mulheres. Que as levaria a criar um novo movimento contra a desigualdade salarial. E por aí adiante.

Especialmente dividida nesta cruzada pela igualdade salarial está a esquerda radical. É que a ser verdade que as mulheres ganham menos então seria de esperar que os patrões — capitalistas, obviamente –, para terem mais lucro, contratassem apenas mulheres. O que os tornaria uns verdadeiros feministas. Em contrapartida, os patrões machistas, que acham que o lugar da mulher é em casa, contratariam apenas homens. Por um lado estariam a ser misóginos, por outro estariam a pagar melhores ordenados aos seus funcionários. Ou seja, a esquerda radical tem de optar: ou quer feminismo e leva com o capitalismo selvagem de brinde, ou opta pela defesa dos salários e aguenta com o machismo. Lá está, não há almoços grátis. Quer dizer, até pode haver, mas depois não há como escapar a lavar os pratos e arrumar a cozinha.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

Rebentou a Berarda! /premium

Tiago Dores
409

Mais do que a receber Comendas, Joe Berardo é fortíssimo a receber encomendas. Basta lembrar como o governo de José Sócrates lhe encomendou que votasse ao lado do Estado na OPA da Sonae à PT.

Crónica

Ao ministro Cabrita, os carecas agradecidos

Luiz Cabral de Moncada

O que é que se pretende? Um homem novo escorreito, bonito, higiénico e saudável promovido por uma ideologia baseada na boa aparência e no uso da escova de dentes?

Caixa Geral de Depósitos

Rebentou a Berarda! /premium

Tiago Dores
409

Mais do que a receber Comendas, Joe Berardo é fortíssimo a receber encomendas. Basta lembrar como o governo de José Sócrates lhe encomendou que votasse ao lado do Estado na OPA da Sonae à PT.

Crónica

Serei eu um monstro?

Inês Pina

Cultivamos uma dissonância cognitiva. Se algo acontece e se sentimos que podíamos fazer algo, rapidamente sentimos que há alguém que podia/devia fazer mais do que nós. O que é isto?

Crónica

Os dias do parvoísmo /premium

Helena Matos
505

O perigo para o nosso tempo não está no comunismo nem no fascismo, mas sim no parvoísmo, esse infantilismo cruel que se tornou a ideologia triunfante dos nossos dias. De decadência,  obviamente.

Venezuela

Quociente de ingerência /premium

José Diogo Quintela
157

Os turistas da desgraça alheia são os ocidentais que diziam que só valia a pena visitar Cuba enquanto Fidel fosse vivo. Após da morte do tirano a pitoresca penúria cubana ia-se tornar desinteressante.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)