Governo

António Costa: o último-ministro  /premium

Autor
  • Sebastião Bugalho
332

Neste governo a responsabilidade é sempre descentralizada. Do executivo para as agências governamentais, de ministros para chefes de gabinete e de Costa para os ministros. Só falta culpar o porteiro.

A demissão de José Azeredo Lopes é o desenlace final de uma das tradições mais presentes deste governo: a descentralização de responsabilidades. Foi assim com o Infarmed, em que António Costa disse uma coisa e o ministro da Saúde fez outra; foi assim nos incêndios de 2017, culpando a ANPC quando foi o PS a encher a Proteção Civil de indicações políticas; e foi assim no caso de Tancos, em que o ministro da Defesa “não sabia” algo que o seu chefe de gabinete admite ter sabido.

Neste governo, a responsabilidade é consecutivamente descentralizada. Do executivo para as agências governamentais, de ministros para chefes de gabinete e, se necessário, de Costa para os seus ministros. Interrogo-me, sinceramente, a quem apontariam o dedo em caso de crise financeira – ao porteiro? – na medida em que o primeiro-ministro parece ser o último a saber tudo o que não envolva boas notícias. É mais um último-ministro do que um chefe de governo.

Mas é importante, depois de mais uma tentativa de descentralizar responsabilidades, que não concentremos excessivamente a crítica. António Costa é o rosto e o maestro do desafino, mas a orquestra tem outros solistas de péssima prestação. O que se torna ainda mais notório após a saída de Azeredo é o problema deste governo com áreas que envolvem soberania nacional e autoridade do Estado.

Hoje, Portugal tem um ministro da Administração Interna que faz campanha eleitoral em áreas ardidas, um ministro das Finanças que não se mexe um centímetro para corrigir a opacidade do Eurogrupo e um ministro dos Negócios Estrangeiros que desconsiderou o compromisso com a NATO ao preferir a Rússia ao Reino Unido no caso Skripal. Azeredo Lopes era inapto para o seu cargo, evidentemente. No entanto, não estava sozinho no ramalhete.

Para um governo que tem a sorte de uma conjuntura sorridente, o que facilita a gestão do plano interno, exigia-se mais na preservação da imagem externa do país. E, como admitiu a eurodeputada Ana Gomes, o caso de Tancos danificou-a tragicamente.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

Reconstrução /premium

Sebastião Bugalho
284

Hoje, em Portugal, há um Estado que falha a quem deveria servir e que cumpre com quem se serve dele. E é preciso reconstruir esse Estado. Devolver-lhe dignidade, restituir-lhe confiança.

China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho
251

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida
142

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Governo

10 medidas de reforma do recrutamento governativo

Fernando Teigão dos Santos

Modernizar o funcionamento governativo passa por reduzir a tamanho dos gabinetes, reformar as suas funções, ter menos parentes, mais quadros competentes e fechar as “portas giratórias” dos ministérios

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Segurança Social

Não tinha de ser assim /premium

Helena Matos
215

Em 1974, politicamente bloqueado, o país aguardava que os militares tratassem do assunto. O assunto era o Ultramar. Em 2019, o país está bloqueado de novo. O assunto chama-se Estado Social.

Administração Pública

A (Des)orientação ao Cidadão

Carlos Hernandez Jerónimo

Não basta produzir plataformas e sistemas mesmo que em co-criação com o cidadão, que apenas ligam dois pontos em linha reta e que ao mínimo desvio empurram o cidadão para o balcão e a fila de espera. 

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)