Educação

O ataque soviético contra os contratos de associação

Autor
2.337

Formalmente, o ministro da Educação dá pelo nome de Tiago Brandão Rodrigues, mas tornou-se claro desde que iniciou funções que apenas encobre o verdadeiro rosto do poder no sector, o de Mário Nogueira

Durante anos, muitos observadores atentos do sector da educação em Portugal colocaram a questão: o que faria Mário Nogueira se fosse ministro da Educação? Graças à “geringonça”, estamos a ter a possibilidade de conhecer a resposta a essa pergunta e, infelizmente, de confirmar as piores expectativas. É certo que, formalmente, o ministro da Educação dá pelo nome de Tiago Brandão Rodrigues, mas tornou-se claro rapidamente desde que iniciou funções que é pouco mais do que uma cara jovem e simpática que tem por função encobrir as verdadeiras faces do poder no sector.

Um exercício comparativo com a pasta da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior só reforça a constatação: concorde-se ou não com as suas opções políticas e ideológicas, Manuel Heitor é uma personalidade forte, conhece inequivocamente bem o sector e nunca se disporia a ser uma mera figura decorativa. Fragilizado pela pesada derrota eleitoral nas legislativas, com uma ala radical em crescendo de influência e confrontado com a necessidade de garantir o apoio do PCP, a entrega por parte do PS do sector da educação aos comunistas é tacticamente compreensível, mas nem por isso menos danosa para o país.

As recentemente anunciadas avaliações trimestrais por sindicatos a que este Ministério da Educação decidiu sujeitar-se exponenciam o ridículo da situação mas não alteram o essencial, que era já evidente desde que a “geringonça” assumiu o poder. Apesar de ridículas, as avaliações trimestrais têm pelo menos o mérito de tornar explícito que o actual ministro da Educação presta contas em primeiro lugar, não aos eleitores, nem aos alunos, nem às famílias, nem sequer aos professores, mas sim aos sindicatos do sector – e muito em especial, naturalmente, aos sindicatos comunistas.

Não surpreende por isso que uma reivindicação de longa data de Mário Nogueira e seus camaradas esteja a ser posta em prática pela “geringonça”: o ataque aos contratos de associação que é simultaneamente um ataque directo às escolas não estatais e uma ofensiva indirecta contra a Igreja Católica. Como bem sintetizou João César das Neves em oportuno artigo recente:

“O ataque à Igreja é mais subtil e destruidor. O ministro da Educação já mostrara desrespeito democrático e institucional ao mudar as regras de avaliação com o ano lectivo em andamento. Mas a forma prepotente como está a tratar os contratos de associação com as escolas privadas raia a infâmia: atropela acordos assinados, perturba o ensino das crianças, prejudica a vida das famílias pobres, gera desemprego de professores. Além de prejudicar a própria função ministerial, pois os acordos são uma das formas mais baratas, eficazes e preferidas por alunos e famílias de o Estado cumprir a sua missão educativa. (…) A medida parece genérica, contra as escolas privadas, o que permite o cinismo de o maior ataque dos últimos anos contra a presença da Igreja Católica na sociedade fingir neutralidade.”

Embora longe de serem uma solução ideal em termos de liberdade de educação, os contratos de associação sempre foram profundamente incómodos para os defensores da completa estatização do ensino. O próprio argumento de que urge exterminar os contratos de associação para evitar que as escolas estatais mais próximas percam alunos é profundamente embaraçoso para os seus defensores, que se vêm forçados a reconhecer que, quando têm essa possibilidade em condições de igualdade, as famílias optam esmagadoramente por escolas não estatais.

O que há a lamentar nos contratos de associação, pelo contrário, é serem situações muito limitadas, condicionadas e circunstanciais. Nesse sentido, é pena que alguns dos mais influentes agentes do ensino não estatal que agora (e bem) se mobilizam face à ofensiva comunista contra os seus contratos de associação tenham dedicado tão pouca atenção e recursos no passado à defesa e promoção da liberdade de educação para todos.

Ainda assim, e apesar das suas limitações, os contratos de associação são uma experiência prática de liberdade que vale a pena defender. Numa sociedade cada vez mais estatizada e onde as instituições intermédias são regra geral débeis e pouco autónomas face ao poder político, o pior que poderia acontecer seria a concretização, mais de quatro décadas depois do 25 de Abril, do velho sonho comunista de impor um sistema completamente soviético de educação totalmente controlado a partir da 5 de Outubro.

Professor do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

A fraude da eliminação das propinas

André Azevedo Alves
893

Aos 18 anos os jovens poderiam votar, mas estariam ao mesmo tempo sujeitos à frequência compulsiva de um “ciclo geral universitário” para receberem a adequada doutrinação socialista.

Escolas

É agora que se aposta no sucesso escolar de 2019

Diogo Simões Pereira
222

É agora que os alunos, sobretudo os que receberam notas negativas como “presente de Natal”, têm de decidir se querem ou não fazer um esforço extra durante os próximos seis meses.

Professores

A Justiça e os Professores

Arnaldo Santos

Justiça é dar a cada um aquilo que é seu e cada professor deu o seu trabalho no tempo de congelamento na expetativa de ter a respetiva retribuição relativa à progressão na carreira: o que é seu é seu.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)