Rádio Observador

Maioria de Esquerda

Como a esquerda mercantilizou a democracia /premium

Autor
141

É curioso que Catarina Martins, que diz não gostar dos mercados, utilize a técnica dos vendedores para convencer clientes, neste caso eleitores. A esquerda tornou a democracia num mercado selvagem.

Se tomarmos atenção ao que Catarina Martins diz quando fala descobrimos frases feitas, ideias de todas as cores e feitios, um mundo azul, tão perfeito que o olhar doce de Catarina nos parece perguntar por que motivo não nos rendemos a ela.

A ela que nos quer “falar da vida das pessoas”. Estas declarações foram proferidas a 26 de Maio, após os resultados das europeias, mas podiam ter ocorrido noutro dia qualquer. Porque é isso que o Bloco faz e faz bem: fala das pessoas. Procura o que elas querem e dá-lhes. Nesse dia 26 de Maio, Catarina Martins discorreu sobre o assalto à vida das pessoas a que o BE quer pôr cobro. A que assaltos se referia, já não especificou. Catarina fala da vida das pessoas, não de pormenores. Não de factos concretos. Por isso quer o melhor para todos (que, por acaso, é o que todos nós também queremos), e se torna numa verdadeira vendedora de banalidades. Termina a referida alocução com chave de ouro quando acrescenta, na mesma noite em que o PAN conseguiu o histórico resultado de 4% dos votos, a necessidade de “fazer propostas para uma reconstrução, uma reconversão da nossa economia que responda ao maior desafio do nosso tempo: a emergência climática.” Bingo. Mais oportunista seria difícil. Aliás, não é complicado imaginar o BE a montar os discursos, numa incessante busca dos temas quentes, do que é que está a dar, de que lado sopra o vento, e vê-los a deixarem-se ir, a juntarem palavras que depois, profissionalmente, Catarina, Marisa, uma das Mortágua, um Moisés ou outro qualquer, alguém capaz de brotar em voz alta, perante microfones e uma comunicação social embevecida, a verborreia que de tantas vezes repetida se torna pensamento, primeiro, verdade depois.

É curioso que a Coordenadora Nacional do BE, que nos diz não gostar dos mercados, utilize a técnica dos vendedores para convencer clientes, neste caso eleitores. Mais: é interessante o quanto o BE (e o PS também, com a sua aposta em enfeudar os funcionários públicos) encara o voto como moeda, lida com os eleitores como se de um mercado livre se tratasse. Um mercado dentro do qual o BE e o PS agem sem rédeas, nem regulamentações. Um mercado que conquistam através de medidas que lançam, promovem e vendem no tempo que consideram apropriado. É curioso como o BE e o PS tratam a política como não deixam que os cidadãos (as tais pessoas) tratem a economia.

O que se percebe, pois na política são o PS e o BE que estabelecem as regras que os demais (as ditas pessoas) devem cumprir; regras que estes dois partidos põem de lado quando lhes é conveniente, enquanto que na economia esse poder é deixado aos cidadãos (as aludidas pessoas). Dir-me-ão que não, que são os bancos e as offshores que põem e dispõem na economia como se o compadrio entre os bancos, as offshores e a política não fossem por demais evidentes para se antever quem disporia verdadeiramente da economia, caso esta fosse mais livre.

Tal como o comunismo precisa de pobres para sobreviver, também o BE necessita de corrupção e compadrios para existir. Numa economia mais livre, com menor promiscuidade entre a economia e a política, (que mais não é que entre a economia e o Estado) e não havia BE. Ou teria menos votos. É como com as offshores: subsistem porque existem infernos fiscais.

Com o PS o fenómeno mercantilista (vulgo, eleitoralista) é semelhante. Em caso de dúvida, vejamos: qual é o eleitorado do PS? Os funcionários públicos. Ora, qual é o produto eleitoral que o PS vai apresentar para uns dias antes das eleições? A possibilidade de os funcionários do Estado faltarem ao trabalho para levarem à escola os filhos no primeiro dia de aulas. Mas como esta benesse é curta (só dura umas horas e uma vez por ano) o PS prepara-se para apresentar um outro produto ainda mais apelativo para o seu mercado eleitoral que é a contratação de mais funcionários públicos. Trata-se uma visão empreendedora e expansionista pois visa aumentar o mercado consumista, ou se quisermos ser sarcásticos, os clientes, ou se nos arriscarmos a ser assertivos, o eleitorado do PS.

Dir-me-ão também que a democracia pressupõe isto mesmo, a tentativa de aumentar o eleitorado próprio. Sem dúvida. Mas aumentar o eleitorado convencendo-o com as suas ideias, as suas convicções. Dito de outra forma, um tanto ou quanto ultrapassada nestes tempos de geringonça: com argumentação. Não, nunca, com a utilização de dinheiros públicos para a compra de votos através de medidas eleitoralistas. Porque isto sim, também é corrupção.

E é assim que PS e BE agem selvaticamente no mercado eleitoral, mas têm horror a que se faça o mesmo nos verdadeiros mercados. Naqueles em que as pessoas (as tais) compram e vendem e investem aquilo que é seu e para si. A colectivização tem destas coisas. Mas também nada disto é original. Tem outros nomes sobejamente conhecidos, como clientelismo ou caciquismo. Fenómenos agora, ao que se vê, coordenados nacionalmente.

Advogado

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral
174

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Estado da Nação

Os podres da legislatura /premium

André Abrantes Amaral
197

Esta legislatura termina e é tempo de balanço, mesmo que breve. Não é difícil imaginar Costa em 2015 sentado à secretária a tomar notas sobre o que teria de não fazer para se manter no poder até 2019.

Viana do Castelo

Como o Estado se virou contra nós /premium

André Abrantes Amaral
333

Eis como o poder político se vira contra os cidadãos em vez de os proteger: o prédio Coutinho foi permitido e legalizado e agora, por razões estéticas, querem demoli-lo. Os fascistas não fariam melhor

Maioria de Esquerda

A cor do cavalo branco de Napoleão

Pedro Barros Ferreira
112

A direita fica muito contente, quando as suas propostas são aprovadas por largas maiorias, ou mesmo por unanimidade. A esquerda não procura consensos. É, aliás, o lado para onde dorme melhor.

Maioria de Esquerda

Esqueçam! A geringonça acabou

José Ribeiro e Castro
319

A geringonça acabou. Renovem-se, ou não, os acordos políticos à esquerda, serão de outro tipo e de outra natureza. É a incerteza quanto a isso que explica o seu desmaio antecipado nestas semanas.

Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)