Eleições no Brasil

Bíblia e bala

Autor

As raízes da criminalidade são demasiado complexas e é simplista pensar que se enfrentam apenas com o endurecimento de penas, com a prisão sistemática, com a difusão de armas ou atirando a matar.

Foi uma das primeiras medidas que Jair Bolsonaro anunciou logo após a sua eleição: a liberalização do uso e porte de armas, Uma medida apresentada como necessária ao combate à criminalidade e até à «liberdade de um povo», com uma retórica semelhante à que de há muito se ouve nos Estados Unidos. Para além dessa medida, o novo presidente brasileiro já se tem manifestado favorável ao uso mais fácil e frequente de armas letais por agentes policiais no combate à criminalidade (sem grandes escrúpulos de atirar a matar).

Os grupos de deputados que poderão garantir o apoio a Bolsonaro têm sido identificados com três palavras: Bíblia (a bancada de deputados evangélicos), boi (os representantes da agro-indústria) e bala (os que defendem uma política securitária como a que facilita o uso de armas letais por particulares e agentes policiais).

É um logro pensar que a difusão do uso e porte de armas pela população reduz a criminalidade. O exemplo dos Estados Unidos é bem eloquente a esse respeito; bastará comparar os índices de criminalidade desse país com os nossos, ou com os da generalidade dos países europeus. Aí, um vasto movimento, a que também se associam os bispos católicos, vem alertando para as consequências de uma legislação permissiva em relação ao uso e porte de armas, uma legislação cuja vigência é em grande parte influenciada (há que reconhecê-lo) pelo poderoso lóbi dos comerciantes do ramo. A periódica ocorrência de trágicos tiroteios é uma dessas consequências. Na verdade, nada pode assegurar que as armas letais espalhadas entre a população sirvam apenas para dissuadir e não venham a ser usadas. Nem que sejam usadas apenas em legítima defesa e não antes como instrumento de agressão, por agentes do crime, precisamente.

Há quem diga, para justificar a difusão da posse de armas, que não são as armas em si mesmas que são perigosas, mas as pessoas que as possam utilizar. Quando oiço esta argumentação, vem-me à memória um caso com que me deparei no início da minha carreira de juiz. Uma simples discussão de trânsito que desembocou num homicídio e que, não fora a possibilidade de acesso a uma arma, não teria passado de um par de socos ou bofetadas. O acesso a essa arma num momento de exaltação transformou uma pessoa pacífica num homicida, profundamente arrependido e que até veio a entregar-se às autoridades. Não, as armas são perigosas por si só e a sua difusão não torna a sociedade mais segura e tranquila, antes pelo contrário.

A vida humana é merecedora de proteção em qualquer circunstância, até mesmo a de um criminoso, como reafirmou recentemente o Papa Francisco ao reprovar de forma categórica a pena de morte. Pode ser legítimo aceitar, como consequência não diretamente querida, a morte de um agressor quando se atua em legítima defesa, para proteger a vida do próprio ou de outrem. Mas as condições dessa legitimidade são estritas, sujeitas a critérios de necessidade e proporcionalidade. Os meios mais gravosos e letais devem ser utilizados apenas se necessários e em último recurso. E para quem mais preze a vida humana, também a de um agressor, podem sê-lo para defesa da vida da vítima, não de simples bens patrimoniais. Quem assim pense, com base na ética e no direito, não pode deixar de ficar apreensivo quando com ligeireza se aceita, ou até se incentiva, que fácil ou sistematicamente se atire a matar para combater a criminalidade. Porque, num Estado de Direito, os critérios da polícia e dos tribunais não podem ser os mesmos dos criminosos e os fins não justificam os meios.

As raízes da criminalidade são demasiado complexas e é, no mínimo, simplista pensar que se enfrentam apenas com o endurecimento de penas, com o encarceramento sistemático, com a difusão de armas entre a população ou atirando a matar.

Sem que a pobreza e desigualdade possam justificar a prática de crimes e sem que se ignore a função própria do sistema penal, as políticas sociais de combate à pobreza e à desigualdade não podem ser esquecidas quando se pretende combater a criminalidade. A insegurança da sociedade brasileira não é alheia à persistência dessa pobreza e dessa desigualdade em níveis que contrastam com a da generalidade dos países europeus, com índices de criminalidade inferiores.

A bancada de deputados evangélicos que apoia Bolsonaro enaltece a sua postura de oposição ao aborto, tal como muitos dos seus eleitores católicos e evangélicos, que prezam a vida humana na sua fase inicial, de suprema vulnerabilidade. Em muitos países, para políticos moderados, de esquerda, centro e direita, a liberalização do aborto já é aceite como algo de indiscutível ou irreversível. Oferecem, assim, trunfos eleitorais a políticos como Trump e Bolsonaro, que, quiçá de forma oportunista e inautêntica (porque nem sempre no passado se distinguiram pela oposição ao aborto), se aproveitam do vazio assim criado assumindo-se como arautos da defesa da vida pré-natal.

Importa, por isso, denunciar a incoerência de quem defende a vida na sua fase inicial, mas com ligeireza a despreza noutras fases (sendo que a inversa também é verdadeira), mesmo que seja em nome do combate à criminalidade, aceitando facilmente que se possa atirar a matar.

Bíblia e bala não combinam muito bem. Da Bíblia vem o mandamento não matarás, não certamente o de que facilmente se pode atirar a matar.

Afirmar que se coloca Deus acima de todos envolve uma responsabilidade que exige coerência. Reduzir essa afirmação a um slogan de propaganda é uma profanação que viola o mandamento bíblico de não usar o Santo Nome de Deus em vão.

Presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Câmara Municipal Lisboa

Prostituição ou trabalho sexual?

Pedro Vaz Patto
233

Quem conhece a realidade da prostituição sabe que não há uma prostituição “benigna”, que ela é, intrinsecamente, “maligna”. Ou já alguém conheceu uma mulher que lhe dissesse que queria ser prostituta?

Igreja Católica

Pastoral do vínculo

Pedro Vaz Patto

É uma proposta certamente difícil e contrária à cultura dominante. Mas a proposta de Jesus no Evangelho não era mais fácil no tempo em que foi formulada e contrariava também a mentalidade desses dias.

Eutanásia

Antecipar a morte

Pedro Vaz Patto
195

Da proposta do Bloco não decorre que a eutanásia e o suicídio assistido sejam legais apenas em caso de morte iminente ou doenças terminais, como sucede por exemplo no Estado norte-americano do Oregon

Eleições no Brasil

O Joaquim, o António e o Manuel

João Pires da Cruz
520

Ao contrário dos que berraram que os brasileiros que vivem cá e votaram esmagadoramente no candidato vencedor deveriam voltar para o Brasil, não somos todos imbecis e temos mais que dois neurónios. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)