Rádio Observador

Cinema

Consumismo cinematográfico

Autor
  • Ana Fernandes

Não estaremos a perder a magia do cinema? E o gosto pelos clássicos que notoriamente influenciaram os filmes que vemos hoje em dia? Estamos a consumir cinema como se de "fast food" se tratasse...

Tive uma infância privilegiada. Cresci a ver os clássicos.

Na casa onde dei os primeiros passos apreciava-se cinema — nacional e internacional. A minha mãe, fã acérrima de Cottinelli Telmo e Ribeirinho, desde cedo me fez ver os êxitos do Estado Novo. Juntas vimos o Vasco Santana a falar com um candeeiro n’ O Pátio das Cantigas (1942), vimos o fervoroso Sporting – F.C. Porto n’ O Leão da Estrela (1947) e até aprendemos, com o Dr. Vasco Leitão, o que é o esternocleidomastóideo — A Canção de Lisboa (1933). Cedo conheci também o génio de Manoel de Oliveira que, em meados dos anos quarenta, pôs o país a entoar a lenga-lenga de Aniki Bóbó (1942).

Por outro lado, o meu pai incutiu-me gostos além fronteiras. Para além das horas que passámos a ver os filmes do Terence Hill – o cowboy insolente Trinitá –, assistimos também aos grandes do cinema, aqueles que venceram ou estiveram nomeados aos Óscares. Em todas as páscoas vimos a vingança de Ben Hur (1960). Vi o percurso de Dorothy até à Cidade Esmeralda, n’ O Feiticeiro de Oz (1939), vi Maria tomar de assalto o coração das crianças Von Trapp (e também do capitão) no Música do Coração (1965) e em Casablanca (1942) sofri com a partida de Ilsa, deixando Rick de coração partido, mais uma vez.

O gosto pela sétima arte foi-me incutido desde pequena, é certo, mas também foi cultivado ao longo dos anos. É seguro afirmar que devo ter visto mais de 50% dos filmes vencedores de estatueta dourada. Se contarmos com nomeados, com certeza, a percentagem será superior. Agora mais velha, mais consciente, procuro ver sempre todos os nomeados, de modo a ter uma melhor percepção da colheita anual. E é com algum desgosto que constato que actualmente o cinema não está feito para ser visto, mas sim para ser consumido.

Hoje a oferta cinematográfica é maior. É cada vez mais fácil fazer um filme. É mais acessível, quer do ponto de vista económico, como tecnológico. Mas não estaremos a perder a magia do cinema? E o gosto pelos clássicos que notoriamente influenciaram os filmes que vemos hoje em dia?

Estamos a consumir cinema como se de fast food se tratasse, não dando espaço às nossas papilas gustativas para saborear as imagens e os sons que estão no grande ecrã. Nos dias que correm, os orçamentos são cada vez mais elevados, o que possibilita guarda-roupas mais dispendiosos, melhor equipamento de filmagem/edição/montagem e, claro, mais efeitos especiais. Mas será que, por exemplo, daqui a dez anos, iremos recordar algum dos filmes que venceu o Óscar nos últimos cinco anos? E, mais importante, será que os recordaremos da mesma forma que lembramos gigantes como Titanic (1998), O Silêncio dos Inocentes (1991), O Padrinho (1972) ou A Lista de Schindler (1993)?

Cinema é arte – a sétima arte. É, na sua etimologia, a arte de fixar imagens em movimento. É a magia do audiovisual, é acreditar no que se vê, é saborear cada frase, cada paisagem, é odiar o vilão como se fosse nosso inimigo, é amar o protagonista como se da nossa vida se tratasse. Ver um filme é apreciar a obra no seu todo, conhecendo, ainda assim, a sua singularidade. É, no fundo, ser parte integrante da história, do início ao fim. Deste modo, é necessário parar este consumismo cinematográfico desenfreado. É imperativo valorizar todos os clássicos, as triologias, as sagas e todas as obras-primas, ainda que tendo sempre presente que um filme é como uma caixa de chocolates, nunca sabemos o que vamos encontrar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)