Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em finais de Outubro, antes de apanhar um voo no aeroporto de San Diego, precisei de usar os lavabos. Na antiguidade, esta era uma actividade linear: uma pessoa entrava no compartimento dedicado ao seu sexo, fazia o que tinha a fazer e estava despachada. Felizmente, tais simplismos tendem a acabar. Em San Diego havia três compartimentos, um para senhoras, um para cavalheiros e um terceiro dedicado, passo a citar, a “todos os géneros”. E acrescentava o cartaz: “Qualquer um pode usar esta casa de banho, independentemente da identidade ou expressão de género”. O cartaz era ilustrado com quatro bonecos, o primeiro trazia saia, o segundo trazia calças (ou exibia-se nu, o grafismo não primava pela clareza), o terceiro trazia saia apenas numa perna e o quarto parecia uma criança, embora pudesse ser um anão. De repente, a actividade em questão perdeu a antiga espontaneidade e transformou-se numa escolha complicada. Sendo homem, devia usar a zona dos homens ou a de “todos os géneros”? E a zona “todos os géneros”, aperfeiçoamento da ancestral “unissexo”, não anula as restantes, cujo espaço podia ser aproveitado para um novo Starbucks? E as crianças, não têm sexo (vade retro)? Encontrava-me nestas divagações quando a natureza, essa construção social, me recordou dos motivos que me levaram ali. Segui a opção conservadora, mas, radiante com os avanços civilizacionais, fiquei a meia-hora seguinte a contemplar, ao longe, a porta dos lavabos “inclusivos”, esperando deparar com uma fila de “cross-dressers”, mulheres barbudas, funcionários do fisco, fãs dos Queen e anões. Num aeroporto internacional repleto, não entrou lá ninguém. Mera coincidência. No mundo desenvolvido, em breve qualquer lavabo público terá uma sala para cada letra do acrónimo LGBTQI%ORN#F*AP+.

A introdução acima serve dois propósitos: a) sugerir que sou um tipo viajado; b) lamentar que, no mundo atrasado, leia-se em Portugal, rebente um pequeno escândalo após um deputado do BE ousar adicionar o “camarados” ao “camaradas” e, de seguida, assinar um artigo no “Público” a justificar a afronta. Ou seja, no que toca a abolir o pérfido “binarismo de género”, por aqui ainda vamos no estado embrionário. Por aqui, ainda se procura “afirmar” as mulheres (as “camarados”) contra o que o deputado Pedro Filipe Soares define, e bem, por “modelo patriarcal e machista de sociedade” (os “camaradas”). Sobre as inúmeras identidades e os inúmeros géneros que faltam, nem uma palavra.

E há palavras a dar com um pau (na cabeça dos reaccionários). No inglês, os “activistas” heróicos e semi-alfabetizados que fintaram “history” com “herstory”, agora lutam para substituir os pronomes masculinos e femininos (he, him, she, her, etc.) por pronomes não discriminatórios como “ze”, “hir”, “xe”, “xem”, “xir”, “hy”, “hym”, “hys”, etc. Além da destruição da gramática, que é fascista, isto facilita imenso o convívio, embora o ideal fosse a/o pessoa/o decidir o pronome que lhe convém (para mim, eu arriscaria um “t?ç”). Claro que a ausência de distinção de género nos substantivos ingleses favorece o avanço dos anglo-saxónicos na matéria. No português, deparamo-nos com a necessidade de alterar, pela lei e pela marreta, milhares de vocábulos de modo a torná-los “inclusivos” (“camarada/camarado” – ou camarady?, “leninista/leninisto” – ou leninist©?, “chalupa/chalupo” – ou chalupx?). Na língua e em tudo, a “inclusão” é um conceito essencial.

Porquê? Ora essa: porque somos todos iguais, e é ofensivo não respeitar a igualdade. Então porque é que as políticas “identitárias” dividem a população em dezenas de “minorias” e grupos? Porque a divisão em classes não funcionou e porque somos todos diferentes, e é ofensivo não respeitar a diferença. A “ofensa”, que advém do “abuso” e provoca o “sofrimento”, é outro conceito basilar. Promover uma mulher a chefe sem a chamar de “chefa” é um abuso, que ofende a senhora, fá-la sofrer e, em poucos dias, conduz invariavelmente ao suicídio. E idêntica tragédia acontece com o/a moço/a de género fluído que não dispõe de uma casa de banho fluída, ou com o candidato preto, perdão, negro, perdão, afro-algures a quem não são oferecidas quotas de acesso à universidade a título de reparação da escravatura: abuso, ofensa, sofrimento, pulsos cortados. Mesmo que muitas mulheres, gays ou pretos não concordem, os seus auto-designados porta-vozes não permitem dúvidas: nas sociedades “patriarcais e machistas”, toda a gente é vítima. Toda a gente, excepto os homens, brancos e broncos e heterossexuais, que são culpados.

No fim de contas, custa alguma coisa estrafegar a língua e os costumes por decreto para implementar a cartilha moral do activismo “identitário”? Salvo pela subjugação a fanáticos, não custa nada. Conforme lembram os sacerdotes da causa, basta um bocadinho de tolerância, empatia, gentileza – e é por isso que os sacerdotes odeiam de morte os infiéis. Sejamos tolerantes: odiemos com eles. É facílimo, já que não requer inteligência, rigor, conhecimentos especiais ou a mínima noção da realidade e do ridículo. Avante, camaradas e camarados, o progresso espera-nos. E a progressa também.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR