Rádio Observador

Casa Branca 2016

A caminho da Casa Branca

Autor

Apesar da força da dupla “bully” Trump/Cruz, creio que Rubio pode vir ser o candidato republicano. Tem boa imagem e é forte nos debates. Jovem e da classe média faz um excelente contraste com Hillary.

 

A maratona para as presidenciais americanas vai lançada e animada. O ciclo “Obama” está próximo do fim e nunca o bipartidarismo americano esteve tão acentuado. Face a uma América profundamente dividida, estas eleições tornam-se ainda mais interessantes.

Nos próximos meses vamos saber quem serão os candidatos dos Partidos Democrata e Republicano à Presidência dos EUA.

No lado dos Democratas reina a calma. A ex-primeira dama e ex-secretária de Estado Hillary Clinton será muito provavelmente a escolhida, excepto se ficar demasiado exposta a um escândalo como o caso dos e-mails ou da Fundação Clinton. Uma comediante fez uma graça que acertou na mouche: “Hillary deve sentir-se como Meryl Streep numa audição para um papel num filme…”

Com a decisão do vice-Presidente Joe Biden em não se candidatar (de que parece já estar arrependido) Clinton viu o seu caminho mais facilitado. No entanto, Bernie Sanders, Senador do Vermont, é favorito a vencer no “caucus” do Iowa no dia 1 de Fevereiro e nas primárias de Nova Hampshire, o que a concretizar-se criaria um “momentum” na sua campanha e alguma dúvida na escolha final do Partido Democrata.

Do lado republicano está montado um autêntico circo. A maior dúvida é se das primárias sairá um candidato de “protesto” ou um candidato que possa mesmo bater Clinton.

No primeiro grupo destaca-se Donald Trump que lidera as sondagens e as capas de jornais com as suas afirmações bombásticas, como quando propôs a suspensão da entrada de muçulmanos nos EUA. Na senda “populista”, embora com mais polimento, tem sobressaído ainda Ted Cruz, senador do Texas, que está bem posicionado nalgumas sondagens.

Como principais esperanças do chamado “establishment” ou “mainstream” republicano, e a tentar resistir ao radicalismo, surgem três nomes mais fortes: Marco Rubio, senador da Florida de ascendência cubana (tal como Ted Cruz); Jeb Bush, irmão do ex-presidente e governador da Florida e Chris Christie, governador de Nova Jérsia.

Nesta luta, bem renhida, o que acontecer no Iowa e em Nova Hampshire pode ser indicativo de quem será aqui o “last man standing” para combater a dupla Trump/Cruz. A Super-Terça de 1 de Março, com 14 primárias e “caucases” em simultâneo, terá também um papel determinante para se começar a perceber quem irá defrontar Hillary em Novembro.

Apesar da força da dupla “bully” Trump/Cruz, acredito que Rubio tem tudo para vir a ser o candidato do Partido Republicano. Tem boa imagem e é forte nos debates. Jovem e oriundo da classe média faz um excelente contraste com Hillary Clinton.

Nos próximos meses esperam-nos debates decisivos, votações renhidas e esforços tremendos para a angariação de fundos e de apoiantes de peso.

Depois da decisão de ambos os Partidos teremos um duelo com vencedor incerto. Aqui serão decisivos os “swing states” que, historicamente alternam a votação entre republicanos e democratas.

Acompanharemos de perto esta corrida que, aconteça o que acontecer, marcará a história americana. Será Hillary Clinton a primeira mulher na Casa Branca? Voltarão os Republicanos à Casa Branca, juntando esta vitória às maiorias que já detêm no Congresso e no Senado? E nesse caso, poderá um hispânico aceder pela primeira vez ao cargo mais importante do mundo?

Secretário-geral da Câmara de Comércio e Indústria Portuguesa

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)