Autárquicas 2017

As eleições de André Ventura

Autor
1.709

Não há no que André Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. Mas este Verão, a nossa oligarquia política precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse.

No próximo domingo, não há eleições para câmaras municipais e juntas de freguesias nos 308 concelhos do país. No próximo domingo, há apenas eleições no concelho de Loures. Ou ainda mais exactamente: no próximo domingo, em Loures, há um referendo sobre André Ventura, professor universitário e comentador de futebol. Eis o que podemos concluir da conversa nacional sobre as próximas eleições.

Como chegámos aqui? Aparentemente, porque numa entrevista em Julho, onde explicou que a sua prioridade são os transportes, o candidato do PSD também notou que membros da comunidade cigana de Loures não cumprem a lei. É uma afirmação que pode ser verdadeira ou falsa. Se verdadeira, Loures tem um problema, maior ou menor; se falsa, então André Ventura deveria ter um problema, por difamar cidadãos exemplares. Significativamente, ninguém se atreveu a fazer um fact-checking. A oligarquia preferiu passar logo à rotulagem — racista, xenófobo, populista.

Haverá quem argumente: o problema não é o comportamento de uns quantos munícipes de Loures, mas o modo como André Ventura “explorou” o tema. Vamos entender-nos: não há no que Ventura afirmou qualquer vestígio de “racismo” ou “xenofobia”. O seu ponto de partida não podia, aliás, ser mais claro: “Temos de ser todos tratados como iguais”. As acusações de racismo são obviamente mentira. Então porque apareceram? Porque este Verão, a nossa oligarquia precisava de inventar um Trump de palha, desse por onde desse. À esquerda, para demonstrarem a nova teoria de que Portugal é um Estado do sul dos EUA, onde só o BE nos protege da segregação racial; à direita, para se demarcarem da “direita radical” e demonstrarem que, embora não tendo ainda aderido ao PS, já são inofensivos. Pelo meio, tratava-se de atirar mais um escândalo aos pés de Passos Coelho, para garantir que as autárquicas seriam mesmo o seu fim. Enfim, não foi tanto André Ventura que quis “explorar” os ciganos, mas a nossa oligarquia que cinicamente quis “explorar” André Ventura.

A campanha devia ter liquidado o “candidato dos ciganos”. Mas não liquidou. É que André Ventura não reagiu como previsto, recuando aos tropeções com desmentidos e desculpas. Em debate, provou uma inteligência e uma sofisticação acima dos seus adversários. Não foi preciso mais para fazer dele o herói de cidadãos fartos do concurso de misses do “politicamente correcto”.

Os preconceitos étnicos e culturais existem, e devem ser condenados. Mas os comportamentos criminosos e anti-cívicos também existem, e é preciso que as autoridades sejam capazes de lidar com os indivíduos responsáveis, independentemente do grupo a que pertençam. No Reino Unido, vários gangs dedicados à exploração sexual de raparigas pobres escaparam durante anos à polícia por serem maioritariamente compostos de paquistaneses, e toda a gente, a começar por polícias e assistentes sociais, temer acusações de “racismo”. Como notou André Ventura, a “inclusão” não pode ser sinónimo de dispensa do cumprimento da lei, porque isso não é “inclusão”, mas o seu contrário, a “guetização”. O que sempre definiu os guetos foi precisamente estarem fora da lei comum. Isentar um grupo de deveres é o caminho mais eficaz para lhe negar direitos e o condenar à marginalidade.

Foi a mentir e a decretar tabus que as oligarquias ocidentais abriram as portas ao chamado populismo. Por mim, prefiro que estas questões sejam tratadas por alguém como André Ventura, integrado num partido fundador do regime democrático e intransigente contra a política hipócrita e efectivamente racista dos guetos suburbanos, do que por um demagogo apostado em derrubar o sistema.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

O regime da irresponsabilidade

Rui Ramos
328

Tal como o PS apagou as suas responsabilidades na bancarrota de 2011, o PSD pretende apagar as suas responsabilidades na saída limpa de 2014. Daí os "acordos" desta semana.

Identidade de Género

A lógica das causas fracturantes

Rui Ramos
331

A legislação sobre a identidade de género deixa-nos com uma questão: tal como acontece com a religião, não seria melhor o Estado deixar pura e simplesmente de registar o sexo dos cidadãos? 

Ministério da Cultura

Uma proposta radical para a cultura

Rui Ramos
112

Porque não responsabilizar pessoalmente o presidente da república ou o primeiro-ministro, enquanto mecenas por conta do Estado, pela despesa pública no subsídio às artes? Tudo seria mais transparente.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site