Rádio Observador

Crónica

Agora percebi a tanga: Guterres viu a água subir /premium

Autor
174

Guterres não deixou o país de tanga por incompetência, antes para que ficássemos equipados com a indumentária certa face à subida do nível da água dos mares por efeito das alterações climáticas.

Por vezes a justiça demora, mas acaba sempre por chegar. Foram precisos 18 anos para finalmente percebermos que em 2001 o governo liderado por António Guterres não deixou o país de tanga por incompetência, de modo algum!, mas antes para que os portugueses ficassem equipados com a indumentária certa para fazer face à subida do nível da água dos mares como consequência das alterações climáticas. Tive esta epifania ao ver o secretário-geral das Nações Unidas na capa da revista Time desta semana de fato e gravata e com água pelos joelhos, fazendo um apelo lancinante aos líderes mundiais para que tomem medidas contra este fenómeno.

E não ficou por aqui a presciência do nosso ex-primeiro-ministro. Vejam isto. O título dessa imagem de Guterres com as canelas de molho é “O nosso planeta está a afundar-se”. Pois bem, quando abandonou o governo após a derrota do PS nas autárquicas de 2001 que disse o então líder socialista? Justificou a sua saída com a necessidade de evitar que o país mergulhasse no “pântano”, que é um local onde a probabilidade de nos afundarmos é efectivamente muito elevada. Prova-se assim que a obsessão de Guterres com esta coisa dos afundamentos já vem de longe.

O que também vem de longe é a falta de jeito do ex-primeiro-ministro para os números, imortalizada pela célebre questão dos 6% do PIB. Aliás, tenho para mim que esta histeria com a subida do nível do mar é outra vez um problema de contas. De acordo com um relatório de 2014 do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU, até 2099 o nível do mar subirá 90 centímetros. O que pelas minhas contas dá ligeiramente mais que um pouco aflitivo centímetro por ano, mas nas contas de António Guterres é coisa para ter dado um excruciante quilómetro por ano, ou coisa do género.

Para este artigo da Time, Guterres foi fotografado na costa de Tuvalu, na Polinésia, um dos países mais vulneráveis à subida da água dos mares. Mas agora a sério, esta gente que mora em ilhas tropicais percebe assim tão pouco de praia? Se a água está a subir façam o que toda a gente faz quando o mar avança: peguem no chapéu de sol e nas toalhas e ponham-nos um bocadinho mais para cima, onde a areia está seca. É que é só uma questão de estar minimamente atento à ondulação. Ou em alternativa confirmar as marés no almanaque Borda d’Água.

A propósito, Tuvalu fica ligeiramente fora de mão. Desconfio que antes de Guterres sair de casa, ir de carro a poluir até ao aeroporto, apanhar vários voos poluentes até à Polinésia e finalmente embarcar num poluente barco até ao local da fotografia, a água quase nem lhe chegava aos tornozelos. Mas enfim, prioridades são prioridades e é fundamental alertar as pessoas para esta calamidade.

Agora, já era altura dos ecologistas admitirem que isto da água dos mares subir é na realidade óptimo. É ou não verdade que há imenso plástico na água e que os peixes acabam por ingeri-lo e assim? Ora, havendo mais água, na prática é como se houvesse menos plástico. Na volta até podemos atirar muito mais plástico para a água e, mesmo assim, ficar a ideia que há ainda menos plástico. E isso é muito positivo. Além de que há má vontade quando se diz que a actividade do Homem prejudica os oceanos. Vejam por exemplo o caso destas algas vermelhas que apareceram nos últimos dias no Algarve: prejudicam em simultâneo a actividade do Homem e os oceanos e no entanto não vejo nenhum ambientalista indignado com o comportamento destes velhacos organismos planctónicos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Crónica

Cocóspotting /premium

José Diogo Quintela
1.892

Daniel Nunes, o amigo do filho de António Costa, é um Fiscaliza Fezes. Recebe 1300 euros por mês para fazer cocóspotting. Deve ser, ao dia de hoje, dos Assinala Detritos mais bem pagos do país.

Crónica

Em Portugal pensa-se pouco Inês Pedrosa /premium

José Diogo Quintela
2.988

Inês Pedrosa é porteira do 10 de Junho e não vai franquear a subida ao púlpito de alguém que meramente “pensa em Portugal”, nem de quem apenas “pensa sobre Portugal”. Não, exige quem “pensa Portugal".

Crónica

A solidão das rãs 

Nuno Pires

Nos últimos anos, quando me sento na minha varanda rural olhando para a ribeira e a ponte, ouvindo o coaxar das rãs, fico com a ideia que naquele ambiente já falta vida, falta alegria, falta companhia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)