Rádio Observador

Crónica

As 10 maiores qualidades dos portugueses

Autor
2.329

Poucas coisas são melhores do que conviver com pessoas que riem. E os portugueses não precisam de muito para rir, o que é ótimo.

Só é possível amar um país quando também amamos seu povo. Uma coisa não pode estar dissociada da outra. E esse texto não é para falar do belo céu azul português ou da sua costa radiante, mas sim para falar das pessoas, independentemente da paisagem ou de outros atributos do país. Afinal, quais são as características que fazem com que seja tão fácil gostar dos portugueses?

1) São abertos: portugueses gostam de Portugal, mas também gostam do mundo. Ouvem música angolana, assistem novelas brasileiras, comem tapas espanholas, valorizam o cinema francês, estudam livros alemães, se interessam pela medicina chinesa. Os portugueses não se deixam limitar por nenhum fanatismo patriótico e, exatamente por isso, sabem aproveitar tudo de bom que o mundo oferece.

2) Servem muita comida: essa é, sem dúvida nenhuma, uma das maiores qualidades dos portugueses. Todos, absolutamente todos os portugueses nos servem muita, muita comida para seus amigos, clientes ou familiares. Pode ser no restaurante ou em casa, a avó ou o cozinheiro. Nunca corremos o risco de sair com fome de um restaurante ou da casa de alguém em Portugal. Não há miséria, mesmo quando as pessoas não têm muito sobrando. E isso é lindo.

3) São transparentes: percebo, cada vez mais, que há muito pouca falsidade em Portugal. Trata-se de uma lógica simples: as pessoas quase sempre dizem o que pensam (o que às vezes poderia ser feito de forma mais delicada, é bem verdade), existindo muito pouco espaço para sussurros nos corredores ou para coisas a serem ditas pelas costas. O que deve ser dito, costuma ser dito cara a cara, o que às vezes aborrece, mas que demonstra hombridade.

4) São amigos: pode parecer infantil, mas os portugueses são realmente bons amigos. Não se trata de uma amizade que se conquista em minutos, como no Brasil. Mas, uma vez conquistada, são amigos para levarmos para a vida. Daqueles que estão lá não só para um copo e para uma viagem, mas para um lamento e para uma visita no hospital. Eles simplesmente estão sempre lá.

5) São prestativos: os portugueses ajudam as pessoas. Um turista perdido, uma pessoa que deixa cair um casaco sem perceber, um motorista que não sabe a saída exata na estrada, uma senhora com dificuldades para atravessar a rua. A timidez portuguesa poderia impedí-los de oferecer ajuda, mas não é o que acontece na prática.

6) Têm as sobrancelhas mais bonitas do mundo: não há qualquer dúvida, os portugueses têm as sobrancelhas mais bonitas do mundo. Morro de inveja. Aqui não há sobrancelhas sem graça, sem personalidade ou insignificantes. Todas são fartas e significativas. É possível reconhecer um português em qualquer lugar do mundo, apenas observando a sobrancelha: se for muito bonita, é portuguesa com certeza.

7) São informados: portugueses sabem o que está acontecendo em Portugal e no mundo. Mesmo que os veículos de comunicação nem sempre repassem a informação da melhor forma, os portugueses não se fecham nas notícias internas, menosprezando o contexto internacional, nem se esquecem do que se passa no país, com uma valorização excessiva do que se passa lá fora.

8) Amam a própria cultura: não há um português que não se orgulhe do fado, das sardinhas na brasa, da obra de Pessoa, de Eça e de Saramago, das navegações e das caravelas, dos azulejos, da festa dos santos, da cultura do vinho, da guitarra portuguesa. E, mesmo assim, o amor pela própria cultura não os torna desinteressados pela cultura alheia.

9) Aceitam seus imigrantes: há uma grande diferença entre permitir a entrada de um estrangeiro e efetivamente aceitá-lo. Portugal, como país colonizador que foi, agora vive o processo natural de receber os nativos das antigas colônias. Não sei se um senegalês se sente bem recebido na França como um brasileiro se sente em Portugal. É claro que há exceções, mas a regra é encontrar portugueses que nos fazem sentir verdadeiramente bem vindos.

10) Têm riso fácil: poucas coisas são melhores do que conviver com pessoas que riem. E os portugueses não precisam de muito para rir, o que é ótimo. Ultrapassada a barreira da timidez-que-às-vezes-parece-antipatia-ou-grosseria-mas-não-é, os portugueses se mostram não apenas dispostos a dar risada, mas até sedentos por ocasiões de riso. Ainda bem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Crónica

Cocóspotting /premium

José Diogo Quintela
1.892

Daniel Nunes, o amigo do filho de António Costa, é um Fiscaliza Fezes. Recebe 1300 euros por mês para fazer cocóspotting. Deve ser, ao dia de hoje, dos Assinala Detritos mais bem pagos do país.

Crónica

Em Portugal pensa-se pouco Inês Pedrosa /premium

José Diogo Quintela
2.988

Inês Pedrosa é porteira do 10 de Junho e não vai franquear a subida ao púlpito de alguém que meramente “pensa em Portugal”, nem de quem apenas “pensa sobre Portugal”. Não, exige quem “pensa Portugal".

Crónica

A solidão das rãs 

Nuno Pires

Nos últimos anos, quando me sento na minha varanda rural olhando para a ribeira e a ponte, ouvindo o coaxar das rãs, fico com a ideia que naquele ambiente já falta vida, falta alegria, falta companhia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)