Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Este mundo em que vivemos está cada vez mais fake. As notícias são fake news, mais representações da psicopatologia de quem as relata & escreve do que descrições do que realmente aconteceu. As políticas sociais são fake policies, legisladas mais para fazer ondas & dar nas vistas do que para aliviar pobreza e sofrimento. As políticas económicas são cada vez mais fake economics, incluindo as bazucas & tudo o resto que para aí vem, implementadas mais para enriquecer amigalhaços & pagar favores do que promover o bem-estar coletivo. Também os relacionamentos estão a ficar cada vez mais fake relationships, em que os pais estão a ser cada vez menos pais, os esposos, menos esposos, e os amigos, menos amigos.

A proliferação do fake é produto da crise epistemológica que afeta o mundo ocidental: não aceitar que a Verdade exista, nem que ela existe para ser descoberta pelo Homem1. Nem acreditar que a Verdade seja algo de objetivo e verificável empírica e racionalmente. O fake torna-se possível, quando a realidade bruta e crua deixa de ser aceite como padrão da bondade de uma afirmação. E repare-se que não estamos a falar da expressão de gostos pessoais, mas da descrição de factos e teorias sobre o mundo físico e social.

O fake é legitimado pela atitude cada vez mais prevalente que aceita ser possível eu ter a ‘minha verdade’ e tu a ‘tua verdade’. Em que a Verdade é substituída por ‘narrativas’. E também se alicerça na crença cega no que se diz ser ‘ciência’, crença que está associada ao desconhecimento do que é o método científico e qual o seu fim. É fruto da postura: “se achas que o aborto é homicídio não abortes, mas não o impeças aos outros” ou “se achas que o Holocausto foi um crime, essa pode ser a tua narrativa, mas não me obrigues a aceitar”.

Este tipo de argumentos seria considerado, há não muitas gerações, ou como infantilidade a ser corrigida pelos pais ou, se pronunciados por adultos, como sinal óbvio de fraqueza cerebral a requerer acompanhamento especializado. Isto não quer dizer que os antigos nunca se deixassem enganar. Mas provavelmente seriam, de um modo geral, mais atentos à realidade das coisas, quer as naturais, quer as sociais, e, por consequência, mais imunes ao fake. E quando o fake lhes aparecia à frente sabiam tratá-lo como merece, tal com é relatado na seguinte, e mui antiga, história popular japonesa:

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Há muito, muito tempo, viviam dois velhinhos num local remoto de Ōshū. A avozinha ainda via bem, mas o marido tinha o olho esquerdo vazado, fruto de uma briga juvenil. Certa noite o avozinho regressou dos bosques mais tarde que o habitual.

“‘Avozinha, avozinha, tadaima—acabo de voltar!’ bradou ele ao entrar.

“‘Okaerinasai—que sejais bem-vindo de volta!’ respondeu a mulher indo-lhe ao encontro e fazendo uma profunda vénia. Enquanto se dobrava, de raspão, reparou com surpresa na cara do marido: em vez de zarolho do lado esquerdo, estava zarolho do direito.

“‘Ahhh! Isto é raposa2!’ pensou para consigo. ‘É sem dúvida raposa sob aparência de avozinho…’ Ainda dobrada, acrescentou em voz alta:

“‘Avozinho, vens alegre e cheio de sake, não é verdade? Em que taberna estiveste? Quando vens neste estado queres sempre pôr-te dentro de uma tawara3 de palha, não é verdade?’

“‘O que me dizes tu?’ perguntou a raposa enquanto se enfiava sozinha numa das tawara que estavam ao pé da porta.

“Continuou a avozinha: ‘Uma vez dentro da tawara queres sempre que a ate bem atada, não é verdade?’

“‘O que dizes?’ murmurou a raposa enquanto deixava a avozinha atá-la bem atada dentro da tawara.

“‘E uma vez que a corda esteja bem apertada pedes sempre para te pendurar sobre a fogueira para te fumar, não é verdade?’ continuou a mulher. E, levantando sobre a fogueira a tawara com a raposa bem presa e amarrada, pendurou-a com a corrente de ferro que descia do teto. Depois avivou o fogo, grelhou um sakana4, e começou a cear sozinha deliciada com o sabor do seu repasto. Estava a terminar quando chegou o verdadeiro avozinho, zarolho do olho esquerdo.

“E a raposa que, sob a aparência de avozinho tinha vindo enganar a avozinha, acabou fumada e foi feita em sopa de raposa. Medetashi, medetashi.”

