Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Não sei até que ponto Greta Thunberg se importa com as polémicas que provoca, nem faço ideia se dá ouvidos às críticas negativas e campanhas destrutivas de que é alvo. Humanamente, diria que ninguém é imune a ataques vindos de tantas frentes, mas já com 17 anos e depois de tudo aquilo que tem gerado e experimentado, diria que começa a saber proteger-se da imensa legião de haters que militantemente a detestam.

Por mim, não a glorifico nem diabolizo, apenas reconheço o impacto e o mérito. Escrevi sobre ela, quando ainda não era possível ver até onde iria chegar toda a sua influência e volto a escrever agora, no day after, por ter sido distinguida com o Prémio Gulbenkian para a Humanidade, na sua primeira edição. Dada a vocação de um prémio que reconhece e recompensa o contributo de alguém, ou de alguma organização, para resolver a crise climática, e tendo em conta a urgência do tema, considero que o Grande Júri e o Comité de Cientistas reunido pela FCG fizeram uma boa escolha.

Tenho a certeza de que a opção de dar um milhão de euros à miúda autista e estranha que começou sozinha o seu ativismo ambiental em 2018, quando decidiu faltar às aulas todas as sextas-feiras para ir para a frente do parlamento sueco chamar as atenções dos media e dos políticos, exigindo medidas concretas para combater as alterações climáticas, vai levantar nova onda de críticas e suspeitas. Digam o que disserem, o prémio está atribuído e foi aceite com gratidão e honra. Greta merece-o, ponto.

Também eu não concordo com tudo o que Greta tem dito e feito, nem aprecio particularmente o seu estilo dramático-acusatório, porventura excessivo. Acompanhei o seu percurso desde o início, fazendo um esforço consciente para manter a distância crítica de forma a evitar cair em criticismos e julgamentos apressados. Aprendi há muitos anos que não precisamos de gostar dos outros para os podermos valorizar e mantive-me fiel ao ensinamento. Nesta lógica, basta-me o impacto que Greta Thunberg tem nas novas gerações, a sua capacidade de mobilização pela causa, a maneira como desperta a consciência de todos, novos e velhos, bem como o que faz acontecer, para também eu lhe estar grata. Muito grata, mesmo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Fez-me sentido ouvir o cientista Miguel Bastos Araújo dizer que há “um antes e um depois de Greta”. Biogeógrafo, professor catedrático e investigador especialista no estudo das alterações climáticas na biodiversidade, Miguel Bastos de Araújo presidiu a um dos júris que decidiu a vencedora. No momento do anúncio público, declarou que Greta Thunberg foi escolhida por cumprir três critérios: mérito, impacto e inovação.

“Nunca na história da humanidade alguém com apenas 16 anos conseguiu mobilizar tantas pessoas fazendo um uso inovador das redes sociais.”

Gostemos muito, pouco ou nada de Greta, somos obrigados a aprender também com ela a lição de que cada um conta. O contributo individual para o coletivo passou a ter mais um ícone à escala planetária. Greta provou que apenas uma pessoa é capaz de gerar uma mudança sistémica. Ao mobilizar milhões de jovens e crianças que nunca tinham militado em causas ambientais, Greta deu a conhecer a força revitalizadora das novas, novíssimas gerações. Mostrou ao mundo o poder dos movimentos cívicos juvenis, que não estavam ativos há décadas e nunca se tinham manifestado por esta causa (esta casa!) comum.

Last but not the least, Greta nunca deixou de agir, falar, escrever, gritar e apontar o dedo por não gostarem dela, por ter tido uma depressão quando era adolescente, ou por lhe ter sido diagnosticado síndrome de Asperger. Muito pelo contrário, chorou em público, não mascarou a sua raiva quando se sentiu frustrada, incompreendida ou injustiçada, e também não escondeu as suas fraquezas, contribuindo para fortalecer outras causas, nomeadamente as dos que se sentem discriminados e estigmatizados por sofrerem de certas doenças.

Greta não recebe este prémio por ser uma ativista pelos direitos das pessoas com síndrome de Asperger, mas ao recebê-lo está também a validar as capacidades, os talentos e as competências de todos os que se sentem diferentes ou inadaptados. Mesmo sem querer, está a dizer ao mundo que é essencial ter convicções e lutar por elas. Se a causa for boa e para o bem comum, nenhuma luta será inglória. No caminho haverá sempre gente pronta a dizer mais mal do que bem, mas não importa porque há uma derradeira lição a tirar da ação de Greta: ai daqueles de quem todos gostam. Esses sim, terão que passar a vida a fazer malabarismos e contorcionismos para conseguir agradar a gregos e troianos. E poderão, até, ter que vender a alma ao diabo para serem gostados.