Crónica

Afinal, será Neto de Moura mesmo uma cavalgadura? /premium

Autor

Tenho quase a certeza que Costa só pontificou na Greve Feminista porque não quis correr o risco de ser o único funcionário público a não fazer pelo menos uma greve durante esta legislatura.

Neste momento creio que é oficial que sim. Pelo menos é o que se conclui das reacções de Catarina Martins, Rui Rio e António Costa à polémica em torno dos acórdãos do magistrado, que redundaram em fortes ataques à Justiça. Parece-me óbvio que os líderes do BE, PSD e PS estão mortinhos por usar o juiz Neto de Moura como cavalo de Troia para que o poder político tome de assalto o sistema judicial. A única diferença em relação à estratégia dos gregos em Troia é que enquanto estes esperaram que ficasse escuro para levar a cabo o seu intento, os nossos líderes fizeram-no logo ali, mesmo às claras. Valentes.

Por falar destes líderes, António Costa marcou presença no passado dia 8, Dia Internacional da Mulher, na Greve Feminista. Atenção, longe de mim insinuar que o primeiro-ministro não tenha genuíno interesse pelas questões do feminismo. Agora, tenho quase a certeza que Costa só pontificou no evento porque não quis correr o risco de ser o único funcionário público a não fazer pelo menos uma greve durante esta legislatura.

Um dos pontos cruciais da Greve Feminista foi a desigualdade salarial. Estes movimentos fundamentam a sua luta em dados como os divulgados recentemente pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social: a diferença salarial entre homens e mulheres em Portugal é de 16,7% e, em média, esta desigualdade implica uma quebra de rendimento de 2.464€ por ano para as mulheres. Orelhudo, sem dúvida. Pena não permitir tirar qualquer conclusão. O que interessava realmente analisar é se com a mesma formação, desempenhando as mesmas funções, tendo a mesma experiência, e trabalhando as mesmas horas, homens e mulheres ganham o mesmo. Ui, só que isso daria muito trabalho. E se ter trabalho já é aborrecido, muito mais aborrecido é ter trabalho para chegar à conclusão que a resposta é, muito provavelmente, “sim”. O que poria em causa imensos postos de trabalho em organizações deste tipo. Postos de trabalho que, presumo, sejam ocupados maioritariamente por mulheres. Levando portanto a uma quebra de rendimento das mulheres. Que as levaria a criar um novo movimento contra a desigualdade salarial. E por aí adiante.

Especialmente dividida nesta cruzada pela igualdade salarial está a esquerda radical. É que a ser verdade que as mulheres ganham menos então seria de esperar que os patrões — capitalistas, obviamente –, para terem mais lucro, contratassem apenas mulheres. O que os tornaria uns verdadeiros feministas. Em contrapartida, os patrões machistas, que acham que o lugar da mulher é em casa, contratariam apenas homens. Por um lado estariam a ser misóginos, por outro estariam a pagar melhores ordenados aos seus funcionários. Ou seja, a esquerda radical tem de optar: ou quer feminismo e leva com o capitalismo selvagem de brinde, ou opta pela defesa dos salários e aguenta com o machismo. Lá está, não há almoços grátis. Quer dizer, até pode haver, mas depois não há como escapar a lavar os pratos e arrumar a cozinha.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Humor

Eu canto, tu cantas, ele canta mal mas mal /premium

Tiago Dores
2.475

Foi uma lição de política, pois ao levar para o Programa da Cristina a mulher, os dois filhos e a nora, António Costa exemplificou na perfeição como funciona o Conselho de Ministros no governo do PS.

Crónica

Os amigos são para as nomeações /premium

Tiago Dores
424

As reuniões do Conselho de Ministros parecem um episódio do clássico seriado Dallas com os familiares todos reunidos. A única diferença é que no rancho texano da família Ewing não havia vacas voadoras

Crónica

A “familiar de referência” /premium

Maria João Avillez
216

A altíssima competência médica de Santa Maria releva também do milagre da dedicação. Deve haver poucos sítios no mundo onde se possa entregar assim um coração.

PCP

A História os absorverá /premium

José Diogo Quintela
2.286

Termos partidos leninistas e trotskistas a conviver com pessoas comuns é um luxo para o cidadão português interessado em História. É como um paleontólogo ter um Brontossauro de estimação no quintal.

Crónica

Os meninos à roda da propaganda /premium

Helena Matos
2.321

O menino que em 2012 chorava porque a mãe não tinha dinheiro para comprar bolachas agora quer salvar o planeta. O que mudou? A cor política do Governo. As bolachas essas continuam iguais. 

Crónica

O absurdo do nosso presente 

Paulo Rodrigues Ferreira

Como devemos gerir a vida numa altura em que os nossos vizinhos e conhecidos abdicaram voluntariamente da racionalidade e, na sua nova condição de rinocerontes, marram contra as paredes?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)