Rádio Observador

Educação

É bom ir à escola

Autor
187

Dada a validade dos argumentos a favor da prestação estatal em espécie, isto é, em aulas de filosofia em vez de em dinheiro, todas as crianças têm o direito de ir à escola, mesmo que não queira

É um dado adquirido entre economistas que presentes não monetários são um método ineficiente de transferir valor: as dádivas que recebemos têm geralmente menos estima para nós do que aquilo que poderíamos comprar com quantia equivalente à despendida pelo ofertante. Conclusão: para maximizar a utilidade para o recetor de uma oferenda dê dinheiro, não trapos novos nem quinquilharia eletrónica.

Infelizmente a teoria económica só captura uma parte da realidade. Ao assumir que o dador pretende sempre a máxima satisfação do agraciado, os economistas ignoram que há outros motivos no dar para além da felicidade do que recebe, como outras ciências sociais vêm alertando há muito tempo. Prestígio social e vaidade, manipulação e coação, expiação de culpa por patifaria passada e engodo para facilitar canalhada futura são alguns dos outros motivos no dar que têm sido apresentados por psicólogos, sociólogos e antropólogos.

E também pode suceder que quem dá acha que sabe melhor o que é bom para quem recebe: a isto chama-se paternalismo. Se, por exemplo, perguntássemos a uma criança, entre os seis e os dezasseis, se prefere ir à escola durante um ano, ou não ir e receber 4.400 euros, valor aproximado do despendido pelo Estado por aluno num estabelecimento público, para gastar como quiser, que resposta obteríamos? Certamente que a esmagadora maioria escolheria a primeira opção: ir à escola é fixe!

Mas assumamos o absurdo e admitamos que um número considerável preferiria o dinheiro à educação gratuita. Deveria o Estado respeitar essa escolha? Há muitas razões para a resposta ser não: ir à escola é mesmo fixe, mais fixe do que quer que seja que 4.400 euros pudessem comprar; mesmo que o não fosse, ir à escola assegura a futura empregabilidade e, está mais ou menos provado, rendimentos pessoais superiores ao longo da vida laboral; e mesmo que não assegurasse, ir à escola é essencial na aquisição dos valores necessários à vivencia numa sociedade desenvolvida e pluralista.

A única objeção que um miúdo poderia fazer a estes argumentos é que são paternalistas: o meu fixe é diferente do teu; a minha preferência inter-temporal por rendimento é diferente da tua, ou mais precisamente, a minha taxa de desconto de rendimentos futuros é mais alta que a tua; e não me venham cá com moralidades e pluralismos: e já que estamos numa de pluralismos, pratiquem o que pregam, e deixem-me ser diferente!

Dada a validade dos argumentos a favor da prestação estatal em espécie, isto é, em aulas de filosofia e educação física, em vez de em dinheiro, será que a acusação de paternalismo tem algum valor? É claro que não: todas as crianças têm o direito de ir à escola, mesmo que não queiram.

Professor de Finanças, AESE

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Esclarecimento público

José Miguel Pinto dos Santos
966

A morte de Vincent Lambert deveu-se a lhe ter sido tirada a alimentação e hidratação. Embora pudesse vir a morrer à fome, morreu à sede à medida que vários órgãos foram colapsando por falta de fluídos

Viana do Castelo

As rãs e o prédio Coutinho

José Miguel Pinto dos Santos
618

Sobra a questão: como pode isto acontecer num Estado dito de direito? E não só isto, mas toda a arbitrariedade estatal e impunidade dos detentores de cargos públicos que constantemente é noticiada?

Aborto

The terminators

José Miguel Pinto dos Santos
686

Se o caso tivesse ocorrido no sul profundo dos Estados Unidos na primeira metade do século XX, ou na Alemanha dos anos 30, ninguém se espantaria. Mas ocorreu num país da União Europeia há duas semanas

Ministério da Educação

Um mau serviço à Educação

Carlos Fiolhais
757

Os governantes que na prática fecharam o Colégio da Imaculada Conceição, prestando um mau serviço à educação, desconhecem provavelmente os contributos dos Jesuítas para o ensino, a ciência e a cultura

Economia

Liderança: um diálogo pai-filho /premium

José Crespo de Carvalho
170

Podes ter a melhor das intenções, as características pessoais que achas apropriadas ou mais valorizas, a visão e a estratégia para o exercício da liderança. Mas a cultura, se não ajudar, estás morto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)