Rádio Observador

Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Autor
1.709

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.

No próximo domingo, não há eleições para câmaras municipais e juntas de freguesias nos 308 concelhos do país. No próximo domingo, há apenas eleições no concelho de Loures. Ou ainda mais exactamente: no próximo domingo, em Loures, há um referendo sobre André Ventura, professor universitário e comentador de futebol. Eis o que podemos concluir da conversa nacional sobre as próximas eleições.

Como chegámos aqui? Aparentemente, porque numa entrevista em Julho, onde explicou que a sua prioridade são os transportes, o candidato do PSD também notou que membros da comunidade cigana de Loures não cumprem a lei. É uma afirmação que pode ser verdadeira ou falsa. Se verdadeira, Loures tem um problema, maior ou menor; se falsa, então André Ventura deveria ter um problema, por difamar cidadãos exemplares. Significativamente, ninguém se atreveu a fazer um fact-checking. A oligarquia preferiu passar logo à rotulagem — racista, xenófobo, populista.

Haverá quem argumente: o problema não é o comportamento de uns quantos munícipes de Loures, mas o modo como André Ventura “explorou” o tema. Vamos entender-nos: não há no que Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. O seu ponto de partida não podia, aliás, ser mais claro: “Temos de ser todos tratados como iguais”. As acusações de racismo são obviamente mentira. Então porque apareceram? Porque este Verão, a nossa oligarquia precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse. À esquerda, para demonstrarem a nova teoria de que Portugal é um Estado do sul dos EUA, onde só o BE nos protege da segregação racial; à direita, para se demarcarem da “direita radical” e demonstrarem que, embora não tendo ainda aderido ao PS, já são inofensivos. Pelo meio, tratava-se de atirar mais um escândalo aos pés de Passos Coelho, para garantir que as autárquicas seriam mesmo o seu fim. Enfim, não foi tanto André Ventura que quis “explorar” os ciganos, mas a nossa oligarquia que cinicamente quis “explorar” André Ventura.

A campanha devia ter liquidado o “candidato dos ciganos”. Mas não liquidou. É que André Ventura não reagiu como previsto, recuando aos tropeções com desmentidos e desculpas. Em debate, provou uma inteligência e uma sofisticação acima dos seus adversários. Não foi preciso mais para fazer dele o herói de cidadãos fartos do concurso de misses do “politicamente correcto”.

Os preconceitos étnicos e culturais existem, e devem ser condenados. Mas os comportamentos criminosos e anti-cívicos também existem, e é preciso que as autoridades sejam capazes de lidar com os indivíduos responsáveis, independentemente do grupo a que pertençam. No Reino Unido, vários gangs dedicados à exploração sexual de raparigas pobres escaparam durante anos à polícia por serem maioritariamente compostos de paquistaneses, e toda a gente, a começar por polícias e assistentes sociais, temer acusações de “racismo”. Como notou André Ventura, a “inclusão” não pode ser sinónimo de dispensa do cumprimento da lei, porque isso não é “inclusão”, mas o seu contrário, a “guetização”. O que sempre definiu os guetos foi precisamente estarem fora da lei comum. Isentar um grupo de deveres é o caminho mais eficaz para lhe negar direitos e o condenar à marginalidade.

Foi a mentir e a decretar tabus que as oligarquias ocidentais abriram as portas ao chamado populismo. Por mim, prefiro que estas questões sejam tratadas por alguém como André Ventura, integrado num partido fundador do regime democrático e intransigente contra a política hipócrita e efectivamente racista dos guetos suburbanos, do que por um demagogo apostado em derrubar o sistema.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
128

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)