Enfermeiros

Com este governo, o que importa é a “luta”

Autor
619

Segundo o actual governo, a via certa para aproveitar a boa conjuntura económica é ligar-se ao Estado, e tentar, através da greve e do protesto, arrancar rendas e regalias ao poder político.

Depois da greve dos enfermeiros, a greve dos juízes. Tudo isto é de algum modo edificante. Os enfermeiros mostram-nos que o SNS, com que tanto enchem a boca, afinal não lhes interessa, a não ser como fonte de empregos e regalias. Os juízes deixam-nos perceber que, no fundo, se sentem como quaisquer outros empregados por conta de outrem, o que nos sugere esta dúvida: por que razão têm então o estatuto e as garantias de um órgão de soberania?

O líder da oposição procedeu entretanto ao seu diagnóstico: o governo, com o espalhafato das “boas notícias”, teria feito mais uma vez as expectativas subir acima das possibilidades. É isso? Talvez também seja isso. Mas o problema principal parece-me ser outro. O actual governo e a sua maioria não insuflaram apenas as expectativas. Fizeram outra coisa: com a sua “narrativa” do fim da austeridade e da devolução de rendimentos, convenceram muitas classes profissionais de que as remunerações não dependem da produtividade, mas da luta política.

Lembremos qual foi a tese que os actuais ministros e os seus aliados parlamentares trouxeram para o governo. Em 2011, num país próspero e de contas equilibradas, um bando de malfeitores neo-liberais apossou-se do poder, e começou a cortar rendimentos aos portugueses. Como recuperaram os portugueses esses rendimentos? Trabalhando, reorganizando-se, reequilibrando as contas, tornando-se mais competitivos? De modo nenhum. “Resistindo” e “lutando”, até o governo maldoso ser substituído por um governo bondoso.

Reparem: para a diminuição de rendimentos, segundo o presente governo, não houve nenhuma razão, a não ser a ideologia do governo anterior; e para a sua reposição, nenhuma outra razão, a não ser a derrota desse governo. A “luta”, e não o trabalho, é portanto o modo de adquirir proventos. É esta a cultura económica de António Costa e da sua maioria: o Estado é o grande distribuidor de rendas, e a situação de cada um depende, por isso, da sua relação com o Estado.

Toda a sociedade é explicada desta maneira. Se há ricos, é só porque o Estado não lhes cobra impostos. Se há pobres, é só porque o Estado não lhes dá subsídios. Tudo passa pelo poder político. A ideia de um esforço colectivo para aumentar a riqueza e melhorar a condição de todos é estranha a esta filosofia. A riqueza é uma quantidade constante disputada pelos vários grupos, e repartida pelo Estado de modo arbitrário, conforme a relação de forças.

Neste momento, a conjuntura é a mais propícia dos últimos dez anos: o dinheiro continua barato, o petróleo também, todas as economias europeias crescem, e os voos baratos e o medo do terrorismo islâmico no Mediterrâneo inundaram Portugal com a maior vaga de turismo desde os anos 60. Mas como é que o governo e a sua maioria convidam os portugueses a aproveitar esta situação? Tendo ideias, esforçando-se, investindo, trabalhando? Pelo contrário, a prioridade governamental é até dificultar e carregar de impostos todas as actividades e iniciativas, como o arrendamento local. A via certa para aproveitar a conjuntura é ligar-se ao Estado, e tentar, através da greve, do protesto e do lóbi, arrancar rendas e regalias ao poder político, que por sua vez “luta” em Bruxelas para extrair mais dinheiro à UE.

No segundo trimestre deste ano, Portugal já foi o país europeu cuja economia menos cresceu (0,3% contra, por exemplo, 2,5% da República Checa ou 1,5% da Holanda). Fora do turismo, não somos competitivos. Mas que interessa isso? O que importa é a “luta”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Literatura

Agustina, a escritora sem medo /premium

Rui Ramos
639

Agustina nunca pagou portagem aos bons sentimentos do humanismo progressista. Houve quem não lhe perdoasse. Ela, porém, nunca teve medo: é talvez a “valentia” que a define como escritora. 

PSD/CDS

A direita de Groucho Marx /premium

Rui Ramos
326

A famosa frase “estes são os meus princípios, mas se não gostam deles, eu tenho outros” é uma piada de Groucho Marx. No caso da direita portuguesa, porém, não é uma piada: é como as coisas são. 

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)