Rádio Observador

Conflito na Síria

Bashar Assad ou Estado Islâmico?

Autor
269

Apesar de todas as divergências entre a Rússia, por um lado, e os Estados Unidos e UE, por outro, este parece ser um dos casos em que se deve seguir o princípio: O inimigo do meu inimigo, meu amigo é.

Nos últimos dias têm aumentado as notícias de que a Rússia estão a enviar armamentos e militares russos para apoiar o regime do Presidente sírio Bashar Assad. Moscovo não esconde que não deixou de fornecer armas a Damasco, mas continua a negar a participação de homens seus nos combates contra a oposição síria e o Estado Islâmico.

O próprio Presidente Putin declarou mesmo que o seu país continua a fornecer armamentos ao Governo de Damasco em cumprimento de acordos assinados há 5-7 anos atrás. Mas, no que respeita à participação de militares russos nos combates,  o Ministério da Defesa da Rússia reconhece apenas que envia técnicos e estruturores para ensinarem aos soldados do regime de Assad a manejar com armamento made in Russia.

Moscovo tem uma base naval do porto sírio de Tartus e, segundo algumas informações, está a construir uma segunda base militar na cidade marítima de Lataquia, mas recusa-se a confirmar última afirmação.

Uma coisa é certa: o Kremlin tem fortes razões para realizar esse tipo de política. A Síria é a única plataforma estratégica que a Rússia possui no Médio Oriente e Moscovo não pretende perder esse lugar. Além disso, receia o aparecimento de grupos islamistas radicais no seu território e nos países vizinhos da antiga Ásia Central soviética. Por exemplo, no Tadjiquistão,país que faz fronteira com o Afeganistão, ocorrem presentemente confrontos entre tropas governamentais e grupos armados da oposição, podendo este conflito ser uma das portas de entrada do Estado Islâmico nessa região estratégica não só para a Rússia, mas também para a China e os Estados Unidos.

Washington incita Moscovo a envolver-se mais activamente no combate aos radicalistas islâmicos. “Saudaríamos uma participação mais activa da Rússia”, declarou Mark Toner, representante da Secretaria de Estado norte-americana no início de Setembro.

Moscovo diz não estar conta, mas coloca pelo menos um condição fundamental.

Os Estados Unidos e os seus aliados árabes continuam a dar prioridade ao derrube do regime de Bashar Assad, limitando-se a ataques aéreos contra as hostes do Estado Islâmico, táctica que não tem sortido o efeito esperado. A Rússia, pelo seu lado, inverte a ordem de prioridades.

Tendo em conta o problema crescente dos refugiados na Europa e o avanço e as barbaridades dos grupos armados do Estado Islâmico na Síria e no Iraque, Moscovo aumenta o seu apoio militar ao regime de Assad para colocar obrigar o Ocidente a definir: ou aceita a continuação do Presidente sírio no poder e torna possível uma ampla coligação de todas as forças políticas e militares contra os radicais do EI, deixando a solução do problema  do poder em Damasco para depois da vitória sobre os jihadistas, ou continuaremos a assistir à degradação da situação no Médio Oriente, com todas as consequências funestas que daí possam advir.

Mas Washington receia um reforço demasiado da influência Rússia na região e a situação continua a degradar-se. Quanto à União Europeia, sendo uma das partes mais prejudicadas neste conflito devido à onda crescente de refugidos da guerra, ela não se deve limitar a receber pessoas, mas participar activamente na solução dos conflitos na Síria e no Iraque, pois só a estabilização da situação nesses países permitirá controlar o fluxo caótico de migrantes. Porém, os países membros da UE revelam mais uma vez que não conseguem chegar a um acordo nem sequer em situações críticas como a actual.

O último exemplo, a Bulgária decidiu fechar o seu espaço aéreo a aviões russos que se dirigem para Damasco, exigindo uma vistoria das suas cargas, mas Atenas prontificou-se a abrir esse corredor. Acções como estas são mais um rombo perigoso no já maltratado casco da “caravela europeia”.

Não obstante todas as divergências entre a Rússia, por um lado, e os Estados Unidos e UE, por outro, este parece ser um dos casos em que se deve seguir o princípio: “O inimigo do meu inimigo, meu amigo é”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Rússia

Chega de brincar à democracia! /premium

José Milhazes
360

A polícia e os tribunais russos viram o que ninguém viu e vários manifestantes e candidatos a deputados foram acusados e serão julgados por "organização de desordens em massa", podendo ficar presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)