Maioria de Esquerda

As taxas dos amanhãs que cantam baixinho

Autor
586

Taxa de desprotecção civil. Taxa pernil. Taxa pirolito. Taxa Arménio Carlos... Que taxas são estas? Aquelas que se pagam antes sequer de existirem.

Taxa pernil. Esta taxa visa financiar a cátedra Santos Silva, o ministro sociólogo que teve o privilégio de protagonizar um momento inédito na história do socialismo utópico e científico pois coube-lhe explicar a um governo socialista apoiado por Cuba – Venezuela – que um governo de socialistas apoiado por estalinistas, maoistas e trotskistas – Portugal – e sustentado por Bruxelas não intervém no comércio mundial do pernil de porco. Por enquanto não se sabe se este cisma gastronomo-ideológico será analisada no âmbito do multiculturalismo ou se nas alternativas ao capitalismo global.

Taxa de desprotecção civil. Dado o falhanço rotundo da Autoridade de Protecção Civil durante o ano de 2017 é urgente a criação de uma taxa que financie uma autoridade que nos proteja da falta de competência da alegada Autoridade de Protecção Civil. A taxa de desprotecção civil pode também financiar o balcão que a CML anunciou ir abrir “para que os munícipes possam apresentar o pedido de devolução das verbas cobradas” no âmbito da taxa de protecção civil que a autarquia cobrou indevidamente. O que não se percebe é a necessidade do balcão: para cobrar a CML escreve-nos; para pagar o que nos deve a CML precisa de criar um balcão para nos atender.

Taxa pirolito. De cada vez que os portugueses entram na água do mar acabam a ingerir o nefando sal, para mais não filtrado de impurezas pela tampinha dos saleiros. Logo é urgente a criação de uma taxa pirolito como forma de mudança das mentalidades dos portugueses na sua relação com a água salgada: por cada pirolito sai um tanto de taxa. Numa segunda fase, a abordagem deve ser mais inclusiva e abordar questões como o impacto do protector solar na disseminação do assédio sexual ao longo da orla marítima. A taxa pirolito deve portanto ser indexada a outros factores, sem esquecer o seu agravamento em função da temperatura da água de modo a combater as desigualdades no acesso ao mar, pois quanto mais quente a água maior o número de banhos, mais banhos equivalem a mais pirolitos, mais pirolitos a mais sal…

Taxa Arménio Carlos. Trata-se de uma taxa verdadeiramente pioneira. Em nenhum outro país um imposto ou taxa são cobrados para financiar o encerramento de empresas. A taxa Arménio Carlos, a ser paga por todas as empresas, é absolutamente inovadora pois o seu objectivo é a dinamização dos movimentos e protagonistas que se tenham destacado na destruição de empresas, muito particularmente das mais modernas. Esta taxa será complementada com a sobretaxa Ricardo Salgado, que recairá sobre todos os portugueses que acabarem o mês com saldo superior a 1 euro na conta bancária.

Taxa cartola. Já vamos no quarto aumento de capital da CP este ano e ainda não deu por nada? E também não deu por notícias nem indignações contra a degradação do serviço prestado por esta empresa? Um manto de silêncio cai sobre o facto de dezenas de médicos do SNS estarem a assinar declarações de isenção de responsabilidade sempre que têm de prestar cuidados sem os meios necessários: não se fazem ecografias durante noite porque não há radiologista; há epidurais que ficam por dar porque não há anestesista disponível; aguarda-se um mês pelo resultado de um exame que se faz em três dias porque faltam médicos na anatomia patológica… e o silêncio impera. Um silêncio tão espesso quanto o que cobre a entrada da Santa Casa no Montepio.

O que tem isto a ver com a taxa cartola? Tudo. A taxa cartola já existe e é sem dúvida um dos casos de maior sucesso na afectação de receitas: por cada problema sai da cartola da propaganda um acontecimento, uma proposta arrojada, uma iniciativa nunca vista… O dinheiro pode faltar para tudo mas para a cartola nunca faltará.

Taxa anomalia histórica. Apesar de no sector privado se trabalharem mais horas, as férias serem menores, não existir ADSE e o acesso à reforma ser mais difícil há quem se obstine em manter-se no sector privado, numa espécie de atitude contra o sentido da História. Logo, sobres estes trabalhadores e empresários tem de incidir a taxa anomalia histórica, destinada a financiar o horror ao investimento, ao mercado e aos empresários nas universidades. Muito particularmente nas que se dizem de ciências sociais e humanas.

Taxa por insistência nos pedidos de leite gordo e iogurte com lactose. Só a pressão da máquina fiscal será capaz de acabar com as pessoas que deambulam nos supermercados em busca destes produtos que a modernidade manda expurgar dos nossos frigoríficos.

Esta taxa, mais do que arrecadar receita, pretende avaliar a nossa capacidade para agora fazer e dizer uma coisa e daqui a uns anos dizer e fazer precisamente o seu contrário pois é óbvio que, dentro de algum tempo, novos despachos nos mandarão comer aquilo que agora mesmo nos proíbem – lembram-se quando a sopa e os legumes secos eram símbolos do nosso atraso?

Taxas para os peões nas ciclovias. As cidades estão cheias de ciclovias e as ciclovias cheias de peões. Assim serão instituídas portagens para os peões nas ciclovias de modo a que estes se sintam motivados a utilizar a bicicleta.

Taxa por não perceber o que diz António Costa (e já agora Joana Mortágua). Será seguramente uma das taxas mais rentáveis da nossa máquina fiscal pois se do primeiro é garantido que poucos percebem o que diz da segunda é óbvio que nem ela mesma percebe o que está a dizer.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cidades

A cena do ódio

Helena Matos
809

Esse universo de rendas sociais, reguladas e acessíveis ocupa hoje o lugar que a Reforma Agrária desempenhou no século passado: a esquerda acredita que é aí que fará a sua sementeira de votos 

Maioria de Esquerda

A pantomina

Helena Matos
335

“Da luta de classes à luta pelo melhor escalão” é o papel reservado ao povo nesta revista à portuguesa que tem como estrelas a Catarina dos ultimatos, o Jerónimo dos provérbios e Costa, o habilidoso.

Justiça

A coisa

Helena Matos
666

A coisa tornou-se óbvia em 2003 durante o processo Casa Pia. Depois veio José Sócrates e a coisa agigantou-se. A coisa primeiro estranha-se. Depois entranha-se. 

Maioria de Esquerda

A pantomina

Helena Matos
335

“Da luta de classes à luta pelo melhor escalão” é o papel reservado ao povo nesta revista à portuguesa que tem como estrelas a Catarina dos ultimatos, o Jerónimo dos provérbios e Costa, o habilidoso.

Impostos

Ode ao Portal das Finanças

José Miguel Pinto dos Santos

Pode ser que o Portal das Finanças tenha reduzido atritos entre cobradores e contribuintes, mas uma carga fiscal excessiva continuará sempre a gerar fuga aos impostos através de uma economia paralela

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site