Sopa de raposa

É especulador imobiliário e diz-se socialista? Provavelmente é fake. Tem pilinha e acha-se menina? Idem.5 Conduz um bruta Mercedes e quer receber o rendimento social de inserção? Idem. Na dúvida,… chame a avozinha.

U avtor não segve a graphya du nouo AcoRdo Ørtvgráphyco. Nein a do antygo. Escreue coumu qver & lhe apetece. #EncuantoNusDeixam

[1] Homem: animal que se ocupa e preocupa mais com aquilo que quer ter e quer parecer do que com aquilo que deve ser; uma das duas configurações com que que os Homens vêm a este mundo, nus para evitar confusão na classificação, verificável nos órgãos reprodutores e determinada pelo DNA; uma teoria filosófica sebosa e cerebrosa recente nega que esta divisão se fundamente corporeamente no baixo abdómen mas que se encontra realmente no córtex pré-frontal em dois neurónios de tipo x e y que determinam o sexo; pessoa com características estruturais, funcionais e comportamentais inferiores à média; no hétero-patriarcado branco, aquele que serve de sustentador e provedor, sendo classificado como ‘bom’ ou ‘mau’ com base na capacidade da mulher vestir Chanel ou outro trapo de marca; membro da espécie animal Homo Sapiens, espécie que, nos intervalos em que trabalha pela extinção dos seus semelhantes, se ocupa da preservação das outras, como sapos, cobras e lagartos; apesar de todos os esforços para se autoextinguir, a espécie prospera com tanto vigor que já infeta toda a terra habitável e a Espanha, pondo em causa a sustentabilidade ecológica da mãe terra; na frase que remete para esta nota, ‘homens’ designa ‘Humanidade’, isto é, homens e mulheres, já que este texto foi escrito para Cristãos; se tivesse sido escrito para Budistas, então ‘homens’ significaria somente homens, com exclusão de mulheres, pois só aqueles podem entrar no Jōdo 浄土, o Paraíso da Terra Pura, sendo que as mulheres têm que reencarnar antes como homens neste mundo para depois lá poderem serem admitidos. Como será operada a reencarnação da última mulher como homem, para poder ter acesso ao paraíso de Amida, é uma questão que ultrapassa a competência e não cabe no estreito vaso do engenho deste lexicógrafo.

[2] Raposa: pessoa manhosa e enganadora; político espertalhão e falso, como Herodes (cf. Lc 13:31-32); mamífero carnívoro que, à imagem de políticos espertalhões e falsos, mata e consome animais vegan, como por exemplo, coelhos e outros patinhos; distinção académica conferida a alunos que se sobressaem em fake, demonstrando assim especial aptidão para uma carreira política; divindade japonesa que sob a denominação de Ō-Inari-sama 御稲荷様 é associada à prosperidade e ao sucesso mundano.

Templo budista (não confundir com Santuário Xintoísta) dedicado a Ō-Inari-sama

[3] Tawara: : saco, geralmente de grande porte, tecido com palha de arroz ou de outro cereal.

Tawara

[4] Sakana : (jap.) peixe; quem age com esperteza ou malandrice; político, especialmente da espécie que tem por habitat natural as regiões ocidentais da Península Ibérica (sakana lusitanae) e que recentemente substituiu o piolho (pediculus capitis) na estima das populações

[5] Já um verdadeiro operário da pena, um warxista-reninista dos antigos, daqueles que ainda tinha um dos pés no chão enquanto tentava firmar o outro num degrau imaginário de acesso ao socialismo surreal, José Gomes Ferreira (1899—1985), notava que “[…] só as aparências são susceptíveis de mudança e nunca o que existe de mais profundo nos seres. O sexo, por exemplo. Por mais que isso te espante, ser-me-ia fácil transformar-te em rato, mas nunca em rata.” E, profeticamente (salvo seja: pela aplicação das leis do materialismo dialético, que nos permite conhecer com certeza a evolução social futura até à consecução do comunismo), acrescentou umas páginas mais à frente: “Os governantes, os professores e o escol intelectual, cuidadosamente escolhidos entre as pessoas mais insignificantes da Cidade, pugnavam com denodo pela mumificação do Disparate de pernas para o ar. E ai daquele que não pronunciasse pelo menos dez asneiras por minuto. Ou que não sujasse as grandes descobertas e empresas humanas (como a energia atómica ou os satélites, por exemplo) com teorias imbecis de amesquinhamento reles. Considerados moralmente mortos, os colegas tratavam logo de excluí-los, sem relutância nem remorsos, das respectivas Academias e Universidades.” (Aventuras de João Sem Medo, 1963)