Rádio Observador

Enfermeiros

Caro estudante de enfermagem, futuro colega, hoje escrevo para ti e a pensar em ti!

Autor
  • Humberto Domingues
323

É hora de te juntares aos enfermeiros. Pensa nisso! O teu futuro passa por esta linda profissão. Não desperdices a oportunidade de viver a experiência e seres parte da “Marcha Branca pela Enfermagem".

Como sabes, Os enfermeiros portugueses estão numa “luta” reivindicando uma Carreira Especial de Enfermagem nova. Estas reivindicações são ajustas e ajustadas pelo que somos, fazemos e sustentamos no Serviço Nacional de Saúde.

Saberás com certeza, que desde 2017, essencialmente, já fizemos muitas greves, manifestações, “Revolução dos Cravos Brancos”, vigílias, e até “Greves Cirúrgicas 1 e 2”.

Saberás também, que muitos destes teus futuros colegas não progridem há 15 anos. Não tem salários actualizados, estão esgotados, sofrem burnout, e recentemente foram insultados de muitas coisas, quer por governantes e políticos, mas também por aqueles a quem dedicamos todo o tempo da nossa profissão, muitas das vezes exercendo a função de advogado do doente.

Saberás com certeza, porque já estagiaste, que estes mesmos enfermeiros que são espoliados, insultados e desrespeitados, são os mesmos que dedicam muitas horas a orientar-te nos estágios, nos nossos serviços, a ensinar-te. São os mesmos que te ensinam a ser enfermeiro, para além do que a tua escola ou universidade te ensina. São estes mesmos, teus futuros colegas, que provavelmente ajudaram a tua mãe a que nascesses e por ventura, estiveram à cabeceira da cama, dia e noite, tratando e cuidando de algum familiar teu, ou até ajudando que partisse para o caminho da longa viagem, com o máximo de conforto e serenidade.

Já verificaste também que estes teus futuros colegas muitas vezes não tem tempo para almoçar, porque tem doentes para posicionar, porque tem que criar condições de conforto e administração de medicação para alívio das dores, do mal-estar e até ouvindo as angústias e confissões de desespero, em momentos de expressão da maior confiança e cumplicidade. E quantas vezes, pelas unidades de cuidados primários, fazem-se inúmeros quilómetros para admitir um doente, no seu domicílio para a “rede de cuidados continuados”, para administrar uma medicação, para mudar um penso, mudar uma algália que entupiu. Tudo serviços e cuidados de enfermagem com qualidade, dedicação e competência.

Depois do que disse, hoje escrevo para ti. Escrevo-te de certa maneira, desiludido, porque não te vi nos momentos de luta, na rua, nas manifestações, nas vigílias. Não vi uma massiva presença de todos vós, que amanhã sois enfermeiros!

Porque esta luta que encetamos é em parte para dar resposta, no presente, às nossas necessidades e reivindicações, mas muito do que reivindicamos é de certa forma e em grande parte, para o futuro da classe, para ti/para vós alunos do curso de enfermagem.

Dito isto, permite-me que te deixe um desafio: Dia 8 de Março vamos fazer uma “Marcha Branca pela Enfermagem” em Lisboa. Muitos de vós, alunos do curso de enfermagem, sois mulheres, todos vós são filhos de linda e belas mães. Todos nós queremos homenagear a Mulher. É hora de te juntares aos enfermeiros. Pensa nisso! O teu futuro passa por esta linda profissão. Não desperdices a oportunidade de poderes viver esta experiência e seres um rosto desta “Marcha Branca pela Enfermagem”.

Pensa sempre que, juntos somos mais fortes!

Enfermeiro especialista em Saúde Comunitária

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

Enfermeiros: Presidente traiu o dever de isenção 

Humberto Domingues
2.817

O Presidente da República traiu o seu dever da isenção, num programa de televisão, qualificando algumas questões profundas, com um discurso pobre, superficial, tendencioso, daninho e danoso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)