Rádio Observador

Sustentabilidade

As melhores empresas para o mundo! /premium

Autor
139

Uma B Corp é uma empresa lucrativa que tem como modelo de negócio o desenvolvimento social e ambiental. A Empresa B cria benefícios a todas as partes interessadas e não responde apenas aos accionistas

Estamos habituados a falar das melhores empresas do mundo, a querer conhecê-las ou saber mais sobre elas, até para nos candidatarmos a trabalhar nessas mesmas empresas, mas perdemos menos tempo a pensar quais são as melhores empresas para o mundo.

Do mundo ou para o mundo? Eis uma grande questão que hoje em dia se coloca cada vez mais no universo corporativo, no conjunto de empresas que geram lucro, fazem negócio, têm business plans afinados e apostam em responder positivamente aos acionistas e aos clientes. Ou seja, não se trata de organizações sociais sem fins lucrativos.

As melhores empresas do mundo não são necessariamente as melhores empresas para o mundo. Sabemos isso há muito tempo, ainda a Greta Thunberg não era nascida.

O que muitos não sabem é que há cada vez mais empresas certificadas como as melhores para o mundo! Ainda não estamos a falar de uma cultura dominante no universo corporativo, note-se, mas já é uma cultura emergente, com grande impacto nas realidades e culturas que estas mesmas empresas tocam.

Estamos a falar de cerca de 3 mil Benefit Corporation — as chamadas B Corps — que existem em 50 países. Para ser exata e porque há números frescos, desta semana, até ao dia de hoje foram certificadas 2917 empresas B, mas há milhares de outras que já começaram a usar as ferramentas de evolução fornecidas pelo B Lab que, se forem bem usadas, lhes darão direito a serem certificadas.

Uma Empresa B não é uma IPSS, insisto, e é importante fazer esta distinção, pois as B Corp pertencem estritamente ao universo corporativo. Assim sendo, uma B Corp é uma empresa lucrativa que tem como modelo de negócio o desenvolvimento social e ambiental. O conceito, que já gerou um movimento global, nasceu nos EUA, em 2006 e foi criado pela B-Labs, cujo core business era redefinir a noção de lucro e sucesso na empresa.

De acordo com a declaração oficial deste movimento mundial, uma Empresa B cria benefícios a todas as partes interessadas e não responde apenas aos acionistas. Nesta lógica, são tão importantes os shareholders como os stakeholders. A empresa tem que ser lucrativa, mas também tem que acreditar que o lucro não serve apenas para devolver mais valias aos acionistas. Todas as partes interessadas devem ser envolvidas no processo de tomadas de decisão e a empresa tem que gerar ‘externalidades positivas’. Ou seja, devolver à sociedade coisas boas, para usar uma linguagem corrente e sair do jargão economês.

Dar de volta à sociedade é, em síntese, a essência das B Corps. Gerar lucro para os acionistas é e será sempre legítimo, mas não chega. Tornou-se imperativo ‘pagar’ à sociedade, criar mudança, gerar mais valias para as comunidades. Em Portugal temos quase uma dezena de B Corps, mas muitas outras empresas lucrativas começam a dar passos para poderem vir a ser certificadas e já estão a usar as ferramentas de gestão que se aplicam em 5 áreas, a saber: governance, ambiente, trabalho, sociedade e clientes.

Se hoje escrevo sobre o conceito e sobre este movimento mundial que segue o modelo de capitalismo consciente, é porque o conheço há 5 anos e tenho acompanhado a sua evolução no país, mas também porque me faz sentido contribuir para dar a conhecer esta realidade. E não só, pois associado às B Corps há um outro movimento: o dos profissionais que querem fazer carreira e evoluir numa empresa onde são respeitados valores fundamentais como a ética, a transparência, a sustentabilidade e a eficácia. Há já um sem número de possibilidades de postos de trabalho para quem acredita que as empresas podem e devem gerar múltiplos lucros.

No B Work há ofertas de trabalho em muitas das 3 mil empresas que foram certificadas e é interessante observar também o movimento de parcerias que as empresas geram entre si. A Ben & Jerry’s, por exemplo, criou um gelado de cerveja só por ter uma parceria especial com uma marca de cervejas e isto gerou um pico de lucro que também rendeu para os projetos sociais que a empresa sustenta. Um dos exemplos mais criativos de B Corp é a Tony’s Chocolonely, uma empresa holandesa que fabrica chocolates 100% slave free e fatura anualmente cerca de 40 milhões.

Tony, o fundador interessou-se pela questão da escravatura infantil e denunciou uma série de plantações de cacau onde as crianças e jovens são obrigados a trabalhar em condições infra-humanas. Adotou práticas de comércio justo e criou uma variedade de tabletes de chocolate que começaram por ser encarnadas, para servirem de cartão vermelho à indústria de chocolate que ainda vive deste tipo de escravatura. Os próprios chocolates não são divididos em quadrados ou retângulos simétricos, como é habitual. A divisão é completamente assimétrica para sublinhar todas as assimetrias que ainda são a marca da distribuição desigual das riquezas no mundo.

Estes e outros exemplos dão que pensar e mostram que se está a tecer um novo tecido empresarial apostado em contribuir com a sua parte para que os lendários SDG – Sustainable Development Goals proclamados pelas Nações Unidas, possam vir a ser cumpridos. Claro que podemos olhar para as B Corps que já existem como se olha para um copo de água meio cheio. Alguns verão que apenas existem 3 mil, mas outros conseguirão ver que se já há 3 mil empresas boas para o mundo, muitas mais se seguirão!

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Tu, a mim, não me tratas por tu! /premium

Laurinda Alves
310

“Campeões” é um filme imperdível pelo humor explosivo e pelo amor redentor. Não temos pena de ninguém, não achamos ninguém estranho, não temos rótulos para os personagens, rimos quando nos fazem rir.

Férias

Suportem-se uns aos outros nestas férias /premium

Laurinda Alves
263

“Suportai-vos uns aos outros” é um abaixamento pelo outro. Pelo melhor para o outro. Uma atitude cristã, eu sei, mas vejo tantos descrentes adotarem-na que não se pode dizer que é exclusivo de crentes

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)