Rádio Observador

Cinema

Ainda o filme “Silêncio”: é a defesa de uma fé privada?

Autor

Se me perguntassem hoje o que faria, diria que seguia a opção de Garupe, com toda a ajuda divina que isso comportasse, mas confrontado com a situação, quem garante o que seja?

Não podemos dizer que o filme de Scorsese é uma defesa da apostasia como o seu contrário. Em primeiro lugar, porque os três jesuítas, Ferreira, Rodrigues e Garupe, perante o dilema principal do filme, optam por caminhos opostos. Se muitos têm valorizado e compreendido de forma “racional” a atitude de Rodrigues e Ferreira, os quais optam por uma fé privada, submissa ao poder em favor dos seus irmãos na fé, Garupe e restantes mártires não cedem e, antes de negarem a sua alma, oferecem o seu corpo e assumem o sacrifício com os seus irmãos. Este último é muito menos focado nesta história e até mostrado como o “arrogante-colonizador-triunfalista” e os outros os “compassivos”, mas a mestria da ficção equilibra mais uma vez os “lados”, pois a opção de Ferreira parecia “acertada” mas à pergunta de Rodrigues se este era feliz, o seu rosto denunciou tudo, uma resignação amargurada. Estes últimos, se se sentiram impelidos a salvar os seus irmãos, serviram também muito bem os interesses de uma sociedade para além da laica, que é autoritária e vê a religião como uma ameaça, como diz o Pe. Miguel Almeida, sj, num artigo do Observador. A religião sempre foi “perigosa”, como, aliás, admitiu a insuspeita Clara Ferreira Alves, no debate em que estive sobre este filme, na Fundação Oriente, no passado dia 11 de Janeiro.

E, de facto, este filme discute novamente a questão do etnocentrismo aplicado à religião. Podiam os ocidentais obrigar os orientais a abdicar dos seus princípios? Um dos autores contemporâneos que muito tem influenciado esta visão e um dos mais críticos da imposição da nossa cultura às orientais é Edward Said, com o seu “Orientalismo”, livro muito aclamado junto de uma crítica intelectual de esquerda laica. Nesse livro, o autor defende que não podemos olhar para a cultura oriental com pressupostos ocidentais. Nada de novo. Esta tese, pelo menos no que toca à religião, não contradiz a visão do cristianismo, como diz Tolentino Mendonça no seu artigo do Expresso: o Concílio Vaticano II tratou bastante da questão da relação que a Igreja tem com o mundo e entre as suas discussões e conclusões esteve o respeito pela cultura alheia no que ela tem de verdade.

A “inculturação da fé” (Vaticano II, Constituição pastoral «Gaudium et Spes» sobre a Igreja no mundo contemporâneo, n. 53-62 (Caminhos, p. 332-340)) é um termo que expressa algo de muito bonito. A Igreja revela em todas as culturas matizes e formas diferentes de olhar a fé e isso não quer dizer que se negue a mesma no seu essencial. Em Lisboa posso assistir a uma Missa mais formal e na África do Sul assisti a batuques e danças na celebração eucarística. Mas obviamente que, p. ex., o canibalismo (ou falta de liberdade religiosa) está errado em qualquer sítio e não é “cultural”, como o falacioso livro de Said parece querer argumentar. A questão do Catolicismo é o seguimento de um Homem, que se revela através dos Evangelhos, de uma tradição e de um magistério. Esse Homem que transcende todas as formas de viver, é o exemplo para “judeu e grego, escravo ou livre, homem ou mulher” (Gál., 3).

Obviamente que este livro/filme, além de um riquíssimo repositório histórico, desinstala-nos das nossas seguranças. Não se pedem juízos simplistas para dramas individuais, claro. Se me perguntassem hoje o que faria, diria que seguia a opção de Garupe, com toda a ajuda divina que isso comportasse, mas confrontado com a situação, quem garante o que seja? Munido dos meus princípios gerais, já fui confrontado tantas vezes com situações concretas de uma opção e vi que, mais do que o meu mérito, é a misericórdia de Deus que vence.

Como afirmava São Tomás, “embora nos princípios gerais tenhamos o carácter necessário, todavia à medida que se abordam os casos particulares, aumenta a indeterminação” (citado em Amoris Laetitia, 304). Também é verdade que a opção de Cristo não é necessariamente eliminar o mal do mundo, mas assumi-lo como seu também. E a crença numa vida eterna. Mas é preciso fé para compreender isto. É preciso um caminho. Como dizia Kierkegaard em “Temor e Tremor”, ninguém compreende como Abraão iria imolar Isaac, o seu próprio filho, mas a sua fé inquebrantável assim o ordenou. É esse salto no escuro, ainda que razoável, que é a Fé. Não tanto um ato de inteligência mas de humildade e confiança perante o “Silêncio” que fala. Paradoxos, não é? Sim, mas se Deus coubesse na nossa cabeça, não era Deus, como dizia São Tomás também.

Co-fundador do site datescatolicos.org

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Democracia

O otimista é o novo revolucionário

António Pimenta de Brito

Não navegar na maionese da desgraça, a qual também é cómoda, pois não nos responsabiliza a encontrar soluções. De resto este é um comportamento muito português, o “contentamento descontente” camoniano

Amor e Sexo

No casamento há mais ou menos sexo?

António Pimenta de Brito

O que estamos a criar, jovens a viver relações virtuais? Uma geração que nunca teve tanta liberdade, arrisca em startups, pouco no amor e não se querem “agarrar"? Verdade, mas isso implica menos sexo.

Cinema

Amigos improváveis e a solidão dos revolucionários

António Pimenta de Brito

O filme “Greenbook” é um hino a uma liberdade que pode fazer tudo, uma liberdade que, mesmo com condicionantes, não desiste das suas possibilidades, na busca pela felicidade, dignidade e amor.

Cinema

Tu, a mim, não me tratas por tu! /premium

Laurinda Alves
271

“Campeões” é um filme imperdível pelo humor explosivo e pelo amor redentor. Não temos pena de ninguém, não achamos ninguém estranho, não temos rótulos para os personagens, rimos quando nos fazem rir.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)