Rádio Observador

Racismo

Alô, SOS Racismo? Daqui António Costa /premium

Autor
1.800

O mais triste é que esta não foi a primeira vez que Costa foi vítima de racismo. Já Sócrates se fartava de o discriminar. Tanto que nunca disse ao seu ministro que andava para ali com uma trafulhice.

Era o telefonema que António Costa devia ter feito, há uns dias, na sequência do debate parlamentar em que foi vilmente atacado por Assunção Cristas, essa perpetuadora do matriarcado branco. Já não sei é se Mamadou Ba teria considerado caso para chamar a bosta da bófia. É que duvido que haja um exemplo de queixa de racismo apresentada por alguém com pele de cor verde, que é o tom com que o raivoso António Costa fica sempre que debate com a líder do CDS. No fim da chamada Costa e Mamadou despedir-se-iam naturalmente com um “Tá-se nice Mamadou, respect” e um “Costa, meu nigga, props man”.

Mas o mais triste ainda é que esta não foi a primeira vez que António Costa foi vítima de racismo. Já José Sócrates se fartava de discriminar o seu ministro de Estado e da Administração Interna. Tanto é que nunca chegou sequer a dar-lhe a entender minimamente que podia andar para ali a levar a cabo uma ou outra trafulhice. Não lhe contou nadinha. António Costa não fazia ideia rigorosamente nenhuma. É racismo, o que é lamentável, mas a verdade é que neste caso ao actual primeiro-ministro foi a cor da pele que lhe salvou a pele.

Esta discussão sobre racismo foi desencadeada pelos acontecimentos no bairro da Jamaica, e provocou surpresa o facto da urbanização ficar no Seixal, uma câmara liderada pelo PCP há 2 an… Desculpem, há 17… Ai. Há 35… Mau. Há 43 anos. A câmara é liderada pelo PCP há 43 anos, assim é que é. “Mas como é possível que os bondosos comunistas permitam que esta situação desumana se arraste há tanto tempo?”, questionaram muitas pessoas, a maior parte delas sarcasticamente. A resposta é simples: refinados apreciadores do saudoso Fidel Castro, e não tendo ainda conseguido transformar Portugal na ilha de Cuba, os comunistas vão-se contentando em ter um bairro da Jamaica. Em termos de localização geográfica é lá perto mas não é a mesma coisa, já em termos de igualdade está alcançado o ideal comunista: ali toda a gente vive miseravelmente.

Entretanto, quem esteve no bairro da Jamaica foi Santana Lopes. Houve quem destacasse o acto de coragem do líder da Aliança, mas não se referia a esta visita. Referia-se ao facto da Aliança ter colocado na rua um cartaz que diz “Um país às direitas”. Nos dias que correm, em termos de audácia, isto está ao nível de um Ramalho Eanes de pé em cima do carro, ou de um Mário Soares na Marinha Grande. E confirma que Santana saiu do PSD, mas não veio sozinho, trouxe consigo o seu PPD. Coitado, nem imagino o que lhe terá custado separar o PPD/PSD. Agora, segundo o site oficial, a Aliança é um partido “low-cost, high-profile e paper-free”, o que me deixa na dúvida se Santana Lopes pretende efectivamente tirar do poder António Costa, ou se quer antes correr com Theresa May.

Por falar em política internacional, uma divertida adivinha. Na Venezuela há dois indivíduos que se dizem Presidentes: Juan Guaidó e Nicolás Maduro. Guaidó tem o apoio de EUA, Canadá, Brasil, Paraguai, Colômbia, Costa Rica, Equador, Peru, Chile, Argentina, Portugal, Espanha, França, Alemanha, Holanda e Reino Unido. Maduro tem o apoio de Rússia, Turquia e Cuba. Qual dos dois é um ditador?

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

O mérito não tem cor de pele nem etnia

João Pedro Marques
381

Os activistas querem implementar quotas e outros mecanismos compensatórios e precisam desesperadamente de argumentos científicos para justificar esse seu propósito. É gato escondido com rabo de fora.

Europa

Para uma etiologia da “política de identidades”

Guilherme Valente

É a ameaça de uma sociedade comunitarista, fragmentada, tribalizada e regressiva que se configura. Anti-humanista e anti-universalista, contra o melhor do espírito europeu. E contra uma Europa unida.

Racismo

Quotas? Pura campanha política

Teresa Cunha Pinto
135

O verdadeiro racismo reside em aceitar que determinada etnia precisa de medidas especiais para chegar a certos lugares. Se há constrangimentos a este nível não serão as quotas que os vêm diminuir.

Racismo

Liberdade ou violação dos Direitos Humanos?

João André Costa

Distopia é esta vergonha de viver num país e numa língua onde não existe uma palavra para quem tem a pele negra. Preto? É insultuoso. Negro? Negros eram os escravos. Pessoas de cor? É supremacista.  

Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

António Costa

O favor que Costa fez à direita /premium

Sebastião Bugalho

Nestes quatro anos, Costa normalizou tudo aquilo que a direita se esforçou por conquistar, o que levanta uma questão simples: o que poderá dizer o PS contra um futuro governo do centro-direita?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)