Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A política comercial e de investimento estrangeiro é há várias décadas a face visível do poder económico de um país ou região. No entanto, até muito recentemente havia uma área da política económica que parecia mais ou menos intocável, que nem a emergência do euro ou a crescente importância económica da China conseguiu abalar: a predominância do dólar nas relações internacionais.

A digitalização crescente do setor financeiro e as moedas digitais poderão transformar este paradigma. O dólar é a principal moeda internacional, que serve para a esmagadora maioria das transações comerciais e financeiras internacionais, e como maior moeda de reserva. Segundo dados do FMI, mais de 60% das reservas internacionais em 2020 eram em dólares, seguidas do euro, mas com apenas 20% do total.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.