Brexit

Castigar os britânicos por causa do Brexit é uma má ideia

Autor
474

A classe política europeia exibe perante o Reino Unido a coragem que lhe falta perante a Rússia de Putin ou a Turquia de Erdogan. Julgará que castigando os britânicos evitará outras saídas da UE?

Esta semana, Merkel e Hollande insistiram: o Brexit tem de ser um divórcio litigioso, arrastado e amargo, e nunca, como propõe Theresa May, o sensato início de uma nova relação. É uma questão de sequência, dizem: primeiro a separação, depois a reconciliação. Não é. A saída da UE é um direito previsto nos tratados. Mas franceses e alemães parecem determinados em associar esse direito a um castigo colectivo, uma praga do Egipto. Jean-Claude Juncker, o único político capaz de fazer Trump parecer comedido, não se cansa de ameaçar os britânicos com um “pagamento pesado”. Fala-se de uma penalização de saída de 60 biliões de euros, o equivalente a um terço do PIB português.

Enquanto os líderes europeus se esforçam por tornar a UE o mais odiosa possível no Reino Unido, a imprensa europeia continua muito histérica com os “brexiteers”. Convirá por isso lembrar que não foram os eleitores do Brexit quem iniciou o processo político que resultou no Brexit. Antes do voto, houve a decisão do primeiro-ministro David Cameron de submeter a Europa a um referendo, e a decisão dos líderes europeus de negarem a Cameron qualquer acordo que calasse os euro-cépticos no Reino Unido. Já então, os dirigentes da UE pareciam determinados em forçar Londres a escolher entre a submissão e a saída. Esperavam, talvez, obter a submissão, como nos referendos que era costume repetir na Europa até darem o resultado certo. Desta vez, não aconteceu. Os líderes continentais têm tanta responsabilidade pelo Brexit como Cameron.

O Reino Unido tem fama de separatista. É verdade: não pensou inicialmente fazer parte da Europa unida, foi causa de muitas polémicas com Thatcher, e nunca aderiu ao Euro. O sentido de excepcionalismo inglês existe, como seria de esperar de um país que em 1940 ficou sozinho na Europa a combater o nazismo, enquanto burocratas franceses e comunistas russos colaboravam com Hitler. Mas o Reino Unido também foi frequentemente tratado como uma excepção pelas outras potências europeias. Em 1963 e em 1967, a França vetou por duas vezes a entrada britânica na então CEE. O general De Gaulle permitiu-se até dispensar a elegância, para comentar: “a Inglaterra já não é grande coisa”. A Turquia espera uma resposta há trinta anos, mas nunca teve de passar por tais vexames. E De Gaulle nunca esteve sozinho: ainda o ano passado, 46% dos franceses não fazia questão que “les anglais” continuassem na UE.

O que sugere neste momento o Reino Unido? Reintegrar-se com a UE numa zona de comércio livre. Mas as potências continentais clamam que nunca lhe darão o comércio sem a migração e a jurisdicção europeia, isto é, sem aquilo que motivou os britânicos a votarem no Brexit. A classe política europeia exibe perante o Reino Unido uma coragem que muitas vezes lhe faltou perante a Rússia de Putin ou a Turquia de Erdogan. Putin anexou uma parte da Ucrânia; Erdogan promete aos europeus que “nunca mais andarão em segurança nas ruas”. Mas a ousadia de Juncker e dos seus comparsas esgota-se na “pérfida Albion”. Ter-se-ão convencido de que só com elevados custos de saída poderão manter a UE?

O Reino Unido faz falta à Europa unida. Pela sua tradição de liberdade, pela sua abertura ao mundo, pelo seu papel de contrapeso do eixo franco-alemão, que a Itália ou a Polónia não estão em condições de desempenhar. Sem o Reino Unido, aquilo a que chamamos “Europa” será cada vez mais uma aliança franco-alemã, com parceiros periféricos. As tentações de proteccionismo e de ensimesmamento serão maiores. A bem da Europa, conviria às potências europeias, que já reconheceram o princípio das várias velocidades, desdramatizarem o Brexit, e aceitarem que há outras formas de integração, que não as da União Europeia. Porque se tudo acabar mal, a culpa será suficientemente grande para poder ser repartida por todos.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos
267

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Rui Rio

Dr. Rio, deixe o PS em paz /premium

Rui Ramos
260

Rui Rio ainda quer fazer reformas estruturais com o PS. Mas porque é que o PS haveria de se comprometer em reformas com a direita? Para dar espaço a movimentos à sua esquerda? 

ADSE

As guerras da saúde fazem sentido? /premium

Rui Ramos
346

Na cínica “ideologia do SNS” não temos qualquer preocupação com a saúde pública, mas um projecto de domínio da sociedade pelo poder político e ainda um cálculo eleitoral partidário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)