Rádio Observador

Descentralização

Ainda há quem não queira saber

Autor
  • Teresa Cunha Pinto
170

Pedem jovens e investimento para o interior, mas como? Como se não lhes são dadas as condições necessárias? A culpa? É de quem esqueceu Portugal. E eles sabem quem são.

Avanço pelas ruas, são poucas as pessoas que estão cá fora e que vão cumprimentando as que, surpreendentemente, ainda passam por aqui. Faltam-lhes as palavras, é certo. É cruel a realidade. São paisagens esquecidas, edifícios totalmente degradados e abandonados, são casas vazias. Tantos obrigados a migrar, tantos os que ficam sem emprego, os que nem o chegam a encontrar, a falta de infraestruturas, a inexistência de transportes, a falta de cuidados básicos. Mas ainda há quem não queira saber.

Urge fazer desta realidade um problema com a dimensão que merece, urge fazer dela uma prioridade para o país. Basta sair das redondezas das duas áreas metropolitanas do Porto e Lisboa para se entender a dimensão real da desertificação do interior. Não dá mais para se fechar os olhos, embora haja sempre quem o tente ignorar deixando-o com o que sobra, com os restos, com as migalhas. A fatia que cabe à valorização do interior de Portugal no Orçamento do Estado é bem esclarecedora das prioridades.

Continuar a achar que é um problema menor é enterrar um país inteiro em duas áreas urbanas. O resultado? Uma sociedade dividida, dois centros populacionais insustentáveis, a existência de portugueses de primeira e portugueses de segunda. É triste, mas é a verdade, num país onde uns merecem mais que outros, onde uns são lembrados e outros terrivelmente esquecidos.

A criação da nova Secretaria de Estado para a Valorização do Interior é uma mais valia, mas não basta se se ficar por meia dúzia de formalidades e de boas vontades. Recordo que 45% da população está fixada em Lisboa e no Porto e o esforço que é necessário para combater este problema é enorme e não é com meias atenções que se consegue remediar um país esquecido durante largos e largos anos.

A fixação de pessoas no interior só é possível através da criação de emprego e para isso é necessário que as pessoas e as empresas sintam que há um país que os protege e que lhes dá razões para se fixarem. Pedem jovens e investimento para o interior, mas como? Como se não lhes são dadas as condições necessárias? Será um problema sem fim enquanto que não houver a plena consciência do que este grave problema implica e vai continuar a implicar para as gerações futuras.

A culpa? É de quem coloca interesses pessoais à frente dos interesses nacionais. A culpa? É de quem não partilha de igual forma os recursos por um país que merece todo por igual. A culpa? De quem continua a ignorar o problema, achando-o pouco merecedor de atenção. De quem não sabe gerir prioridades, de quem não assume a verdadeira responsabilidade de cuidar e de proteger um país. A culpa? É de quem esqueceu Portugal. E eles sabem quem são. São os mesmos que se sucedem Governo após Governo e que continuam a afundar o país.

Sendo eu do Porto e morando no Porto, não consigo achar que este problema não me pertence. Portugal inteiro deveria sentir-se responsável e comprometido com a questão. Espero que o Governo acorde e valorize Portugal. Portugal vai muito para além do Grande Porto e da Grande Lisboa. Todo o Portugal é Grande!

Estudante, 22 anos

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

A camioneta fantasma do PSD

Teresa Cunha Pinto
155

Tal como o “dente de ouro”, também Rio tem uma lista longa de nomes a abater e é por isso que persegue e cala os companheiros do partido que se opõem às suas ideias e incompetência enquanto líder.

Incêndios

Incêndios: alguém puxou a cassete para trás

Teresa Cunha Pinto

Reduziram Portugal a um campo de batalha dividido ao meio, onde num lado estão os que merecem e do outro os que não merecem. Este país profundamente só e abandonado deixa-nos a todos sem chão.

Racismo

Quotas? Pura campanha política

Teresa Cunha Pinto
135

O verdadeiro racismo reside em aceitar que determinada etnia precisa de medidas especiais para chegar a certos lugares. Se há constrangimentos a este nível não serão as quotas que os vêm diminuir.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)