Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Escrevo a pensar nos pais de uma filha que não conheci, mas de quem guardo verdadeiras lições de vida. O testemunho da Carolina, depois de saber o diagnóstico da sua doença, não foi apenas comovente, foi verdadeiramente iluminante. Interpelador e transformador.

O realismo e a capacidade de aceitação da Carolina, confrontada aos 25 anos com um cancro terminal, tocaram as fibras mais sensíveis dos que a viram e ouviram nos media, mas certamente tocaram ainda mais aqueles que tiveram o privilégio de a acompanhar de perto nesta derradeira fase.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.