Rádio Observador

Liberdade Religiosa

Complexos de laico

Autor
900

Não deixa de ser curioso constatar que, num tempo em que tanto debatemos formas de conter a influência do islamismo no Velho Continente, ninguém se ocupe em defender aquela que é a nossa maior herança

Se encarei com relativa compreensão a notícia de que os crucifixos seriam retirados das paredes das escolas públicas francesas, já me causou algum espanto e transtorno a decisão de um tribunal administrativo francês de remover do espaço público uma estátua de João Paulo II por esta ter uma cruz “demasiadamente ostensiva”. Meses antes, também uma imagem de Nossa Senhora havia sido removida de um parque público na região da Sabóia sob o mesmo pretexto: a laicidade do Estado.

Este assunto deve preocupar-nos a todos, não tanto pelos danos que já causou, mas sobretudo pela ameaça que um incorrecta compreensão do conceito de laicidade representa para o futuro da Europa, sobretudo num período de indiscutível crise identitária e de tão grande tensão com o islamismo.

Ponto prévio: é bom que o Estado seja laico e que inexista qualquer confusão entre as suas atribuições e as da Igreja. É bom que o Estado não professe uma determinada religião e não procure impor, através dos meios custeados por todos os contribuintes, uma determinada visão (de resto, como sucede – ou deveria suceder – em matérias políticas e ideológicas). A neutralidade confessional do Estado é importante não só para respeitar, como também para promover a liberdade religiosa de todos os cidadãos.

Há, contudo, dois equívocos que têm minado este debate e que mais não são do que manifestações (direi mesmo “complexos”) de quem, querendo ser tão laico, ameaça desvirtuar por completo o conceito de laicidade.

1. Laicidade não significa imposição de indiferentismo religioso. Um Estado que suprime ou proíbe do espaço público qualquer expressão religiosa é um Estado que abandona a neutralidade desejada e impõe o ateísmo militante (ou, se se preferir, o “laicismo”). A laicidade, reconhecendo a dimensão espiritual do ser humano e o pluralismo que caracteriza as sociedades modernas, abre espaço e beneficia do contributo das religiões para a vida em sociedade. O laicismo procura reduzir o religioso à esfera privada da consciência e expulsar Deus da vida pública. A laicidade convive com as religiões, enquanto o laicismo procura remetê-las para o silêncio dos locais de culto. Não existe nada de errado em o Estado admitir a presença de símbolos ou manifestações religiosos no espaço público, sobretudo quando grande parte da população neles se revê: o Estado é laico, mas a população (que aquele visa servir) não o é.

2. Significa isto que todas as religiões merecem igual tratamento da parte dos poderes públicos? Sim, de um ponto de vista jurídico; mas não, de uma perspectiva política. O Estado não deve ignorar a herança, o peso e a representatividade que cada religião ocupa no respectivo país. No diálogo que estabelece com a sociedade, o Estado não pode deixar de atender aos grupos ou organizações mais representativos. O princípio é o mesmo que subjaz ao diálogo com as organizações sindicais: todas gozam de igual tratamento jurídico, mas nem todas podem ter assento em sede de concertação social. Tratamento diferenciado não se confunde com tratamento privilegiado ou discriminatório, como reconhece, a este respeito, o constitucionalista Jorge Miranda. Assim, é natural que uma instituição religiosa que promova uma série de obras de assistência e de promoção social (e, portanto, que coadjuve o Estado na prossecução dos seus fins) mereça o apoio dos poderes públicos e possa até participar mais activamente, em função do seu conhecimento, nos processos de decisão directamente relacionados com essas mesmas funções. De resto, este princípio vale tanto para países de maiorias cristãs como para países de maiorias muçulmanas.

Não deixa de ser curioso constatar que, num período em que tanto debatemos formas de conter a influência do islamismo no Velho Continente, ninguém se preocupe em defender aquela que é a nossa maior herança. Talvez um dia compreendamos que a maior ameaça à nossa identidade e às nossas raízes judaico-cristãs não é um qualquer inimigo externo; são mesmo os nossos complexos de laico.

Advogado

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

O voto dos católicos: um breve enquadramento

Pedro Morais Vaz
676

Este texto é escrito na esperança de ajudar não só os cristãos, mas todas as pessoas de boa vontade, a ler criticamente os programas dos partidos e a tomar uma decisão de forma informada e consciente.

Assembleia Da República

Quotas para quem?

Pedro Morais Vaz

Quem nos garante que, caso os africanos passem a beneficiar de quotas, não teremos os brasileiros – um dos grupos mais discriminados em Portugal – a exigir o mesmo tratamento no dia seguinte?

Civilização

A Europa e a cultura do repúdio

Pedro Morais Vaz
140

A maior ameaça ao futuro da Europa reside no que Roger Scruton apelidou de “cultura do repúdio” e que se propõe repudiar tudo o que encara como tipicamente “nosso” para que ninguém se sinta "excluído"

Terrorismo

Cristianofobia: um novo holocausto? /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
5.417

Em 2018, foram mortos 4.305 fiéis e detidos 3.125 cristãos;1.847 igrejas e edifícios cristãos foram destruídos, incendiados ou vandalizados por ódio à fé em Cristo.

Cristianismo

A Ucrânia e os valores cristãos da Europa

Pavlo Klimkin
373

Na Rússia ortodoxa nunca houve liberdade, democracia, abertura, nem tolerância como valores. Portanto, a Rússia não pertence à civilização da Europa, apesar de todas as semelhanças externas. 

Liberdade Religiosa

Os mártires de Tibhirine /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
392

Hoje são beatificados, na Argélia, dezanove novos mártires, entre os quais os sete monges de Tibhirine, que foram argumento do filme ‘Dos homens e dos deuses’.

Liberdade Religiosa

Asia Bibi: ela sim! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
947

Portugal não pode ser insensível a este drama humanitário: mais do que uma questão religiosa, é um caso de justiça e de respeito pelos mais elementares direitos humanos.

Liberdades

Pelo direito à diferença

José Miguel Pinto dos Santos

Excetuando as geradas por injustiças sociais, todas as outras diferenças devem ser bem-vindas pois trazem variedade à vida, porque permitem o livre desenvolvimento individual e porque não são injustas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)