Crónica

António Patrício Gouveia /premium

Autor
294

Tínhamos a vitalidade e o convencimento intactos. Acreditávamos. Talvez porque após a tormenta da revolução soubéssemos o país bem entregue. E nós, com ele.

1. Quando ouvi o Salvador Patrício Gouveia do outro lado do telemóvel “vai haver uma homenagem ao meu pai e eu gostava muito que estivesse”, dizer que me comovi não é suficiente. Nem exacto. Foi mais que isso, foi como se me estranhasse a mim mesma: o mundo virara-se para trás e subitamente vi-me noutro, tão distinto, tão longínquo que não podia fazer outra coisa senão isso mesmo, estranhar. E sim, comover-me, que foi também o que aconteceu.

A imensa surpresa – tudo ignorava daquela cerimónia — fora afinal menor do que o reencontro com esse mundo onde uns quantos como o pai do Salvador e eu própria julgaram ter encontrado o acerto entre nós próprios e quase tudo. Entre nós e nós, nós e as coisas, nós e a política. Entre nós e o país. Não que tivéssemos “certezas” –quem as tem? — tínhamos antes a energia de um “valer a pena” que nos norteava o caminho e os dias, sentíamos uma confiança pouco experimentada desde a revolução e os duríssimos combates que se lhe seguiram pela democracia. Tínhamos a vitalidade e o convencimento intactos. Acreditávamos. Talvez também porque após a tormenta, soubéssemos muito simplesmente o país bem entregue. E nós, com ele.

2. O pai do Salvador chamava-se António Patrício Gouveia e era um dos melhores artesãos desse mundo. Encarnava-o, de certa forma. Talvez devesse escrever também que o António era excepcional, incomum, inteligente, sério, senhor de alta qualidade intelectual. E decente, o que é dizer absolutamente tudo sobre alguém, mas gosto de lembrar que era um homem bom. O substantivo bondade que parece ter caído em desuso, provocará talvez descrença, sorrisos patetas, quem sabe entediará até leitores. Mas lembro-me de muito pouca gente e a vida vai-me longa, que tenha feito de si mesmo uma interpretação da bondade como instrumento de comando do resto: da inteligência, do relacionamento, da decisão, do modo como olhava (e atendia) o outro e os outros. Praticou este modus operandi em todas as facetas da sua vida — privada e pública — pessoal, familiar, social, política, e fazia-o com um sorriso que parecia estar desde sempre e para todo o sempre desenhado no seu rosto. Possuía uma vibrante alegria de viver que dispensava o alarido, um bom senso sereno, uma discrição natural que nunca lhe vetou o magnifico sentido de humor.

Era um homem de família, com a sua mulher e os três filhos, sabendo que era de “lá” que partia e para “lá” que queria voltar ao fim do dia, porto de abrigo entre todos eleito. Era um homem de amigos por quem genuinamente se interessava, com quem ria, discutia, aprendia ( e ensinava). Era um homem de exemplo: não se ficava indiferente às suas boas maneiras, á delicada persistência com que erguia pontes entre confrontos e confrontados; nem se saía incólume da observação de como publica ou privadamente, reflectia, agia, realizava, convencia.

E era sobretudo um homem de Deus. Escolhera sê-lo. Mas como são afinal raras as oportunidades que a vida concede de testemunhar um mistério quase inexplicável que é esse ininterrupto, secreto, fecundíssimo diálogo interior de alguém com o sagrado… Para podermos observar depois, como no silencioso voo de um pássaro, o resultado desse diálogo na vida quotidiana do “dialogador”.

3. Um belo dia do final de 1972, já economista (ISEG), cruzou-se com o jornalismo. Francisco Balsemão convidara-o para chefiar a futura secção de Economia do Expresso que nasceria meses depois. Em boa hora foi, e com Fernando Ulrich ao seu lado, deu óptima conta do recado. Curioso, interessado, continua a desenvolver uma cidadania activa, participara na fundação da Sedes, fora um dos fundadores do Expresso, acompanhara os trabalhos da Ala Liberal. Entretanto já casado, muda-se em 1976 para Washington para cursar Estudos Internacionais na Universidade de John Hopkins. Nascem três filhos. Tinha o interesse agudo pelas relações internacionais, a diplomacia, a política externa. Nada lhe era estranho nesse mundo que tanto o interpelava (entre outros actos e colaborações participara em duas Assembleias Gerais das Nações Unidas, pela representação portuguesa, em 1973 e 74), mas a força das coisas coloca-o definitivamente noutro tabuleiro: o da política interna onde já há muito já se dera por ele. Trabalhou com Francisco Sá Carneiro, entre 1974/5, depois, com Emídio Guerreiro e novamente com Sá Carneiro entre 1975 e 1980.

