Nunca existirá paz no mundo sem a compreensão plena das religiões e respetivas culturas: apenas com um relacionamento cordial e compreensivo entre as diversas nações, no respeito profundo pelas suas diferenças e tradições, poderá ser assegurado um verdadeiro desenvolvimento civilizacional e um futuro harmonioso para o nosso planeta. Por isso mesmo, não existe atualmente nenhuma tarefa tão nobre e urgente quanto a da eliminação da guerra e da construção da paz entre todos os povos, principalmente quando assistimos diariamente ao crescimento do extremismo e do radicalismo.

As Universidades têm uma grande responsabilidade na resolução deste problema mundial porque são os repositórios e os transmissores do conhecimento. Em Coimbra nasce agora uma Academia pioneira para o Encontro de Culturas e Religiões, pretendendo precisamente contribuir para enriquecer esse diálogo cultural e inter-religioso, promovendo o esclarecimento e o debate entre todos aqueles que compõem a comunidade académica e a sociedade civil. Através de um conhecimento aprofundado e imparcial da história, dos valores e do percurso das diversas tradições religiosas mundiais, poderá resultar uma cidadania livre, lúcida e responsável. E certamente não há melhor lugar para constituir um espaço especialmente propício a esta abertura ao mundo e à vida, numa perspetiva pluralista e multicultural, do que a cidade de Coimbra.

Uma primeira razão prende-se por já ter sido, no passado, um lugar de encontro de civilizações. A antiga Coimbra moçárabe era um espaço de fronteira e de cruzamento pluriconfessional entre o norte atlântico e o sul mediterrânico. Pode, por isso, através da sua universidade, classificada como Património Mundial da Humanidade, afirmar-se como um farol na construção de uma convivência saudável e esclarecida entre jovens de todo o mundo, de todas as etnias e de todos os credos e culturas, e possibilitar o estudo do ensino não confessional do religioso, numa perspetiva histórica, filosófica e antropológica moderna e atualizada.

O segundo motivo, bastante presente nos dias de hoje, reside no facto de a Universidade de Coimbra constituir uma das instituições portuguesas mais internacionais e cosmopolitas, contando com cerca de 20% de estudantes estrangeiros, oriundos de mais de cem nações diferentes.

Esta é uma imensa riqueza do ponto de vista cultural e configura um caso único entre as instituições portuguesas de ensino superior que deve ser potenciado enquanto exemplo e servir de motor para a pacificação no mundo. Entendemos que o reforço das condições de acolhimento de todos os estudantes que nos procuram terá como resultado direto esse diálogo, garantindo não apenas o seu bem-estar material e logístico, mas também o seu crescimento humano e a sua valorização pessoal, numa perspetiva de formação para uma cidadania plena e ativa, aberta ao mundo e aos grandes desafios da contemporaneidade.

Nesta Academia juntamos as várias religiões e sensibilidades globais como um sinal de que as sinergias são possíveis e desejáveis. Estamos certos de que com a organização de encontros e eventos culturais e científicos, estabelecimento de parcerias com entidades nacionais e internacionais, elaboração e publicação de estudos, realização de cursos e ações de formação e desenvolvimento de atividades de intercâmbio, participaremos no estabelecimento da paz no mundo tendo a juventude como embaixadores fundamentais dos valores humanistas que pretendemos alastrar.

Formar pessoas para o mundo ainda é a melhor salvaguarda contra extremismos e radicalismos. Saibamos nós – todos – investir mais em conhecimento.