Rádio Observador

Futuro da Grécia

Ainda e sempre a Grécia

Autor
149

o Eurogrupo não está preparado para enfrentar um governo como o grego. O que se passa é que o Syriza tem porventura menos a perder do que se julga ou, pelo menos, assim crê.

Temos de reconhecer que o Syriza não é um partido como aqueles que têm governado os países da União Europeia desde sempre. Talvez os haja fora da Eurozona, incluindo em Inglaterra, onde há quem ponha em dúvida a pertença à UE, mas não aqui. Berlusconi chegou a ser uma ameaça devido ao seu nacional-populismo, que nunca compreendeu o sentido da criação da União Monetária, mas a Eurozona conseguiu forçar o Parlamento italiano, com a ajuda dos tribunais, a substituí-lo no auge da crise financeira italiana, por alguém da escola europeia, Mario Monti, infelizmente afastado entretanto. Por muito que faça pasmar a maioria das pessoas, o Syriza é um partido revolucionário e nacionalista, anti-euro, anti-europeu e claramente pró-russo na perspectiva de uma alegada «terceira-guerra mundial».

O Syriza parece ter-se convencido genuinamente que a crise grega se deve às obrigações impostas pelos credores das sucessivas bancarrotas depois de 2010 e não à incapacidade dos anteriores governos gregos em ajustar o país à convergência monetária, levando assim a Grécia à dívida impagável e perdendo o acesso aos mercados. Ou então as duas coisas: os responsáveis seriam a UE e os dois partidos dominantes do sistema político grego, mas nunca a evasão fiscal, nem os sindicatos do sector público agarrados aos seus privilégios corporativos, nem tão pouco a virulência dos manifestantes anti-austeridade…

Entre nós, fechados nas tricas partidárias sem horizonte, tem-se prestado ultimamente pouca atenção à dança macabra que prossegue nas instâncias europeias em torno do novo resgate da Grécia. Por risível que pareça, o PS local ainda pretendeu criticar o governo português por não ter apoiado as pretensões gregas a receber mais dinheiro sem se comprometer com nada. O certo, porém, é que a dança dura há mais de três meses: a Grécia está à beira de uma terceira bancarrota em menos de meia dúzia de anos, mas o Syriza não cede nem o Eurogrupo perde a paciência.

A maioria dos comentadores internacionais já percebeu que se está a jogar aquele jogo de olhos nos olhos até que um dos adversários pisque primeiro as pálpebras. E por curioso que pareça há muito quem pense que o Syriza não será o primeiro a fraquejar. Com efeito, só por extrema diplomacia vizinha da ironia ou então por completa ignorância da realidade é que ainda há comissários europeus, socialistas naturalmente, que parecem falar a sério ao lamentar que o Syriza “não se tenha esforçado mais» em apresentar as suas contrapartidas, mas que certamente o fará nos dias ou semanas que vêm, enquanto se aproxima a data em que irá faltar dinheiro nos cofres gregos (sim: os cofres estão cheios ou vazios)!

O certo é que o Syriza ainda não pestanejou e já estamos, pelo menos, no terceiro ou quarto prazo inadiável que lhe é apresentado! Na verdade, o Eurogrupo não está preparado para enfrentar um governo como o grego. O que se passa é que o Syriza tem porventura menos a perder do que se julga ou, pelo menos, assim crê. Se o Eurogrupo acabasse por ceder perante o receio de uma saída desordenada do euro por parte da Grécia, pagando-lhe a última tranche do segundo resgaste e, já agora, prometendo mais uma dezenas de biliões de dinheiro fresco sem contrapartidas sérias e verificáveis, seria uma vitória retumbante do Syriza e dos seus parceiros!

Em Espanha, o Podemos embandeiraria em arco e, em Portugal, Passos Coelho poderia dizer adeus ao governo e os portugueses engolir todos os sacrifícios que fizemos, enquanto o PS voltaria às suas raízes despesistas e a facção galambista – chamemos-lhe assim, do apelido do deputado – festejaria o seu dia de glória. É que a eurozona e o resto da UE parecem não se dar conta de várias coisas. Primeiro: o Syriza não vai pestanejar. Segundo: se e quando o eurogrupo lhe cortar as vazas, ficará feliz por se livrar do colete-de-forças e venderá a derrota como vitória aos eleitores gregos. Terceiro: nunca iria cumprir as metas prometidas, mesmo que quisesse, e o país continuaria a sofrer com ou sem a descolagem do euro. Quarto: o sofrimento da população alimentaria o revanchismo anti-europeu, em especial contra os alemães. Por fim, o Syriza suprimiria qualquer oposição às suas políticas de empobrecimento maciço e poderia vir a impor, com ou sem voto, um regime que, neste momento, apenas podemos conceber como uma espécie de venezuelismo sem petróleo sequer. Os olhos não lhes tremerão, disso podemos estar certos!

Entretanto, a Europa incorreria em riscos impossíveis de quantificar antecipadamente e por isso é que o mundo financeiro tem medo do Grexit. É este o cálculo de Tsipras e foi isso que o inevitável Krugman foi dizer em Atenas, mas ele não mora lá. O certo é que o primeiro país a sofrer com esses riscos seria Portugal. Imaginemos só que um qualquer “social-galambismo” teria chegado a S. Bento: quem tivesse dinheiro no banco ia a correr tirá-lo de lá! Em suma, quanto melhor forem as coisas para o Syriza, tanto pior para a UE, a começar por Portugal. É isso que é urgente perceber. Desde logo, evitando conceder qualquer espaço ao facilitismo económico que o PS não cessa de pregar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

O Congresso dos Economistas /premium

Manuel Villaverde Cabral

A legislação que regula as empresas e os investimentos é tão complicada e contraditória que não só arrasta os processos muito mais tempo que a média europeia como leva os investidores a desistirem.

Incêndios

Verões de fogo /premium

Manuel Villaverde Cabral
116

A descrição dos incêndios na Grécia é em tudo idêntica à dos que ocorreram em Portugal há dois anos, mas aqui morreram ainda mais pessoas. Lá o Syriza perdeu as eleições, aqui o PS vai ganhá-las...

Corrupção

O cancro que rói o país /premium

Manuel Villaverde Cabral
265

A política está entrelaçada com a corrupção larvar que grassa no país, desde a endogamia no recrutamento ao amiguismo partidário, não referindo a palavra tabú: negócios. E depois há a Operação Marquês

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)