Em 1979, formado o governo da vitoriosa AD, António Patrício Gouveia iria transformar-se numa peça essencial na política governamental como chefe de gabinete do primeiro-ministro e líder da AD. Serviu Sá Carneiro, a política e a sua pátria com talento, devoção e exigência. Era o início da caminhada radiosa para aquele homem bom, aquele também radiante António Patrício Gouveia. Assim o víamos e assim falávamos dele uns com os outros, nesse tempo de tão boas expectativas.

4. A cerimónia de homenagem a António Patrício Gouveia (para a qual o ISEG e a sua presidente Clara Raposo muito bem acolheram quem lá acorreu a recordá-lo) parecia saída desse mundo que o António ajudara a construir.

No tom, nas palavras ouvidas, nas boas maneiras, na dignidade, na qualidade das intervenções, no puro encanto a sépia de algumas pequenas e grandes histórias recordadas. Como se regidas por uma invisível batuta, “ouviu-se” a sintonia dos testemunhos de três gerações em inspiradíssimas evocações. Clara Raposo, Fernando Ulrich, João Salgueiro, Mota Amaral, a filha Madalena Patrício Gouveia devolveram-nos o António. Vivo, igual a ele próprio. Como agradecer-lhes?

5. Instantes após Marcelo Rebelo de Sousa (que também interveio) ter condecorado António Patrício Gouveia, no final desta homenagem, ouço Francisco Balsemão referir-me “o atraso daquele gesto”. Espantei-me, Balsemão elucidou-me: ele próprio, quando era primeiro-ministro, em 1981, propusera ao então Chefe de Estado, Ramalho Eanes, condecorar António Patrício Gouveia. A resposta foi um veto.

6. Podia ainda dizer que Deus abençoara António Patrício Gouveia com o melhor, dotando-o com tudo o que faz de um homem, um Homem. Mas como muito bem sabemos, Deus fez dele um “escolhido”. Entre a multidão dos chamados, o António foi um dos seus escolhidos.

7. Escrevo estras linhas a 4 de Dezembro. Faz agora exactamente 38 anos quando um outro dia 4, chamada aos gritos aflitos por uma filha de 13 anos, já só ouvi ”… e António Patricio Gouveia”.

Ouvira o suficientemente inaudível.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Londres depressa /premium

Maria João Avillez

Como se chegou ao encalhe da Grã-Bretanha nela própria? O ar esta carregado de palavras que vão e voltam sem sair do mesmo sítio, o país não parece “desatável” da União Europeia.

Política

Direita /premium

Maria João Avillez
476

Quem poderá (ainda?) levar a sério os donos que querem sê-lo de tudo? Do regime, da democracia, do pensamento, da política, do dinheiro, da norma, da lei, dos credos, da cultura, dos costumes?

Porto

Com que voz (e o Porto) /premium

Maria João Avillez
185

Que o mesmo é dizer, com aquela convicção de aço que ponho quando a pele e o coração me dizem que estou absolutamente certa, que falo de dois sobredotados. Ambos portugueses.

Pedofilia

Vade Retro, Sr. Padre! /premium

José Diogo Quintela

Os padres envolvidos nos casos de abusos sexuais são uma minoria. O pior é a cobertura que lhes dá o resto da hierarquia católica. A protecção dos abusadores vê-se nas penas do Tribunal Eclesiástico.

Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Política

As direitas a que Portugal tem direito /premium

Alberto Gonçalves
1.589

Visto que em Portugal a direita se define por ser tudo aquilo de que a esquerda não gosta, eu defino-me por não gostar de tudo aquilo o que a esquerda é. Quanto à direita, tem dias. E tem direitas.

Crónica

Levá-los a sério? /premium

Paulo Tunhas

Até que ponto vale a pena levar as coisas a sério quando tudo parece uma farsa generalizada em que a classe política parece sobretudo interessada em não nos fazer o favor de se preocupar connosco?

Crónica

O regresso do Rei

Luis Teixeira

Os professores acreditam que os 9 anos, 4 meses e 2 dias de tempo de serviço congelado hão-de sair do nevoeiro da dívida e os enfermeiros, que os 68% de aumento hão-de chegar com a maré. 

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)