Rádio Observador

Comportamento

As sensibilidades demonstrativas /premium

Autor

Um político pode fazer a ponte entre as profundidades expressivas do seu Eu, colocadas no centro de tudo, e o seu discurso sobre a sociedade. Bastará sublinhar a radicalidade emocional deste último.

Nos Souvenirs, Tocqueville conta um seu encontro com o irmão e a cunhada no início da revolução de 1848. A cunhada tinha, como de costume, perdido a cabeça e só conseguia imaginar o marido assassinado e as filhas violadas. Tocqueville lamenta o facto de as desgraças do país não despertarem nela qualquer sentimento, excepto no que tocava à sua família mais próxima. O seu espírito tinha minguado e o seu coração esfriado: “a mais honesta mulher e a pior cidadã que se podia encontrar”. Resumindo: “Era uma mulher de uma sensibilidade demonstrativa, em vez de extensa e profunda”.

Há, é claro, muita gente assim, e o mínimo que se pode dizer é que o contacto com as sensibilidades demonstrativas pode provocar um certo incómodo. Tudo se parece reduzir ao caudal de sentimentos próprios, sem intromissão alguma da mais ténue reflexão sobre o mundo exterior. O domínio do privado ocupa todo o espaço da realidade e é exposto de uma forma invariavelmente exaltada e avassaladora. Para mais – e aqui entro em algo que Tocqueville não menciona, mas que sempre me pareceu estar no centro de tal atitude -, há muito de artificial na coisa. As sensibilidades demonstrativas, sob a capa de uma aparente autenticidade, possuem na verdade uma natureza profundamente mimética, e por isso mesmo se confundem, nos seus gestos essenciais, umas com as outras. De facto, obedecem a um modelo que lhes diz como se devem comportar, como devem sentir, e seguem à risca esse mesmo modelo, fazendo-o movidas por um forte sentimento de obrigação. Exibirem os tormentos da sua própria individualidade, nomeadamente na sua preocupação em relação aos outros, é mais um imperativo social do que outra coisa. Há, por definição, algo de falso nelas, como se a profundidade e a intensidade dos sentimentos fosse apenas aparente e inconscientemente destinada a esconder a sua intrínseca superficialidade. No fundo, há apenas o Eu, o “detestável Eu” de que falava Pascal.

Toda a gente encontra na vida sensibilidades demonstrativas, e, de qualquer maneira, a televisão encarrega-se de as mostrar quotidianamente. Os reality shows (na versão original ou em qualquer dos seus avatares) são delas feitos do princípio ao fim e muito do resto que a televisão exibe obedece a idênticos princípios. O jornalismo, sobretudo o televisivo, cai na sensibilidade demonstrativa a toda a hora sob a forma de um lirismo de pacotilha que se manifesta na mínima notícia. Os altos sentimentos dos jornalistas não hesitam em exprimir-se nos mais ínfimos detalhes, não vão os espectadores pensarem que eles são um bando de criaturas sem coração. Pelo caminho, como é óbvio, a objectividade torna-se uma missão impossível. Não há nada como a ânsia de testemunhar solidariedade para fazer suspeitar a omnipresença do egoísmo piedoso.

O que é curioso é notar a forma como a sensibilidade demonstrativa invadiu o campo político. Não é nada de absolutamente novo, é claro, a sensibilidade demonstrativa sempre foi um ingrediente necessário da demagogia, mas nos últimos tempos atingiu proporções nunca vistas. Aparentemente, trata-se de algo paradoxal.  A cunhada de Tocqueville, “a pior cidadã que se podia encontrar”, reduzia a sua preocupação com o mundo à preocupação com o seu círculo familiar mais íntimo. Ou melhor: à maneira como esse círculo exprimia a essência do seu próprio ser, existia enquanto visível veste do seu ser. Ora, os políticos não falam de si, falam da sociedade. As desgraças do país merecem-lhes sentimentos em doses cavalares. Parece haver aqui uma contradição.

Mas a contradição é mesmo só aparente. Um político, sobretudo por estes dias, pode, por assim dizer, fazer a ponte entre as profundidades expressivas do seu Eu, colocadas no centro de tudo, e o seu discurso sobre a sociedade. Tudo está em sublinhar a radicalidade emocional deste último. Como se a urgência das suas convicções tivesse origem em predicados originais e inabaláveis da sua alma. Como se tudo lhe viesse directamente, sem mediação, do coração. Como se o seu irreprimível amor pela justiça não fosse mais do que a manifestação visível e terrena de uma natureza íntima admirável. Deste modo, deixa de haver qualquer contradição entre o egoísmo piedoso e a mais indomável solidariedade com os mais desfavorecidos. A sensibilidade “extensa e profunda” não é senão um veículo conveniente e extraordinariamente eficaz para a sensibilidade demonstrativa.

Se me pedissem um exemplo deste fenómeno, não hesitaria um instante em escolher um nome: Catarina Martins. Não há vez em que fale em que as suas alegrias e tristezas políticas não pareçam vir-lhe dos recantos mais secretos da sua alma. Tudo no seu discurso é urgente, de uma urgência que atesta a todos a sua perfeita autenticidade. A mágoa que lhe inspiram os males do país e do mundo, uma mágoa que só pode revelar a bondade essencial do seu ser, tal como o beatífico sorriso com que orna cada declaração de vitória numa “luta” a que essa mesma bondade necessariamente a conduziu, tudo isso são sinais indisputáveis de uma muito apurada sensibilidade demonstrativa. Ninguém me tira da cabeça que uma boa parte do sucesso recente do Bloco, que muito se deve a ela, pode ser posto na conta da receptividade que a sensibilidade demonstrativa merece no jornalismo, que, como disse atrás, a ela recorre frequentemente. E também, convém admiti-lo democraticamente, numa parte da população que os reality shows educaram como modelo de comportamento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comportamento

Berardo, raiva e Fundações 

Luis Plácido dos Santos
165

Todos os comentários enraivecidos se compreendem e devem ser levados a sério, mas convém não perdermos de vista as mais-valias das fundações, sobretudo no contexto atual de complexidade e desigualdade

Comportamento

Quando a indignação não admite perdão

Filipe Samuel Nunes

Racista uma vez, racista para sempre. Se disse uma piada homofóbica há dez anos irá sempre ser homofóbico. Deus nos livre de pensar que a pessoa pode mudar, de dar espaço para essa mudança acontecer.

Comportamento

A memória curta!...

Nuno Pires
109

É muito mais fácil percebermos manifestações ingratas de memória curta do que ver alguém reconhecido a agradecer pelas oportunidades que lhe proporcionaram alegrias e bem-estar na vida.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)